ONU: Jovens negros são as principais vítimas da violência no Brasil

1
  •  
  •  

 Captura de tela 2015-05-09 às 00.34.52Com informações da ONU

Um indicador inédito, o chamado Índice de Vulnerabilidade Juvenil (IVJ) – Violência e Desigualdade Racial, mostra que a cor da pele dos jovens está diretamente relacionada ao risco de exposição à violência a que estão submetidos.

O novo índice foi calculado com base em cinco categorias: mortalidade por homicídios, mortalidade por acidentes de trânsito, frequência à escola e situação de emprego, pobreza no município e desigualdade. Os dados são de 2012.

O relatório é resultado de parceria entre a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) da Presidência da República, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Ministério da Justiça e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil. O IVJ – Violência e Desigualdade Racial será utilizado pelo Plano Juventude Viva, da Secretaria Nacional de Juventude, para orientar políticas públicas de redução da violência contra jovens no país.

Alagoas é o estado com maior IVJ – Violência e Desigualdade Racial: 0,608, na escala de 0 a 1. Isso significa que Alagoas é o estado onde os jovens negros de 12 a 29 anos estão mais vulneráveis à violência. No extremo oposto, São Paulo é o estado em melhor situação, isto é, com o menor índice entre as 27 unidades da federação: 0,200.

Igualdade Racial - seppirO relatório considera que quatro estados brasileiros estão na categoria de vulnerabilidade muito alta, com índices acima de 0,500: Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Ceará. Outras cinco unidades da federação apresentam baixa vulnerabilidade, com índices abaixo de 0,300: São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e Distrito Federal.

Ao analisar especificamente as taxas de homicídios de brancos e negros, o levantamento mostra que a Paraíba é o estado com maior risco relativo por raça/cor. Assim, um jovem negro corre risco 13,4 vezes maior que um jovem branco de ser assassinado na Paraíba. Pernambuco tem a segunda maior taxa de risco relativo de homicídios de jovens negros em relação a jovens brancos (11,57), seguido por Alagoas (8,75).

Embora esteja na faixa de baixa vulnerabilidade do IVJ – Violência e Desigualdade Racial, o Distrito Federal é a unidade da federação com o quarto maior índice de risco, no que diz respeito a homicídios de jovens negros. No DF, o risco de um jovem negro ser assassinado é 6,5 vezes maior que um branco. Já o Paraná é a única unidade da federação onde um jovem branco corre mais risco de ser assassinado que um jovem negro.

Os dados de homicídios foram obtidos no Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde. Segundo o levantamento, o Nordeste é a região com maior distância entre a taxa de homicídios de jovens negros e brancos. Em 2012, foram assassinados 87 jovens negros para cada grupo de 100 mil jovens negros na região, ante 17,4 jovens brancos para cada grupo de 100 mil jovens brancos. Em outras palavras, o risco de um jovem negro nordestino ser assassinado era quase quatro vezes maior que um jovem branco nordestino.

O estudo fez uma simulação, excluindo a desigualdade racial no cálculo das taxas de assassinatos de jovens no Brasil. O objetivo foi aferir o impacto da desigualdade racial na vulnerabilidade juvenil à violência. Assim, na hipótese de que a taxa de homicídios de jovens negros igualasse a de jovens brancos, o IVJ – Violência e Desigualdade Racial diminuiria até 9,8%, como ficou demonstrado na simulação realizada no Distrito Federal. Em Alagoas, o impacto seria uma redução de 9,2% do índice.

Leia o documento completo aqui 


  •  
  •  

1 COMENTÁRIO

  1. isso é uma realidade clássica , a seculos , o brasil é um país racista e cruel , o homem branco , grilou ou tomou o mundo de assalto só para eles , tudo parece ser do homem branco , eles conspira para dá tudo erado para as outras duas nações , AFRICANA e INDÍGENAS , eles escraviza , mata , marginaliza , rouba , aniquila , coloca os marginalizados que virou marginais para vender as suas drogas , quando a casa cai , só os marginalizado da favela dança , o povo das favelas e periferia , nunca percebe que são todos carta marcadas pelo o homem branco , pertence a nova senzala que eles apelidaram de favelas ou comunidade , ou a nova senzala ., ESTÃO na cidade para o trabalho escravo , e servir de mão de obra barata , a nova escravidão surgiu , depois da guerra desigual e cruel de CANUDOS e BELO MONTE , na BAHIA , o único a se revoltar com essa nova escravidão cruel desumana e desigual , desfaçada de libertação que custou a vida de muitos NEGROS e continua e muitos INDÍGENAS , foi o guerreiro , LAMPIÃO , depois que os policias do governo , por ordem da sociedade RICA do BRASIL , ordenou que todos deveria ir para cidade, para ser escravo sem perceber que são , até os dias de hoje , eles vivem como passarinho na gaiola , comendo milho e saltitando no poleiro , ainda dizem que são livres .