Presidente do Chade morre após anúncio da vitória do sexto mandato

0
  •  
  •  

UN Photo/Cia Pak Idriss Deby Itno, President of the Republic of Chad, addresses the 74th session of the United Nations General Assembly’s General Debate. (25 September 2019)

Com informações da Human Rights Watch

Um porta-voz do exército chadiano anunciou na televisão nacional, em 20 de abril de 2021, que o presidente Idriss Déby Itno, 68 anos, tinha morrido de ferimentos sofridos em confrontos entre rebeldes e forças governamentais. As circunstâncias exatas da sua morte permanecem pouco claras.
O porta-voz disse que o governo e o Parlamento foram dissolvidos, todas as fronteiras foram fechadas, e um conselho militar transitório chefiado por Mahamat Idriss Déby Itno, um dos filhos de Déby, estará à frente do país durante os próximos 18 meses. Isto é contrário à Constituição do Chade, que prevê que em caso de morte de um presidente, o presidente da Assembleia Nacional deverá dirigir provisoriamente o país durante 45 a 90 dias antes de uma nova eleição.

Em 19 de abril, a comissão eleitoral chadiana anunciou que Déby havia vencido um sexto mandato nas eleições presidenciais realizadas em 11 de abril. O período pré-eleitoral foi marcado por uma impiedosa repressão governamental contra os manifestantes e a oposição política. No dia das eleições, rebeldes da Frente para a Mudança e Concórdia no Chade (FACT), sediada na Líbia, invadiram o Chade, atacaram um posto militar, e apelaram a Déby para que renunciasse.

“As consequências potencialmente explosivas da morte do Presidente Déby não podem ser subestimadas – tanto para o futuro do Chade como para toda a região”, disse Ida Sawyer, directora adjunta para África da Human Rights Watch. “Os parceiros regionais e internacionais do Chade devem acompanhar de perto a situação e usar a sua influência para prevenir abusos contra civis”.

Durante anos, os atores internacionais têm apoiado o governo de Déby pelo seu apoio às operações de luta contra o terrorismo no Sahel e na bacia do Lago Chade e pelo seu envolvimento noutras iniciativas regionais, fechando ao mesmo tempo os olhos ao seu legado de repressão e de violações dos direitos sociais e económicos a nível interno.

“Os líderes transitórios do Chade, com o apoio de parceiros regionais e internacionais, deveriam trabalhar no sentido de inverter a trajetória descendente do Chade em matéria de direitos humanos”, disse Sawyer. “Devem assegurar uma transição rápida e pacífica para um governo civil, com base no livre exercício dos desejos dos chadianos numa eleição justa”.

Antecedentes

Déby governa o Chade desde dezembro de 1990 quando afastou o líder autocrático Hissène Habré, que desde então foi condenado por um tribunal especial no Senegal por crimes contra a humanidade, crimes de guerra e tortura, incluindo violação e escravidão sexual. Enquanto Déby apoiava a acusação do seu antecessor, impediu a exibição do seu papel de chefe do exército quando as atrocidades foram cometidas, e quebrou a sua promessa de compensar as vítimas de Habré.

Apesar da sua vasta riqueza petrolífera, o Chade continua a ser um dos países mais pobres do mundo. O Chade foi colocado em último lugar no Índice de Capital Humano 2020 do Banco Mundial, enquanto o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento classificou o Chade 187 entre 189 países no seu índice de desenvolvimento humano 2020.


  •  
  •