Projeto preserva parques naturais do Gabão

0
106

Forest-Elephants-of-Loango-National-Park-Gabon-©-Zahorec-Dreamstime-
Elefantes no Loango National Park, no Gabão – Divulgação:Zahorec-Dreamstime

Com informações do Banco Mundial

No Gabão, as zonas úmidas de Setté Cama e Petit Loango estão protegidas pela Convenção de Ramsar e incorporam essencialmente cinco ambientes distintos: pântanos e pradarias, florestas permanentemente inundadas, florestas de terra firme, planícies costeiras e duas grandes lagoas repletas de manguezais e rios. Esse território de 370.000 hectares é o lar de espécies excepcionais de fauna e flora, que devem ser protegidos.

O financiamento do Projeto de Gestão Sustentável de Zonas Úmidas Críticas para o Gabão (PAZH) pelo Banco Mundial tem como objetivo preservar a biodiversidade e ajudar a implementar medidas de conservação para o manejo sustentável desses ecossistemas.

O primeiro componente deste projeto (que custou US$7.521 milhões) visa melhorar o conhecimento e o monitoramento dos ecossistemas em áreas úmidas críticas. Em 1987, o Gabão comprometeu-se a registrar um ou mais sítios na Lista Ramsar de Zonas Úmidas de Importância Internacional (WII). Ao todo, o Gabão tem até hoje nove sítios, totalizando 2,8 milhões de hectares.

“Estes ecossistemas aquáticos executam inúmeras funções ambientais, são ricos em biodiversidade e fornecem muitos outros bens e serviços às comunidades. Protegê-los é, portanto, importante “, explica Salimata Follea, líder da equipe de trabalho do Banco Mundial e especialista sênior em gerenciamento de recursos naturais.