Sudão do Sul: Ações buscam manter as pessoas deslocadas protegidas da Covid-19

0
  •  
  •  

Deslocados no Sudão do Sul – Foto de OMS

Com informações da OMS

Como o país mais jovem do mundo preparou medidas para prevenir infecções generalizadas pela COVID-19, os seus anos de conflito e catástrofes naturais apresentaram subitamente um desafio sem precedentes: proteger milhares de pessoas deslocadas dentro dos locais criados durante a última década como refúgio.

Dos 1,7 milhão de pessoas deslocadas no país, cerca de 168 000 vivem atualmente num dos 116 campos ou aglomerados populacionais, onde as condições implicavam um distanciamento físico praticamente impossível.

Tal como em grande parte do país, muitos dos campos de deslocados têm uma prestação de cuidados de saúde inadequada e uma capacidade limitada para cuidar de pacientes gravemente doentes.

“O surto da Covid-19 representa uma enorme ameaça para as populações vulneráveis nos campos e povoados, onde as condições de vida superlotadas e o acesso inadequado aos serviços sociais desafiam a prevenção e controle eficazes do coronavírus”, disse Olushayo Olu, Representante da Organização Mundial de Saúde (OMS) para o Sul do Sudão.

Impedir o coronavírus de chegar a qualquer comunidade do país ou dos campos tornou-se uma prioridade do governo, das Nações Unidas e das organizações não governamentais locais e internacionais – todas juntas em resposta.

Como agência de saúde global, a OMS coordenou as suas atividades, que giraram em torno da construção de confiança, introduzindo medidas de prevenção da transmissão, mantendo a continuidade dos serviços e fornecimentos de saúde e estabelecendo centros de tratamento e isolamento COVID-19 separados e dedicados.

No final de Março, uma campanha de sensibilização a nível nacional através da rádio e de mensagens SMS compartilhava informações sobre o vírus e a melhor forma de as pessoas se protegerem. A campanha estendeu-se aos campos e colónias de deslocados, onde líderes, professores, voluntários, comités locais e parceiros estavam também empenhados em ajudar a proteger as comunidades dos seus campos.

A OMS, em colaboração com o Ministério da Saúde e outros parceiros, apoiou a formação de cerca de 400 trabalhadores da saúde nos campos e povoações sobre os cuidados a prestar aos doentes da COVID-19 e como prevenir e controlar a propagação do vírus.


  •  
  •