Por dentro da África é um site dedicado ao continente africano com notícias, pesquisas, teses e coberturas exclusivas desenvolvido pela jornalista Natalia da Luz.  O projeto, nascido em 2013, não recebe patrocínio de empresas, governo, tampouco de financiamento coletivo. Ele é absolutamente custeado pela realizadora que concilia o trabalho com outras atividades profissionais. Ao seu lado, estão parceiros que, há anos, estudam o continente africano..

Jornalista com especialização em História e Cultura Afrodescendente, Natalia da Luz trabalha como Assistente de Informação Pública nas Nações Unidas. Atuou em veículos como Jornal do Brasil, TV Record, Globo.com e PressTV (TV do Irã). Produziu o documentário ‘Caro Francis’ (sobre a vida de Paulo Francis), que venceu o Júri Popular do Festival de Cinema de Paulínia 2009. Desde 2007, realiza coberturas especiais em países como África do Sul, Moçambique, Suazilândia, Tunísia, Líbia, Togo, Gana, Angola e Quênia. 

Em março de 2013, lançou Por dentro da África a fim de abordar muitos aspectos das realidades africanas contadas pelos próprios africanos e africanistas, que buscam desconstruir os estereótipos a partir de uma África que tem muitos avanços.

Por conta do seu trabalho em Por dentro da África foi uma dos 12 jornalistas de todo o mundo selecionados para o Governance Reporting Fellowship, da Thomson Reuters Foundation, em Londres, em 2013. Também pelo trabalho desempenhado em Por dentro da África, em outubro de 2015, venceu o Africa Peace Prize-Media Achievement. A jornalista foi a única premiada não africana a ser homenageada durante a Conferência da Paz 2015, em Gana, realizada pelo African Centre for Peace Building

Em 2010, coordenou o projeto de cobertura da Copa do Mundo da África do Sul. No mesmo período, na África do Sul, dirigiu e produziu – em parceria – “The Day After”, documentário licenciado para o Canal Futura e Documentary 24. Em Londres, durante a Olimpíada 2012, produziu uma reportagem (sobre as expectativas do paradesporto na Líbia, após a queda do ex-presidente Muammar al-Gaddafi) indicada ao prêmio Superar 2012. Por conta da mesma reportagem, viajou ao país duas vezes onde foi homenageada pelo então presidente líbio Mohamed Margarief.

Em março de 2013, cobriu o Fórum Social Mundial, na Tunísia. Em 2013, coordenou uma pesquisa sobre Circuncisão Feminina (Mutilação Genital Feminina) em comunidades somalis no Quênia para a produção de monografia, artigos científicos e documentário.  Em agosto de 2014, passou uma temporada em Mbanza-Kongo (Angola) para uma cobertura sobre a história do Reino do Kongo.

natalia em gana

.

Ademir Barros dos Santos – Brasil

Colaborador e pesquisador

Ademir SantosAdemir é ex-mestrando em História Social pela USP, pesquisador em Ciências Sociais e produtor de pesquisas acadêmicas, especialmente sobre as práticas de exclusão e seus efeitos sociais. Estudioso de história e cultura de matriz africana, ele desenvolve, desde 2005, o curso “África – nossa história, nossa gente” como parte da extensão universitária de história, cultura e dispersão da matriz africana e do povo negro pela Universidade de Sorocaba.

Como professor, Ademir, que também é bacharel em Ciências Contábeis, faz intervenções em cursos de Direito e Filosofia para discussões sobre preconceito, racismo e discriminação, além de apresentação do pensamento teológico africano. Com ampla atuação social, ele é membro do Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra em Sorocaba, diretor do Centro Cultural Quilombinho, em Sorocaba, e coordenador da Câmara de Preservação Cultural do Núcleo de Cultura Afro-Brasileira da Universidade de Sorocaba (UNISO).

Dentre seus estudos publicados pela UNISO estão: “Um dia da África” (2000), “Religiões – a matriz africana e seus reflexos afro-brasileiros” (2003), “Por que nós?” (2003),  e “Racismo disfarçado” (2007).  Pelo Instituto Darcy Ribeiro, algumas de suas obras publicadas foram: “O negro do Darcy”(2003) e “O negro legal” (2004). Também participou de dos documentários como “A umbanda é mogibá”, “Negros nós”, “Pernada em Sorocaba”. 

Em suas atividades de escritor e poeta, Ademir recebeu vários prêmios como o de: finalista dos concursos Depoesia III  e Depoesia IV (Sorocaba/SP) e foi vencedor do I Concurso Literário ´Meu Conto’ – Projeto Cultural Li Sopmac (Sorocaba/SP). No Por dentro da África, ele compartilha o seu conhecimento com pesquisas, artigos, poesias, Quiz e reflexões sobre esse continente de aprendizado interminável.

Alexandre Nascimento – Brasil e Portugal

Colaborador, jornalista e pesquisador

Alexandre Costa Nascimento é jornalista e mestrando em Estudos Africanos pelo Instituto Universitário de Lisboa. É autor do livro “Mais que um Leão por Dia” sobre a experiência de ser o primeiro ciclista brasileiro a cruzar o continente africano pedalando do Cairo à Cidade do Cabo no lendário Tour d’Afrique.

Entre janeiro e maio de 2013, percorreu Egito, Sudão, Etiópia, Quênia, Tanzânia, Malauí, Zâmbia, Zimbábue, Botsuana, Namíbia e África do Sul. É criador e publisher do blog Ir e Vir de Bike, onde escreve sobre mobilidade urbana sustentável, cicloturismo e cicloativismo. Ministrou dezenas de palestras e seminários sobre mobilidade urbana, segurança no trânsito e cicloativismo em fóruns, empresas e universidades no Brasil e no exterior. Entre 2008 e 2013, trabalhou como repórter e editor no jornal Gazeta do Povo (Paraná).

André Carlos Zorzi – Brasil

Colaborador e jornalista

Admirador e pesquisador do futebol africano, André é formado em Jornalismo pela PUC SP com passagem pelo o Estado de S. Paulo. O seu encantamento pelo futebol da África Subsaariana começou em 2006, quando ele passou a acompanhar os jogos da seleção do Togo na Copa do Mundo da Alemanha.

André produziu conteúdo para o Por Dentro da África nas Copas Africanas de Nações de 2015 (Guiné-Equatorial) e 2017 (Gabão). Durante a Olimpíada-2016, Andre escreveu uma série de arquivos sobre atletas africanos.

Também já elaborou guias virtuais (com 41 páginas sobre a história do torneio e dos jogadores) da Copa Africana de Nações-2015 e da Liga dos Campeões Africana-2014.

Bernardo Alexandre Intipe – Guiné-Bissau

Colaborador

Bernardo Alexandre Intipe nasceu na cidade de Bissau (Guiné-Bissau). Ele escreve contos e poemas destacando aspectos de sua cultura e sociedade. Em 2014, ingressou na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) para cursar Letras e Língua Portuguesa.

Bernardo estudou no Instituto Canzion, onde se formou, em 2012, como baterista. Como colaborador, Bernardo compartilha experiências sobre costumes e a história do seu povo criando personagens com diversas peculiaridades que identificam a essência e a rica identidade do povo guineense.

Bruno Pastre – Brasil

Colaborador e pesquisador

BrunoBruno Pastre é bacharel e licenciado em História pela UNICAMP e mestrando em Arqueologia da África pela Universidade de São Paulo. Desde 2010 realiza pesquisas sobre a África, com foco na história do Reino do Kongo (nos séculos XVII-XIX) e o uso da arqueologia pelas potências coloniais europeias.

Publicou a monografia “Uma História da Arqueologia na África. Peculiaridades, Conflitos e Desafios da disciplina em Angola”,  com enfoque especial à Mbânza- Kôngo. 

Como estudante e pesquisador, Bruno esteve em diversos países do continente africano como Marrocos, Botsuana, Zimbábue, Moçambique, África do Sul e Suazilândia com roteiro destinado aos locais de relevância histórica como museus, sítios arqueológicos e florestas sagradas. 

Em suas temporadas na África, ele teve a oportunidade de conhecer e entrevistar diversos professores universitários, ex-combatentes de libertação nacional, chefes, sacerdotes, guardiões das tradições locais, reis e, claro, conhecer um pouco da realidade da população local. 

Entre dezembro de 2013 e fevereiro de 2014, Bruno viveu entre o Benim, Togo e Gana pesquisando e participando de comemorações como o Festival do Vodun (realizado em 10 de Janeiro, Ouidah, Benim), e da Festa do Nosso Senhor do Bonfim e o Carnaval Brasileiro (realizado em 18 de Janeiro, Porto-Novo, Benim). Em Por dentro da África, ele dará a sua valiosa contribuição em análises sobre cultura material e os locais de relevância histórica mostrando uma África para além das belezas naturais.

Calido Mango – Guiné-Bissau

Colaborador e estudante

Nascido em Bissau, capital da Guiné-Bissau, Calido Mango é  membro do corpo diretivo da Associação dos Estudantes e Amigos da África (ASEA),  na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB em São Francisco do Conde e Adjunto responsável das Relações Internacionais da referida associação.

.

Em 2012, o guineense participou no curso técnico de Turismo oferecido pela Câmara do Comércio, Indústria, Artesanato e Serviços (CCIAS) da Guiné-Bissau, no âmbito de Projeto de Formação Jovem (PFJ). Em 2013, foi presidente da Comissão Organizadora do IV Grupo de finalistas do liceu Cooperativa Escolar Alternativa na Guiné-Bissau. Em 2016, graduou-se em Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades e dirigiu, como presidente, a Comissão Organizadora da 1ª Turma de Formatura de Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades.

Douglas Oliveira – Brasil

Colaborador e diretor de fotografia

Douglas Oliveira é diretor de fotografia com passagens por veículos como TV Globo, TV Record e TV Band. Trabalhou como correspondente no continente africano nos anos de 2009 e 2010 realizando coberturas especiais em muitos países como África do Sul, Moçambique, Lesotho, Zimbábue e Ruanda. Na África do Sul, realizou coberturas como a Copa das Confederações, Eleições Presidenciais Sul-Africanas e Copa do Mundo. 

Durante a Copa do Mundo 2010, Douglas também trabalhou como coordenador de produção e repórter cinematográfico para TV Aparecida, TV Diário e TV Verdes Mares abordando a cultura, história, política e o esporte às vésperas da Copa do Mundo. No mesmo período, dirigiu o Documentário “The Day After” (HDV/15`/2010) sobre a expectativa dos sul-africanos após a Copa do Mundo, licenciado para o Canal Futura e Documentary24. Em 2011, o brasileiro visitou Marrocos para uma série de reportagens para a ESPN Internacional, onde também atuou como operador de câmera da Etapa da World Series of Poker. 

Atualmente, Douglas trabalha como diretor de fotografia em diferentes projetos e como cinegrafista na TV Brasil Central, em Goiânia. Ele foi vencedor do III Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental e vencedor do Melhor vídeo sobre Desenvolvimento Sustentável, gravado nos estados do Acre,  Amazonas e Rondônia.
 Também foi o vencedor do Prêmio Volvo de Jornalismo – Série de reportagens (exibida pela TV Record nacional) sobre a mobilidade da motocicleta e seus efeitos nas grandes cidades.


Fernando Guelengue – Angola

Colaborador e jornalista

Fernando é licenciando em Psicologia do Trabalho e das Organizações pelo Instituto Superior Politécnico do Cazenga – ISPOCA. Atua como jornalista, escritor, poeta e consultor de comunicação. É também pesquisador em Ciências Sociais, Psicologia do Trabalho e Direitos Humanos.

O angolano é autor de POBREZA: O Epicentro da Exploração das Crianças em Angola, editado e publicado no Brasil em 2014. Líder de associações desde os 14 anos, sendo um dos protagonistas da democratização de Angola, também trabalha como colunista em jornais privados angolanos e porta-voz da Fogueira Jornalística.

Fernando também trabalhou no jornal Agora e, aos 22 anos, foi o editor mais jovem de um semanário privado. Antes do jornalismo, atuou como professor do primeiro ciclo de ensino secundário.

Gabriel Ambrósio – Angola

Colaborador e pesquisador


Gabriel AmbrósioNascido em Tomboco (Angola), Gabriel Ambrósio, pesquisador de literatura angolana e cultura africana, é estudante de Letras da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Poeta, cronista e escritor, ele utiliza a história e a realidade africana em seu trabalho diário. 

Falante de Kikongo, Kissolonngo, Kimbundu (línguas angolanas) e Fioti (crioulo da Guiné-Bissau), ele participa de diferentes grupos de estudo sobre o período pós-colonial acerca da história e literatura africana, além de ser participante do PROAFRO, programa de estudo Afro-brasileiro.

Gabriel é autor de Africas Ocultas – livro que, segundo ele, ajuda a compreender a África contemporânea e a `desalienar` o povo africano. Na obra, ele fala sobre os dilemas ocultos e a manipulação ocidental.

João Timane – Moçambique

Colaborador e artista

João Timane leciona pintura artística para crianças em Moçambique. Participou em várias exposições coletivas e individuais. Algumas de suas obras foram nomeadas para prêmios como “Carras dum grão de mustarda” , em 2014 “ Retratos de mil gotas de sonho”, na Mediateca BCI em Maputo – Moçambique e em 2016 “A pele do capim” na Biblioteca Municipal de Cantanhede-Coimbra em Portugal.

Estudante da Escola Nacional de Artes Visuais em Maputo, João também trabalha como ilustrador de capas para livros como “Vontades de Partir e Outros Desejos”, de Lino Mukurruza; “Política e informação”, de Matias Guente e “Prédio 333” de Helga Languana. Atualmente frequenta o curso de licenciatura em Engenharia Geológica e de Minas na Universidade Wutive.

João N’gola Trindade – Angola

Colaborador e pesquisador

João N'gola Trindade

João N’gola Trindade é natural de Luanda (Angola) e licenciando em História pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto (Angola). Ele é colaborador do Jornal Angolano de Artes e Letras e do programa sobre Tradição Oral transmitido pela Rádio Nacional de Angola. 


Em seus textos, o colaborador aborda, em artigos, pesquisas acadêmicas e resenhas de livros, vários temas contemporâneos como sociedade, política, relações internacionais e manifestações religiosas.

Mário Lopes – São Tomé e Príncipe

Colaborador e pesquisador

Mário Lopes

Nascido em São Tomé, Mário Lopes, é um promotor das políticas da juventude africana e lusófona, faz parte de uma geração que acredita e luta para que se possam criar pontes entre povos,nações e as diferentes identidades.

Desde adolescente trabalha com voluntariado, como ferramentas para influenciar que pequenas ações criem grande impactos, seguindo criteriosamente a filosofia ubuntu em tudo que envolve. Por acreditar que as ideias que merecem ser partilhadas são sementes para grande transformações, levou o conceito TEDx para São Tomé, sendo hoje Co­organizador do TEDxSãoTomé, bem como Co­fundador da plataforma STP Digital, uma startup de comunicação digital, que foca entre outras variantes no jornalismo cidadão para obter informações e usa as midias sociais para divulgar e promover o que acontece em São Tomé e Príncipe, bem como o que acontece com os santomenses por todo o mundo.

Nuno Rebocho – Cabo Verde

Colaborador e pesquisador

Nuno RebochoNuno Rebocho é um poeta das sete partidas do mundo. Nasceu em Portugal (Queluz), viveu em lugares como Moçambique, Marrocos e está atualmente em Cabo Verde. Foi preso político em Portugal por cinco anos durante os quais habitou no Forte de Peniche, na prisão de Caxias e nos calaboiços da PIDE (polícia política) no Porto, porque se opunha ao salazarismo e defendia a independência das colônias portuguesas.


Teve que abandonar os estudos para ganhar o sustento da família e enveredou pela carreira jornalística – imprensa e rádio. Cidadão do mundo, é interventor cultural e foi distinguido como assessor da lusofonia pela ONG Korsang di Melaka. Com vasta obra publicada: poesia – “Breviário de João Crisóstomo”, “Uagudugu, seguido de O Onanista e de um Poema a Lenine”, “Memórias de Paisagem”, “Poemas do Calendário”, “Nau da Índia”, “Cantos Cantábricos”, “Discurso do Método”, “FM Stereo”, “Santo Apollinaire, meu Santo”, “A Arte das Putas”, “Canções Peripatéticas”; ensaio – “18 de Janeiro de 1934”, “A Frente Popular Antifascista em Portugal”; crónica – “Estradivárius”, “Estórias de Gente”: romance – “A Segundo Vida de Djon de Nha Bia”.

Nuno também foi comissário da Bienal de Artes Plásticas de Dubrovnik. Fez, com Júlio Silvão, o documentário sobre Eugênio Tavares, que foi distinguido pela DOC-CPLP. 

Sulemane Alfa Bá – Guiné-Bissau

Colaborador e compositor

Sulemane Alfa Bá nasceu na Guiné-Bissau e vive na Bahia. Ele é cantor/compositor e graduado em Humanidades, pela Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, campus Malês. Colaborador do Por dentro da África, ele é membro e um dos fundadores do grupo de hip-hop (grupo de pesquisa e de extensão), “Bota a fala”.

O guineense é cadastrado no Diretório do projeto de Pesquisa PIBIC/UNILAB -Richard Rorty, literatura e educação moral: intelectuais e políticas de identidade, na UNILAB – Campus dos Malês. Atuando principalmente no seguinte tema: Representações do Judiciário a partir da Narrativa do Livro Espírito Santo.

Susan de Oliveira – Brasil e Portugal

Colaboradora

Susan é pos-doutora em Literatura Comparada pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (2015); doutorada em Literatura (2006), mestrado em Literatura (2001) e graduação em geografia (1993), todos pela Universidade Federal de Santa Catarina. 

Ela é  especialista em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa pelo Instituto Camões, Lisboa (2009), professora do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas da UFSC, desde 2009. Possui experiência na área de letras, com ênfase em literatura portuguesa, literaturas africanas de língua portuguesa, estudos pós-coloniais e literatura comparada. 

Os principais temas de interesse e pesquisa são as literaturas africanas, as culturas africanas em África e na diáspora, as literaturas e culturas das periferias com ênfase no rap e formações culturais do hip hop. Coordena o Núcleo de Estudos de Poéticas Musicais e Vocais. Atualmente é docente do Programa de Pós-graduação em Literatura da UFSC.

Ulrich Schiefer – Alemanha, Portugal e Angola

Colaborador e investigador

Desde 1992, Ulrich Schiefer é investigador e professor do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, onde é diretor do Mestrado em Estudos Africanos. Coordenou projetos de investigação nas áreas: planeamento e avaliação e de desenvolvimento organizacional, cooperação para o desenvolvimento, sociedade civil, desintegração e colapso de sociedades africanas, campos de refugiados, e migrações e segurança alimentar em África. 

Tem vários artigos e livros publicados que podem ser consultados online. Desde 1978 trabalha e investiga em Países de Língua Oficial Portuguesa sendo consultor de várias organizações internacionais. Tem um Mestrado e Doutoramento em Sociologia, Antropologia Social, e Comunicação Social e agregação em Sociologia de Desenvolvimento pela Universidade de Münster, Alemanha e agregação em Sociologia pelo ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

Virginia Yunes – Argentina, Brasil e Guiné-Bissau

Colaboradora e fotógrafa

Virginia Yunes nasceu na Argentina, mas migrou ainda criança para o Brasil. Graduada em Farmácia e Artes Visuais (UDESC), realiza atualmente doutorado em Artes Visuais (UDESC). Sua condição de imigrante despertou seu interesse pela diversidade cultural e étnica. Morou um ano na Amazônia e dois anos em Guiné Bissau e visitou mais de 40 países capturando imagens que revelam a condição humana.

Em seus primeiros ensaios fotográficos com meninos e meninas de rua em situação de vulnerabilidade social, ela começou a definir sua linha de atuação. Transformou sua fotografia num instrumento de comunicação e denúncia.

Virginia trabalhou como fotógrafa para CARITAS, UNICEF e diversas ONGs, organizando diversas exposições nacionais e internacionais. Ela esteve em muitos países africanos como Burundi, Uganda, Senegal, Nigéria, Quênia e Guiné-Bissau.

Com uma arte comprometida e humanística; acredita no poder da arte para sensibilizar, melhorar e transformar olhares e corações.

Veja a página de Virginia aqui http://www.virginiayunes.com/

Conheça os poetas moçambicanos

Vídeos