Naufrágio na costa da Líbia deixou mais de 45 mortos

0
  •  
  •  

 

Um bebê é levado a bordo do navio de busca e salvamento Sea Watch. Foto: Hereward Holland/ACNUR

Com informações da ONU

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) estão profundamente tristes com a trágica morte de pelo menos 45 migrantes e refugiados na última segunda-feira (17), no maior naufrágio registrado na costa da Líbia em 2020.

Cerca de 37 sobreviventes, principalmente do Senegal, Mali, Chade e Gana, foram resgatados por pescadores locais e posteriormente detidos no desembarque. Eles relataram à equipe da IOM que 45 outras pessoas, incluindo cinco crianças, perderam a vida quando o motor do navio explodiu na costa de Zwara, cidade portuária do noroeste da Líbia.

As duas organizações apelam a uma revisão da abordagem dos Estados à situação após este último trágico incidente no Mediterrâneo. Há uma necessidade urgente de fortalecer a capacidade atual de busca e resgate para responder às chamadas de socorro.

Permanece uma contínua ausência de qualquer programa de busca e salvamento liderado pela União Europeia. Tememos que, sem um urgente aumento na capacidade de busca e resgate, haja o risco de outro desastre semelhante que acarretam em enormes perdas de vidas no Mediterrâneo Central antes do lançamento do Mare Nostrum.

As embarcações de ONGs têm desempenhado um papel crucial em salvar vidas no mar, em meio a uma redução acentuada dos esforços estatais europeus. O imperativo humanitário de salvar vidas não deve ser impedido e as restrições legais e logísticas a esse trabalho devem ser rapidamente suspensas.

O ACNUR e a IOM estão profundamente preocupados com os atrasos recentes no resgate e no desembarque. Instamos os estados a responder rapidamente a esses incidentes e fornecer sistematicamente um porto de segurança previsível para as pessoas resgatadas no mar. Os atrasos registrados nos últimos meses e a falta de assistência são inaceitáveis ​​e colocam vidas em risco evitável. Quando as embarcações comerciais são as mais próximas capazes de realizar um resgate, elas devem ser prontamente fornecidas como um porto seguro para o desembarque dos passageiros resgatados. Eles não devem ser instruídos a retornar pessoas à Líbia, onde correm o risco do conflito em curso, graves violações dos direitos humanos e detenção arbitrária após o desembarque.

A responsabilidade pela realização de resgates está cada vez mais sendo assumida pelos navios do Estado líbio, o que levou mais de 7 mil pessoas a serem devolvidas à Líbia até o momento em 2020. Qualquer assistência e responsabilidades atribuídas a entidades de busca e resgate da Líbia devem ser condicionadas a ninguém ser detido arbitrariamente, maltratado ou sujeito a violações dos direitos humanos após o desembarque. Sem essas garantias, o apoio deve ser reconsiderado e as responsabilidades de busca e salvamento redefinidas.

Pelo menos 302 migrantes e refugiados morreram nesta rota apenas em 2020. De acordo com o Projeto de Migrantes Desaparecidos da IOM e o ACNUR, o número atual estimado de fatalidades é provavelmente muito maior.

A OIM e o ACNUR reconhecem os desafios contínuos apresentados pelas chegadas marítimas e saúdam os esforços dos Estados na costa do Mediterrâneo para continuar a receber refugiados e migrantes resgatados. No contexto da pandemia de COVID-19, dois terços dos países europeus encontraram maneiras de gerir as suas fronteiras de forma eficaz, ao mesmo tempo que permitem o acesso aos seus territórios para as pessoas que procuram asilo. Rastreios médicos nas fronteiras, certificação sanitária ou quarentena temporária à chegada são algumas das medidas postas em prática por vários países europeus e outros. A pandemia não deve ser usada como desculpa para negar às pessoas o acesso a todas as formas de proteção internacional.

Mais de 17 mil pessoas da Líbia e da Tunísia chegaram de barco à Itália e Malta este ano, um aumento de três vezes em relação a 2019. No entanto, o número diminuiu drasticamente em comparação com os anos anteriores a 2019 e é administrável com vontade política e solidariedade da UE com os Estados litorâneos do continente. Reiteramos a necessidade urgente de ir além dos arranjos ad hoc para um mecanismo de desembarque mais rápido e previsível.

A instabilidade e a falta de segurança na Líbia permitem que contrabandistas, traficantes e criminosos em geral ajam com impunidade enquanto atacam migrantes e refugiados vulneráveis.

O ACNUR e a IOM conclamam as autoridades líbias a tomar medidas firmes contra os contrabandistas e traficantes. Isso deve incluir a interrupção e o fim de redes de contrabando lideradas por grupos criminosos para evitar mais exploração e abuso. A comunidade internacional deve apoiar esses esforços e fornecer mais apoio às autoridades em sua luta contra as redes de tráfico de pessoas.


  •  
  •