Leia o livro “Português Afro-Brasileiro”, de Dante Lucchesi, Alan Baxter e Ilza Ribeiro

0
202

livro 2Este livro se originou em uma disciplina sobre línguas pidgins e crioulas ministrada por Alan Baxter (na época, Professor Associado da Universidade La Trobe, na Austrália), como professor convidado do Mestrado de Linguística Portuguesa Histórica, coordenado pelo Prof. Dr. Ivo Castro, na Universidade de Lisboa. Nessa disciplina, Baxter apresentou a hipótese das origens crioulas do português popular do Brasil, com base nas recentes formulações de Gregory Guy e John Holm. Um de seus alunos, Dante Lucchesi, contestou tal hipótese, em função de sua formação estruturalista, recebida durante a graduação, na Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Segundo essa visão, as mudanças que afetaram a língua portuguesa no Brasil já estavam prefiguradas na sua estrutura, e o contato com índios e africanos só teria acelerado essas tendências seculares. Apesar da divergência, Alan Baxter orientou o trabalho final da disciplina de Dante Lucchesi sobre os artigos nos crioulos de Cabo Verde e São Tomé, que seria publicado no Journal of Pidgin and Creole Languages, em 1993. Além disso, já em meados do ano de 1992, Alan Baxter convidaria Dante Lucchesi para implementar no Brasil o Projeto Vestígios de Dialetos Crioulos em Comunidades Rurais Afro-Brasileiras Isoladas, com financiamento do Australian Reaserch Council.

Mesmo não estando convencido da hipótese da origem crioula do português popular do Brasil, Dante Lucchesi aceitou de bom grado o convite para atuar numa pesquisa de campo tão significativa, e, já no final do ano de 1992, seria constituída a amostra de fala vernácula das comunidades rurais afro-brasileiras isoladas de Barra e Bananal, no Município de Rio de Contas, na região da Chapada Diamantina, no interior do Estado da Bahia.

No ano seguinte, Alan Baxter e Dante Lucchesi percorreriam o interior dos Estados da Bahia e do Espírito Santo, em busca de comunidades rurais afro-brasileiras isoladas que exibissem uma variedade de português com características mais notavelmente crioulas, sem sucesso. Foram visitadas aproximadamente dez comunidades nesses dois estados que exibiam um falar bem afastado da norma urbana culta brasileira, mas não uma variedade claramente crioulizada do português.

Dante Lucchesi ainda visitou e recolheu amostras de fala em comunidades afro-brasileiras no interior do Piauí, com as mesmas características. Além disso, coordenou a recolha de amostras de fala no interior do Estado da Bahia, com uma equipe da Universidade Estadual de Feira de Santana.

O livro está disponível para download aqui