Estudantes refugiados continuam estudos no Chade com apoio da ONU

1
266
Moussa com a máquina de costura que lhe foi emprestada. Ele usará a máquina para ganhar algum dinheiro extra e retomar seus estudos em Direito no Chade. Foto: ACNUR/M. Farman-Farmaian
Moussa com a máquina de costura que lhe foi emprestada. Foto: ACNUR/M. Farman-Farmaian

Rio – Moussa, de 30 anos, estava estudando Direito na Universidade de Bangui, na República Centro-Africana (RCA), quando interrompeu seus estudos para fugir da violência em seu país. O jovem africano acabou indo para o Chade, que já recebeu quase 100 mil pessoas da RCA.

Recentemente, ele conseguiu uma das 67 bolsas oferecidas aos estudantes da RCA pelo Instituto Estatal de Politécnica de Engenharia, Comércio e Administração (EPICA, na sigla em inglês), em N’Djamena. O arranjo teve a ajuda do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) no Chade.

– Eu quero realmente continuar com os meus estudos e ainda planejo defender pessoas, com palavras claras – afirma Moussa. Outros estudantes que possuem bolsas estão cursando gestão de informação, administração de empresas, sociologia, gestão hoteleira e ainda outros no ramo de eletrônicos e de comércio.

O ACNUR se propôs a ajudar com o alojamento, fornecendo itens como cobertor, mosquiteiro e artigos de higiene, além de providenciar transporte até o local de estudo.

Moussa, por exemplo, tem uma máquina de costura emprestada e se dedicará ao trabalho de alfaiataria para ajudar com suas despesas extras, além de ajudar os seus compatriotas.

– É importante aproveitarmos essa oportunidade não apenas para promover a educação dos refugiados, mas também para explorar as capacidades, habilidades e interesses individuais dessas pessoas. Deste modo, seremos capazes de ajudar os refugiados a recuperarem sua estabilidade, independência e, o mais importante, sua dignidade – disse Aminata Gueye, representante do ACNUR no Chade.

Com informações da ONU