Pesquisa destaca progresso da África Subsaariana em reduzir o número de pessoas com fome

0
85

Foto – PAA Africa

Com informações da FAO

Roma – De acordo com a primeira edição do Regional Overview of Food Insecurity in Sub-Saharan Africa (2015), Angola, Djibuti, Camarões, Gabão, Gana, Mali e São Tomé e Principe alcançaram a Meta de Desenvolvimento do Milênio de reduzir pela metade a proporção da população que sofre de desnutrição.

A pesquisa ressalta que a África Ocidental, por exemplo, tem feito progressos notáveis, reduzindo a sua prevalência de desnutrição em 60%: de 24,2% em 1990-1992 para 9,6% no período 2014-2016.

“Em termos absolutos, isso é uma redução de quase 11 milhões; um progresso significativo, apesar do rápido crescimento populacional e das secas recorrentes nos países do Sahel “, disse Bukar Tijani, Diretor-Geral Adjunto da FAO e Representante Regional para a África, observando que o último quarto de século tem sido de” grande transformação estrutural “com mudanças demográficas, econômicas e políticas para o continente.

O relatório apresenta experiências bem sucedidas de alguns países africanos para melhorar a segurança alimentar e os resultados nutricionais por meio de programas, processos institucionais e esforços destinados a criar e sustentar políticas transformadoras.

“O relatório também mostra alguns fatores de mudança positiva e progresso em direção à meta de combater a fome. Esses fatores incluem o crescimento econômico, a produtividade dos pequenos agricultores, acesso a mercados, comércio internacional, a programação de proteção social e acesso atempado à informação “, disse Bukar Tijani.

De acordo com o estudo, durante as últimas três décadas, as organizações da África Ocidental têm investido extensivamente na construção de instituições regionais e capacidades humanas em relação à insegurança alimentar e desnutrição, monitoramento e mitigação de risco, conduzido por instituições como a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA), e o Comitê Permanente para a Luta contra a Seca no Sahel.

Leia o relatório em inglês aqui