Gastos com saúde privada levam 11 milhões de africanos por ano de volta à pobreza

0
74

03-09-2016IvoireAIDSCom informações da ONU

Por ano, cerca de 11 milhões de africanos retornam a situações de pobreza devido a despesas de saúde elevadas que são pagas com recursos dos próprios indivíduos. O alerta é do Banco Mundial, que se comprometeu na última sexta-feira (26) a investir 24 bilhões na África pelos próximos cinco anos.

O montante será disponibilizado por uma parceria com o Fundo Global de Combate à AIDS, Tuberculose e Malária e outros organismos para ajudar o continente a alcançar a cobertura universal de saúde.

O anúncio da verba veio acompanhado da publicação de um levantamento sobre os desafios que Estados da África terão de enfrentar para promover o bem-estar de todos os seus cidadãos.

Dados coletados pelo governo do Japão, Banco Mundial, Organização Mundial da Saúde (OMS) e Fundo Global revelam que a despesa total do continente africano com cuidados médicos aumentou rapidamente ao longo das duas últimas décadas.

No entanto, o crescimento foi fruto sobretudo dos chamados pagamentos diretos — gastos das próprias famílias com serviços de saúde —, que passaram de 15 dólares per capita em 1995, para 38 dólares em 2014. A conjuntura tem levado africanos a passar por dificuldades econômicas severas.

Em contrapartida, gastos públicos com saúde baixaram pela metade nos países da África. Em 2014, apenas quatro nações cumpriram a meta de Abuja — destinar 15% do orçamento do estatal para serviços de saúde. A falta de investimento se reflete na escassez de profissionais e produtos farmacêuticos.

Outro componente do orçamento para saúde, a assistência internacional para o desenvolvimento teve aproximadamente metade dos seus recursos destinada ao combate ao HIV/Aids nos últimos 20 anos.

Apesar fundamental, a luta contra a epidemia não exclui a necessidade de lidar com outros riscos à saúde, como insegurança alimentar e mortalidade infantil causada por doenças como a malária.

“Os países africanos podem tornar-se mais competitivos na economia global, fazendo diversos investimentos estratégicos, incluindo investir mais nas suas populações, o seu recurso mais valioso”, afirmou o presidente do Grupo Banco Mundial, Jim Yong Kim, durante conferência em Tóquio onde foi firmado o compromisso da agência para ampliar iniciativas de saúde na África.