Thomas Pogge: Como os direitos humanos e a transparência financeira estão conectados?

0
72

joburThomas Pogge, Global Finantial Integrity

Joanesburgo – A humanidade nasceu aqui na África, alguns 3, 4 milhões de anos atrás. Olhando para trás, os últimos 500 anos atingiram um período de progresso fantástico. Temos crescido rapidamente em uma única cultura global que está avançando a uma velocidade de tirar o fôlego. Em uma única vida, as capacidades humanas têm vindo a mudar para além da imaginação: na ciência, medicina, construção, transporte, armamento, comunicações, processamento de dados, e outras áreas do conhecimento, exploração, descoberta e invenção.

Contemplando o destino durante esta grande era progressista, somos confrontados com horrores surpreendentes: conquistas coloniais da maior parte da Terra, genocídios em grande escala e escravidão, – guerras e massacres em uma escala sem precedentes, – opressão, pilhagem, empobrecimento e exploração da maioria da população humana. Os membros mais avançados da nossa espécie têm abusado continuamente das novas capacidades da humanidade para infligir sofrimento inimaginável sobre a maioria, aumentando assim ainda mais o seu próprio poder e superioridade.

Dizem-nos que, felizmente, este lado negro da era progressiva está agora atrás de nós. As ex-colônias foram transformadas em estados soberanos livres e independentes, e todos nós estamos agora comprometidos com a idéia de que o progresso humano deve ser medido tanto por melhorias para os mais desfavorecidos, como por ganhos para as elites. Tal progresso para os países menos afortunados é chamado de “desenvolvimento”. E os políticos em todos os lugares proclamam sua solidariedade com os países menos desenvolvidos “” – ou (mais otimista) os países “em desenvolvimento” – e estão a trabalhar juntos para superar as privações restantes.

Devo confessar que sou cético sobre toda essa conversa edificante sobre ser “Unidos para o Desenvolvimento”, sobre “não deixando ninguém para trás”, sobre o nosso sonho comum de “um mundo sem pobreza.” Para ter certeza, a retórica é real e onipresente . E governos, agências intergovernamentais, fundações, ONGs e muitos outros estão gastando muito tempo reiterando os seus compromissos para o desenvolvimento em cimeiras e conferências, bem como nos preâmbulos, declarações e documentos de trabalho. Mas muito do seu suposto esforço é apenas fumaça e espelhos; e a tendência do mundo real é das desigualdades ainda maiores.

Falando sobre privações, estamos nos referindo, em primeiro lugar, aos direitos humanos não cumpridos. Um direito humano é insatisfeito quando seu portador não tem acesso seguro ao seu objeto. As estatísticas abaixo ajudam na reflexão:
• 805 milhões vivem cronicamente subnutridos (FAO, FIDA e PAM, 2014: 8, 11, 40),
• bem mais de 1 bilhão vivem com falta de abrigo adequado (Rolnik, 2014: 1),
• 748 milhões vivem com falta de água potável (Too-Kong, 2014: 47),
• 1,8 bilhão vivem com falta de saneamento adequado (ibid: 25),
• mais de 1,2 bilhão vivem com falta de energia elétrica (Banco Mundial, sd),
• mais de um terço vivem com falta de acesso seguro aos medicamentos essenciais (Nyanwura e Esena, 2013: 208),

Leia o artigo original aqui

Dr. Pogge é o diretor do Programa de Justiça Global eo Professor Leitner de Filosofia e Assuntos Internacionais na Universidade de Yale.