Camarões consegue virada histórica e é campeão da Copa Africana de Nações

0
  •  
  •  

Cameroon Team Picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Cameroon and Ghana at the Franceville Stadium in Gabon on 02 February 2017 ©Sydney Mahlangu/BackpagePix
Cameroon Team Picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Cameroon and Ghana at the Franceville Stadium in Gabon on 02 February 2017 ©Sydney Mahlangu/BackpagePix

Por André Carlos Zorzi, Por dentro da África

A seleção camaronesa chegou ao pentacampeonato africano neste domingo, 5 de fevereiro, após virar a decisão da CAN diante do Egito, por 2 x 1. O país não conquistava o título desde 2002. Os egípcios, que contam com sete títulos, perderam uma final pela segunda vez na história. A outra havia sido no longínquo 1962. O camaronês Christian Bassogog foi escolhido pela CAF como o melhor jogador da competição”.

Confira abaixo tudo o que aconteceu no jogo, e na competição!

Egito 1 x 1 Camarões
-1º tempo

A primeira etapa foi marcada por poucas emoções. Logo no primeiro minuto, o egípcio El Said recebeu bola da direita e concluiu sem grande perigo, para fácil defesa de Ondoa.
Aos 6’, Camarões chegou pela primeira vez ao ataque, a após boa troca de passes, Siani chutou de fora da área. Aos 13’, foi a vez de Bassogog arriscar de longe, isolando completamente a bola.

Os egípcios adotaram um esquema cauteloso para a final, e em alguns momentos, os camaroneses buscavam pressioná-los em seu próprio campo, sem muita efetividade. Assim como na maioria dos jogos desta CAN, o Egito buscou construiur suas jogadas de ataque com bons passes.

Aos 21’, um jogador egípcio apareceu pela intermediária ofensiva, e fez passe para Salah, à direita, que tocou a bola para Elneny, que vinha de trás, adentrando a grande área. Ele avançou, e quando o defensor Teikeu se aproximava, chutou para estufar as redes. 1 x 0.
Na comemoração, os jogadores, incluindo os que estavam no banco, se dirigiram à bandeira de escanteio pelo lado direito e vibraram muito.

Cameroon players celebrate Michael Ngadeu goal during the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Cameroon and Ghana at the Franceville Stadium in Gabon on 02 February 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix
Cameroon players celebrate Michael Ngadeu goal during the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Cameroon and Ghana at the Franceville Stadium in Gabon on 02 February 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix

Nos primeiros minutos após o gol, os camaroneses pareciam buscar acordar, mas com um certo desespero, falhavam na troca de passes. Aos 26’, o zagueiro camaronês Teikeu disputou uma bola com Warda e ficou no chão, voltando a campo em seguida. Três minutos depois, foi ao chão novamente, e solicitou atendimento médico, precisando ser substituído por N’Koulou.

Aos 33’, o experiente goleiro El Hadary quase comprometeu a vantagem no placar. Após cruzamento muito alto pela esquerda do ataque camaronês, o arqueiro egípcio tentou desviar a bola com um soco, mas acabou falhando. Ela sobrou para um adversário que acabou por chutar alto, longe do gol.

Mohamed Salah of Egypt (c) celebrates goal with Abdallah El Said (r) and Mahmoud Abdelmoneim Kahraba of Egypt (l) with during the 2017 African Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Burkina Faso and Egypt at the Libreville Stadium in Gabon on 01 February 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix
Mohamed Salah of Egypt (c) celebrates goal with Abdallah El Said (r) and Mahmoud Abdelmoneim Kahraba of Egypt (l) with during the 2017 African Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Burkina Faso and Egypt at the Libreville Stadium in Gabon on 01 February 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix

Aos 36’ ocorreu o primeiro escanteio do jogo, pelo lado direito, para Camarões. Zoua cabeceou, e a bola saiu à esquerda do gol, sem grandes perigos. Os camaroneses seguiram buscando contra-ataques, mas travavam na boa marcação do time egípcio, que não conseguiu nenhuma finalização na segunda metade do primeiro tempo. A etapa inicial acabou com apenas 37% de posse de bola para os egípcios.

-2º tempo
Hugo Broos mexeu no time de Camarões, colocando Aboubakar no lugar de Ndip Tambe. A equipe voltou do vestiário buscando mais o jogo e criando mais oportunidades.
Os camaroneses dependiam de cruzamentos ou lances de bola parada para chegar ao ataque, mas não sabiam aproveitá-los, como em cobrança de falta de Bassogog pela direita, aos 6’, e o escanteio cobrado por Moukandjo no lance seguinte.

Aos 12’, o Egito conseguiu sua primeira chegada ao ataque na etapa complementar, e apesar de assustar a torcida camaronesa, o lance não originou nenhuma conclusão. No contra-ataque, os camaroneses saíram em velocidade pelo lado esquerdo, e conquistaram um escanteio.

Egypt Team picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon SemiFinal match between Burkina Faso and Egypt at the Libreville Stadium in Gabon on 01 February 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix
Egypt Team picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon SemiFinal match between Burkina Faso and Egypt at the Libreville Stadium in Gabon on 01 February 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix

Moukandjo efetuou a cobrança. A bola foi afastada pela defesa, mas sobrou novamente com o camaronês Moukandjo, pela esquerda. Ele cruzou a bola para N’Koulou cabecear e empatar a partida. 1 x 1. Na comemoração os atletas fizeram um “montinho” sobre o zagueiro dentro da área egípcia.

Aos 21’, Moukandjo apareceu pela direita na intermediária ofensiva, e tocou a bola para Zoua, que foi derrubado. Na cobrança, Hegazy afastou o perigo cabeceando a bola para escanteio. Na cobrança, N’Koulou tentou novamente de cabeça, mas a bola foi alta demais.
O Egito tinha muitas dificuldades para chegar ao ataque, e já não tinha uma defesa tão eficiente quanto no primeiro tempo, fazendo com que os camaroneses dominassem todas as jogadas ofensivas.

camaroes
Foto de Gavin Barker/BackpagePix

A pontaria, porém, fazia falta, em lances de Zoua, e também de Moukandjo, aos 33’.
O gol decisivo veio somente aos 44’. Aboubakar recebeu lançamento vindo do campo defensivo camaronês, quando estava na entrada da grande área, pelo lado esquerdo. Ele dominou a bola no peito, deu um chapéu para driblar seu marcador e chutou a bola, que ainda quicou no chão antes de ultrapassar a linha do gol. 2 x 1.

Dados do jogo:
Camarões 2 x 1 Egito
Chutes (a gol):
15 (8) x 4 (2)

Posse de bola:
62% x 38%

Escanteios:
6 x 0

Faltas cometidas:
14 x 11

DISPUTA DE 3º LUGAR

Burkina Faso 1 x 0 Gana
Um dia antes da grande final, foi disputada No primeiro tempo, os ganeses foram melhores e chegaram mais ao ataque, especialmente por meio de cruzamentos pelo lado esquerdo do campo.

No primeiro deles, aos 2’, Badu cabeceou a bola próxima à trave esquerda de Koffi. Aos 25’, Tekpetey conseguiu mandar uma bola no travessão após bom lance. A melhor chance da Burkina, por sua vez, veio dos pés de Nakoulma, que concluiu à esquerda do gol após boa disparada vindo do meio-campo, em contra-ataque.

Aristide Bance of Burkina Faso (l) celebrates goal during the 2017 African Cup of Nations Finals Afcon quarterfinal football match between Burkina Faso and Tunisia at the Libreville Stadium in Gabon on 28 January 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix
Aristide Bance of Burkina Faso (l) celebrates goal during the 2017 African Cup of Nations Finals Afcon quarterfinal football match between Burkina Faso and Tunisia at the Libreville Stadium in Gabon on 28 January 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix

Com dificuldades para penetrar na área adversária, os burquinenses passaram a investir em chutes de longa distância no segundo tempo. Gana, por sua vez, chegou com perigo pela primeira vez aos 15’, em cabeçada de Tekpetey que passou próxima ao travessão.
Aos 43’, Jonathan Mensah fez falta, proporcionando uma boa chance para a Burkina, pelo lado direito. Alain Traoré foi para a cobrança, e a bola fez curva antes de estufar as redes, sem chances para o goleiro. 1 x 0.

Os ganeses ainda tentaram levar a partida para a prorrogação, e criaram ao menos três boas chances apenas nos acréscimos. A melhor delas, um chute de Jonathan Mensah que forçou o goleiro Koffi a fazer ótima defesa.

Burkina Faso 1 x 0 Gana
Chutes (a gol)
12 x 15

Posse de bola:
47% x 53%

Faltas cometidas:
18 x 19

Melhor jogador da partida: Blati Touré (Burkina Faso)

Confira abaixo a classificação final do torneio, e como cada equipe se saiu!

Jacques Zoua of Cameroon (r) challenged by Daniel Amartey of Ghanaduring the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Cameroon and Ghana at the Franceville Stadium in Gabon on 02 February 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix
Jacques Zoua of Cameroon (r) challenged by Daniel Amartey of Ghanaduring the 2017 Africa Cup of Nations Finals Afcon semifinal football match between Cameroon and Ghana at the Franceville Stadium in Gabon on 02 February 2017 ©Gavin Barker/BackpagePix

01º – Camarões – 12 pontos 
A seleção camaronesa chamou atenção antes mesmo de a bola rolar, quando diversos jogadores de clubes europeus se recusaram a atender às convocações para a CAN. O fato gerou críticas até mesmo de El Hadji Diouf, ex-atleta senegalês, em entrevista à BBC: “É como Bob Marley sempre disse: ‘Se você não sabe da onde veio, não sabe para onde ir’. Eles definitivamente vão se arrepender de não jogar na Copa de Nações.

Depois de se aposentar, o que vocês irão fazer? Continuar vivendo na Europa? Para fazer o que? É o que digo a todos os garotos: não decepcione seu país, porque o futuro do mundo está na África”.

O belga Hugo Broos teve à sua disposição apenas um jogador com 30 anos de idade, o meio-campista Siani. Todo restante do elenco era mais jovem, o que foi apontado por muitos como falta de experiência.

No decorrer da competição, porém, o time foi se entrosando e se desenvolvendo melhor, até chegar ao título.

02º – Egito – 11 pontos
Os egípcios provaram que, não importa quanto tempo se fique afastado da competição, seguirão sempre sendo favoritos.

Após o tricampeonato de 2006/08/10, ficaram de fora das edições de 2012/13/15. Retornaram após superar a Nigéria no grupo das Eliminatórias, e foram avançando de fase com o esquema baseado em contra-ataques e marcação armado pelo argentino Hector Cuper.

Sofreram o primeiro gol somente nas semi finais, saíram à frente na grande decisão. Não souberam, porém, como manter o placar e terminaram com uma valorosa medalha de prata.

03º – Burkina Faso – 12 pontos
A equipe soube lidar bem com a lesão de Pitroipa no início do torneio, e avançou em jogos de muita raça. Chegou longe graças às inspiradíssimas atuações de Nakoulma, um dos melhores jogadores do torneio, e à estrela do limitado artilheiro Bancé.

04º – Gana – 9 pontos
Chegou entre os quatro melhores do torneio pela 6ª vez consecutiva, aumentando a fama de time que chega forte, mas fraqueja nas horas decisivas. A única sequência melhor na história da equipe ocorreu na década de 1960, quando conquistaram dois títulos e dois vice-campeonatos em quatro participações.

Não apresentou um futebol brilhante em nenhuma das partidas que venceu (Uganda, Mali e Congo-Kinshasa), e perdeu todos os três jogos diante das equipes que ficaram à sua frente na classificação. A imprensa ganesa especula a saída, ou ao menos a não-renovação de contrato do técnico israelense Avram Grant.

Serigne Mbodji of Senegal is challenged by Benjamin Moukandjo of Cameroon during the Afcon Quarter Final match between Senegal and Cameroon on the 28 January 2017 at Franceville , Gabon Pic Sydney Mahlangu/ BackpagePix
Serigne Mbodji of Senegal is challenged by Benjamin Moukandjo of Cameroon during the Afcon Quarter Final match between Senegal and Cameroon on the 28 January 2017 at Franceville , Gabon Pic Sydney Mahlangu/ BackpagePix

05º – Senegal – 8 pontos
Destaque para o técnico Aliou Cissé, considerado uma das revelações do torneio. Iniciou seu primeiro trabalho com um time profissional ao assumir o cargo, logo após a última participação senegalesa na CAN, em março de 2015.
Foi um dos responsáveis pela equipe de melhor campanha entre as que não chegaram às semis, que se despediu do torneio de maneira invicta.

06º – Congo-Kinshasa – 7 pontos
Os congoleses surpreenderam a todos liderando um dos grupos mais difíceis do torneio. Na sequência, porém, sucumbiram diante dos ganeses, mesmo fazendo um bom jogo em muitos momentos.

Apenas três dos 23 convocados estavam presentes no elenco do CHAN (versão da CAN somente com atletas que atuem na liga do próprio país) disputado ano passado.
A demissão de Florent Ibengé vem sendo ventilada por sites congoleses. O fato do treinador dirigir ao mesmo tempo a seleção e o Vita Club estaria desagradando alguns dirigentes.

Morocco Team picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Morocco and Ivory Coast at the Oyem Stadium in Gabon on 24 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix
Morocco Team picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Morocco and Ivory Coast at the Oyem Stadium in Gabon on 24 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix

07º – Marrocos – 6 pontos (saldo: +1)
Iniciou a competição com o que parecia ser um grande tropeço, diante dos congoleses. Porém, os outros rivais do grupo também não foram capazes de superá-los, e a vitória contra a Costa do Marfim, obtida graças a um dos gols mais bonitos do torneio, marcado por Alioui, os garantiu na fase seguinte.

Ao enfrentar os egípcios, conseguiram segurar o jogo e criar mais chances, mas a efetividade dos rivais apareceu ao final do jogo.

08º – Tunísia – 6 pontos (saldo: -1)
A equipe não se deixou abalar com a derrota na estreia e correu atrás dos resultados para se classificar. Teve a pior defesa na fase de grupos entre os que avançaram às quartas de final, com cinco gols sofridos.

Mesmo apontada por muitos como favorita diante da Burkina Faso, a Tunísia não foi capaz de superar o rival. O treinador polonês Henryk Kasperczak deu adeus ao cargo logo após a eliminação.

09º – Gabão – 3 pontos
Antes dos gaboneses, o último anfitrião da CAN a ser eliminado ainda na 1ª fase foi a Tunísia, em 1994 (23 anos atrás). A equipe foi prejudicada pelo pouco tempo de trabalho do técnico espanhol Jose Antonio Camacho, contratado cerca de 40 dias antes da competição após divergências financeiras entre a federação e Jorge Costa, o comandante anterior.

Foi a equipe eliminada que mais pontuou nesta edição. Por muito pouco, não foi capaz de eliminar Camarões na fase de grupos: faltando menos de um minuto para o fim da partida entre as equipes, mandou uma bola na trave. No lance seguinte, o goleiro Ondoa fez milagre, e garantiu a passagem camaronesa.

10º – Argélia – 2 pontos (saldo: -1; gols pró: 5)
Possivelmente a maior decepção do torneio. Mahrez (atual melhor jogador da África), Bentaleb, Ghoulam, Mandi, Slimani, M’Bolhi, entre outros que atuam em grandes equipes europeias deixaram a desejar.

Apontada como uma das favoritas ao título, a Argélia não demonstrou padrão de jogo e teve dificuldades até mesmo para empatar com o frágil Zimbábue.

O técnico belga Georges Leekens pediu demissão ao término do torneio. “Para o bem de todos, eu decidi me demitir, apesar de fazê-lo com dor no coração. Desejo todo o sucesso do mundo para a seleção nacional”, disse em comunicado oficial divulgado pela Federação.

Ivory Coast Team picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Morocco and Ivory Coast at the Oyem Stadium in Gabon on 24 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix
Ivory Coast Team picture during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Morocco and Ivory Coast at the Oyem Stadium in Gabon on 24 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix

11º – Costa do Marfim – 2 pontos (saldo: -1; gols pró: 2)
A largada no torneio foi igual à de 2015, quando a equipe foi campeã: dois empates em dois jogos. Na sequência, perdeu e foi eliminada. Desde 2006 os marfinenses não perdiam uma partida da fase de grupos do torneio, diante do Egito, no Egito.

Já a última derrota da seleção na fase de grupos para um não-anfitrião ocorreu no longínquo 2002, diante do Congo-Kinshasa. O veterano Salomon Kalou chegou a se destacar no torneio, mas anunciou sua aposentadoria com a camisa dos elefantes.

O francês Michel Dussuyer também não é mais o técnico da seleção. “Não encontrei uma maneira de fazer com que a equipe tivesse uma boa dinâmica”, comentou, de acordo com comunicado da federação marfinense.

12º – Mali – 2 pontos (saldo: -1; gols pró: 1)
Em um grupo difícil, a eliminação já era esperada. O que decepcionou muitos torcedores foi a conquista de um bom empate diante dos egípcios logo na estreia, que fez o time almejar mais, para posteriormente fechar a participação sem conseguir vencer Uganda.

Lassana Coulibaly (c) of Mali challenged by Denis Iguma (r) of Uganda during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Uganda and Mali at the Oyem Stadium in Gabon on 25 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix
Lassana Coulibaly (c) of Mali challenged by Denis Iguma (r) of Uganda during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Uganda and Mali at the Oyem Stadium in Gabon on 25 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix

13º – Uganda – 1 ponto (saldo: -2)
Apesar de ter ficado no pelotão de trás, fez jogos bastante respeitosos. Perdeu suado para Gana com um gol de pênalti, e para o Egito com um gol no finalzinho do jogo. Na despedida, um bom empate com o Mali. Neste jogo, o jovem Farouk Miya, que atua no futebol belga, marcou seu primeiro gol em competições oficiais. Deve ser um dos nomes mais promissores do futebol ugandense nos próximos anos.
Sites ganeses apontam que o sérvio Milutin Sredojevic, que classificou a equipe e a treinou durante o torneio, pode estar prestes a sair do cargo, em decorrência de problemas financeiros com a federação.

Guinea Bissau Team Picture during the Afcon Group A match between Guinea Bissau and Burkina Faso on the 22 January 2017 at Franceville , Gabon Pic Sydney Mahlangu/ BackpagePix
Guinea Bissau Team Picture during the Afcon Group A match between Guinea Bissau and Burkina Faso on the 22 January 2017 at Franceville , Gabon Pic Sydney Mahlangu/ BackpagePix

14º – Guiné-Bissau – 1 ponto (saldo: -3)
Única estreante do torneio, também não deixou a desejar. Foi capaz de barrar os donos da casa na estreia, e jogou de igual para igual contra os gigantes camaroneses, num jogo em que o guineense Piqueti foi responsável por marcar o gol mais bonito do torneio.
Dificilmente devem voltar tão cedo à competição.

 

15º – Zimbábue – 1 ponto (saldo: -4; gols pró: 4)
A equipe não se intimidou na primeira partida, quando saiu perdendo para a temida Argélia. Foi capaz de virar o jogo, mas faltou experiência e peso na camisa para que o placar fosse mantido.

Também foi o time que mais sofreu gols em uma única partida no torneio, nos 4 x 2 diante da Tunísia, e o que trazia mais atletas de clubes africanos no elenco, 17.
O técnico Callisto Pasuwa deixou o cargo logo após a eliminação. “Colocamos a nós mesmos o objetivo de chegar ao menos às quartas de final, o que não conseguimos, e mesmo que essa decisão pareça dolorosa, acho que tentamos, mas falhamos. Como técnico, assumo a responsabilidade completa pela nossa perfomance no Gabão. Portanto, proponho minha desistência do posto de treinador do time profissional masculino do Zimbábue”, disse em entrevista ao jornal zimbabuano The Guardian.

Togo fans during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Morocco and Togo at the Oyem Stadium in Gabon on 20 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix
Togo fans during the 2017 Africa Cup of Nations Finals match between Morocco and Togo at the Oyem Stadium in Gabon on 20 January 2017 ©Samuel Shivambu/BackpagePix

16º – Togo – 1 ponto (saldo: -4; gols pró: 2)
Após ter obtido a pior classificação nas Eliminatórias entre os participantes, os togoleses também saíram com a pior campanha do torneio. Depositou suas esperanças nos veteranos Kossi Agassa e Emmanuel Adebayor, fora de ritmo por estarem sem clube há alguns meses.

Adebayor passou em branco no torneio, e Agassa falhou na derrota para o Marrocos, o que fez com que fãs enfurecidos depredassem uma de suas casas, em Lomé.
Como consolação, voltaram para casa tendo empatado com a então campeã do torneio, Costa do Marfim.

Relembre tudo que aconteceu na competição!

Semi finais

Quartas de Final

Fase de Grupos – 3ª Rodada

Fase de Grupos – 2ª Rodada

Fase de Grupos – 1ª Rodada

Prévia do torneio:

CAN-2019
A próxima edição do torneio será disputada daqui a dois anos, em Camarões. E o caminho das Eliminatórias já foi divulgado. A CAF novamente prejudicou algumas equipes por terem sido sorteadas ao lado do país-sede da competição.

Caso Camarões fique em 1º no grupo, o vice-líder classifica-se diretamente, e não há possibilidade de uma equipe ir como melhor 2ª colocada. Caso Camarões fique em 2º no grupo, o líder classifica-se diretamente e não há possibilidade de uma equipe ir como melhor 2ª colocada. Caso Camarões termine em 3º ou 4º no grupo, o líder classifica-se diretamente e o segundo colocado pode ficar com uma das vagas na competição, assim como todos os outros grupos.

Confira abaixo os grupos das eliminatórias para a próxima edição da CAN. Classifica-se o líder de cada grupo, além dos três melhores segundos colocados.

GRUPO A
Senegal
Guiné Equatorial
Sudão
São Tomé e Príncipe / Madagascar

GRUPO B
Camarões (já classificada)
Marrocos
Malauí
Ilhas Comores / Ilhas Maurício

GRUPO C
Mali
Gabão
Burundi
Djibuti / Sudão do Sul

GRUPO D
Argélia
Togo
Benin
Gâmbia

GRUPO E
Nigéria
África do Sul
Líbia
Seychelles

GRUPO F
Gana
Etiópia
Serra Leoa
Quênia

GRUPO G
Congo-Kinshasa
Congo-Brazzaville
Zimbábue
Libéria

GRUPO H
Costa do Marfim
Guiné-Conacri
República Centro-Africana
Ruanda

GRUPO I
Burkina Faso
Angola
Botsuana
Mauritânia

GRUPO J
Tunísia
Egito
Níger
Suazilândia

GRUPO K
Zâmbia
Moçambique
Guiné-Bissau
Namíbia

GRUPO L
Cabo Verde
Uganda
Tanzânia
Lesoto


  •  
  •