Continente africano registra mais de 200 mil casos de Covid-19

0
  •  
  •  

Resposta à Covid-19 em África - Foto de OMS
Resposta à Covid-19 em África – Foto de OMS

Com informações da OMS

Desde meados de fevereiro de 2020 até o dia 11 de junho, foram confirmados, no continente africano, mais de 200 mil casos de Covid-19 e 5.600 mortes decorrentes da doença.

Dez países estão atualmente a impulsionar o aumento do número de casos, representando quase 80% de todos os registros. Mais de 70% das mortes estão a ocorrer em apenas cinco países: Argélia, Egito, Nigéria, África do Sul e Sudão.

A África do Sul é o país mais afetado, sendo responsável por 25% do total de casos no continente, com as províncias do Cabo Ocidental e do Cabo Oriental a registrarem diariamente um elevado número de casos e mortes.

Mais de metade dos países do continente estão a registar uma transmissão comunitária da Covid-19. Em muitos casos, esta situação está concentrada nas capitais, mas os casos estão a alastrar às províncias.

“Por enquanto, a África ainda representa apenas uma pequena fracção dos casos a nível mundial. Mas o ritmo da propagação está a acelerar. A ação rápida e precoce dos países africanos tem ajudado a manter os números baixos, mas é necessária uma vigilância constante para impedir que a Covid-19 deixe de ser uma sobrecarga das instalações de saúde”, disse Matshidiso Moeti, diretor Regional para África da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Muitos países foram rápidos a tomar decisões difíceis e a pôr em prática bloqueios e medidas-chave de saúde pública, tais como a promoção do distanciamento físico, a boa higiene das mãos e os testes, o rastreio dos contatos das pessoas com a Covid-19 e o isolamento dos casos.

Com o apoio da OMS e de outros parceiros, os governos também começaram rapidamente a aumentar a mão-de-obra no setor da saúde e as capacidades laboratoriais e a criar pontos de entrada nos aeroportos e nos postos de fronteira. Estas medidas de saúde pública e sociais foram eficazes para abrandar a propagação da COVID-19 em África.

A flexibilização das restrições deve ser um processo controlado e deve ser associada à garantia da existência de capacidades e mecanismos de ensaio generalizados. Estas medidas devem ser constantemente adaptadas de acordo com as tendências dos dados e mantidas até que a pandemia seja contida ou até que exista uma vacina ou tratamento para a Covid-19 que seja acessível a todos.


  •  
  •