O potencial da informação offline para a apropriação do conhecimento (Parte I de III)

0
  •  
  •  

Foto da Agência da ONU para Refugiados – Divulgação

Artigo escrito por investigadores do ISCTE-IUL.
Título original: O potencial da informação digitalizada offline para a produção, distribuição e apropriação do conhecimento humano
(Parte II/III; Parte III/III)

Ulrich Schiefer, Ana Larcher Carvalho, Alexandre Costa Nascimento [i, ii, iii]
Por dentro da África

Resumo

Os mundos vitais de grande parte da população humana passaram por transformações profundas através da expansão da internet. No entanto, grandes partes do mundo ainda estão total ou parcialmente offline. Smartphones, tablets e eletricidade (off-grid) baratos alcançam cada vez mais essas populações. O fascínio dos cientistas pela Internet – para onde convergem dinheiro, investimentos, modelos de negócio, comunicação, controle político, bem como os seus mundos de vida – tem obscurecido em grande medida o potencial da informação digitalizada offline para o armazenamento e distribuição de informação e para a apropriação do conhecimento.

As mudanças profundas da socialização do conhecimento humano através das revoluções nos meios de transmissão influenciaram a forma como as sociedades produzem, distribuem, recebem e apropriam a informação. A expansão do acesso à informação digitalizada revoluciona a transmissão horizontal e vertical. As diferenças são múltiplas: os requisitos físicos são reduzidos – uma biblioteca inteira cabe num bolso; a informação digital é muito mais barata de adquirir; as cadeias logísticas através das quais são produzidos, expedidos, distribuídos e armazenados livros ou revistas são tão desnecessárias assim como a necessidade de bibliotecas para armazená-los.

O acesso real à informação também é muito diferente – a função de busca eletrônica e a Wikipédia offline podem servir como exemplos. Isto sugere um repensar do “abismo digital” que já não é sinônimo de acesso à Internet. Existe uma zona de fronteira onde as diferentes formas de acesso se sobrepõem? Quais são os mecanismos de distribuição e de mercado da informação digital offline? Para que fins pode a informação digitalizada ser colocada offline? Como a nova disponibilidade de tecnologia cada vez mais barata afetará a produção e apropriação de conhecimento?

Palavras-chave: Informação Digital, Informação Offline, Produção de Conhecimento, Gestão do Conhecimento, Transferência de Tecnologia.

Introdução

A revolução digital trouxe enormes mudanças, uma delas na forma como a informação científica, técnica e outra é produzida e disseminada. Foram produzidas, reproduzidas e distribuídas grandes quantidades dessa informação digitalizada, principalmente através da Internet. Partes consideráveis da vasta gama de informações analógicas existentes antes do advento das tecnologias da informação foram também convertidas em formato digital.

Neste artigo, seguimos Heinz von Foerster para a definição de informação e conhecimento. O conhecimento requer um cérebro humano, portanto não pode ser armazenado na mídia, apenas a informação pode (Foerster, 2008).

Digital refere-se a dados e informações armazenados eletronicamente em meios de comunicação, geralmente em códigos binários, digitalizado refere-se a dados e informações produzidos em ou transformados em código binário, digitalizado refere-se a modelos de negócio que utilizam informações digitalizadas para processos empresariais. Em tecnologia informática e telecomunicações, online indica um estado de conectividade, e offline indica um estado desconectado.

No entanto, a riqueza da informação digitalizada só está disponível para os utilizadores que têm acesso a uma conexão à Internet – estes são apenas cerca de metade da população mundial[iv].

A atenção e os esforços internacionais estão se concentrando na expansão dos serviços de internet. Embora tenha havido um progresso notável na cobertura, por exemplo, na África Subsaariana, de apenas 2,1% em 2005 para mais de 22% dos indivíduos em 2017, uma esmagadora maioria da população vive sem ou apenas com fraca conectividade à rede.

Kenya-iHub PNUD South Africa

Suas necessidades de informação são ignoradas, pois a atenção do mundo está concentrada na internet. A expansão da conectividade através da rede, no entanto, requer investimentos pesados em infraestrutura, políticas públicas adequadas e muito mais. Os custos de funcionamento, tanto financeiros como ecológicos, são também bastante consideráveis, com custos proibitivos para os utilizadores, o que impede ainda mais a expansão.

Por outro lado, novas tecnologias como smartphones e memórias portáteis, com alta capacidade de armazenamento de dados, estão se espalhando muito mais rápido que a internet. Isto levanta a questão de saber se a informação técnica e científica pode ser divulgada num formato offline.

Neste artigo, primeiro analisamos, a partir de uma perspectiva histórica, como as mudanças na mídia afetaram a produção e transmissão de conhecimento e as implicações presentes e futuras da recente disponibilidade de informação digitalizada para a produção de conhecimento. Em segundo lugar, tentaremos compreender em que medida a informação digital offline pode ajudar a superar as desigualdades digitais e como a riqueza de informação já existente em formato digitalizado pode ser disponibilizada aos utilizadores desconectados, de modo a contribuir de forma significativa para melhorar os conhecimentos humanos.

Conhecimento institucionalizado

A revolução digital não é a primeira mudança radical na forma como as sociedades humanas produzem, manipulam e aplicam o conhecimento. A revolução neolítica que começou há cerca de dez milênios, já trouxe transformações revolucionárias – as sociedades agrárias forneceram um terreno fértil para a aquisição e transmissão de informações. O conhecimento dos caçadores e coletores se transformou lentamente. Novos conhecimentos foram conquistados e testados durante um longo período de tempo, antes de serem armazenados e transmitidos em mitos[v], rituais e estruturas sociais.

Os rituais de iniciação constituíram uma das muitas oportunidades de transmissão de conhecimento – incluindo as dimensões secretas que foram consideradas essenciais para a coesão interna das sociedades organizadas ao longo da matriz étnica. (Sigrist, 1994), (Schiefer, 2002). As linhas de transmissão confinadas com uma graduação de acesso às partes mais secretas mostram que as sociedades reconheceram muito cedo a importância do conhecimento. A distinção entre santo e profano que é básica para as sociedades antigas também encontrou sua expressão na divisão do conhecimento (Eliade, 1968).

O advento de um novo tipo de conhecimento que ultrapassou os estreitos limites da tradição étnica e se baseou mais na lógica e no raciocínio do que no mito e na narrativa encontrou a sua expressão também em novas formas de transmissão (Sloterdijk, 2011). A idade axial proporcionou na China, Índia, Pérsia, Judéia e Grécia no primeiro milênio a.C. novas formas de pensar que, pelo menos em parte, encontraram sua expressão institucional em novos centros de aprendizagem (Jaspers & Jaspers, 2017). A academia de Platão durou, com algumas interrupções, quase mil anos. A influência de Aristóteles, seu aluno mais famoso, que estruturou e escreveu um currículo completo, durou ainda mais tempo e teve um impacto mais profundo no modelo universitário. Na Europa, parece ter sido a primeira instituição bem sucedida a retirar a instrução dos limites do ambiente familiar, criando um espaço aberto ao ensino. As instituições chinesas de ensino superior são tão antigas e têm treinado elites imperiais por milênios (Needham, 1956a) (Needham, 1956b). Eles produziram fenômenos como os sistemas de exame imperial que foram posteriormente adaptados pelas elites na Europa Ocidental e ainda exercem uma forte influência sobre as sociedades modernas. Uma comparação entre o programa de estudos grego e chinês, apesar das diferenças fundamentais na sua episteme (Foucault, 1994), (Jullien, 2002), (Jullien, 2004) apresenta semelhanças surpreendentes (Wilhelm, 2012) (Needham, 1956a). A divisão grega das disciplinas sobreviveu no trivium e quadrivium da idade média até os tempos modernos na Europa.

Palermo University on March 27. Photo: Wikimedia Commons

As instituições acadêmicas para a formação das elites remontam a pelo menos dois milênios e meio. Eles produziram um modelo de uma instituição que é pelo menos parcialmente fechada e distinta do seu ambiente, geralmente em concorrência com instituições rivais. Como regra geral, uma academia tem infraestruturas adequadas, um corpo docente especializado, estudantes pagantes, classificação etária, uma combinação de aprendizagem coletiva e individual, um programa de estudos distinto, exames e certificação e formas escritas de armazenamento de informação[vi]. Na maioria dos casos, ele também tem uma dimensão internacional, seja através de seu corpo docente, corpo discente ou a origem de seu material didático. Como nas idades pré-neolítica e neolítica, a transmissão do conhecimento acumulado sempre esteve imbuída da transmissão de valores e normas sociais[vii].

Em uma perspectiva global, a universidade moderna como instituição de ensino superior parece ser o modelo mais bem sucedido para prover treinamento científico às elites, embora sempre tenha havido outras instituições, como ordens religiosas, academias militares e instituições especializadas em administração pública, para citar apenas alguns tipos. A rápida expansão das universidades, de cerca de 600 em 1945 para mais de 10.000 atualmente, deve-se à necessidade crescente de as sociedades em rápida industrialização produzirem elites técnico-funcionais para gerir as suas economias e sociedades.

As universidades europeias formaram elites nacionais e coloniais durante cinco séculos, as modernas universidades europeias de investigação que integraram a investigação e o ensino num espaço autónomo livre de intervenção política do Estado, foram concebidas há cerca de dois séculos (Humboldt, 1999), (Newman & Turner, 1996).

A sua transformação em fábricas do conhecimento de tipo industrial, digitalizadas e moduláveis na Eurásia abrange duas décadas. O “Processo de Bolonha” criou um espaço comum para o Ensino Superior, com níveis de qualificação supostamente padronizados e o reconhecimento mútuo de diplomas entre 48 países. Os princípios básicos desta transformação são a economia da educação (Krautz, 2014), com ênfase na redução de custos e na melhoria da qualidade através da gestão da qualidade industrial e processos de certificação (Münch, 2009). A normatização e a certificação das elites técnico-funcionais de produção em massa respondem a uma necessidade de globalização do mercado de trabalho em que a industrialização exige trabalhadores altamente qualificados[viii], intercambiáveis ou “subcontratantes livres” (Liessmann, 2014).

O meio é o meio

Mudanças profundas na socialização do conhecimento humano coincidiram essencialmente com as revoluções nos meios de transmissão. A academia platônica passou da transmissão oral e rapsódica de mitos para textos e desenhos escritos (à mão). Os manuscritos sempre tiveram um papel importante, e ainda têm. Eles foram, no entanto, substituídos em qualidade e quantidade por impressos, primeiro inventados na China, e mais tarde, independentemente, na Europa. A invenção da impressora com tipos móveis (Gutenberg) forneceu textos, imagens impressas e gráficos que eram muito mais acessíveis devido aos novos sistemas de distribuição. Com estes novos sistemas de entrega, tais como lojas de impressão, livrarias, bibliotecas universitárias e públicas e instituições similares, a informação sobre material impresso rompeu com os estreitos limites das ordens religiosas e dos tribunais da nobreza.

Textos impressos, como livros e periódicos, bem como mídia eletrônica digitalizada, têm influenciado como as sociedades, através de seus cérebros humanos – os principais órgãos sociais (Hüther, 2010) – produzem, distribuem, recebem e se apropriam de informações.

A nova forma de conhecimento e a sua transmissão combinavam o ensino por especialistas com o código escrito exemplificado pelo alfabeto ou ideogramas padronizados. Ele também produziu um novo estilo de aquisição de conhecimento como exemplificado pela askesis grega e a disciplina confucionista no oriente. As informações manuscritas e impressas só podem ser utilizadas após um treino intensivo. São necessários pelo menos cinco anos de preparação para ler um texto simples e 12 a 15 anos para poder ler textos científicos.

 

A escrita, no entanto, permitiu que a informação se tornasse portátil. Onde antes o professor tinha de viajar para os seus alunos – um fato bem documentado na Grécia e na China – ou o fenômeno mais comum que os alunos viajavam para os seus professores, agora a acumulação de informação podia ser armazenada e passar pelo tempo e pelo espaço.

Com o advento do século XX, as novas tecnologias permitiram a gravação de fotografias e de imagens em movimento. Isso e a gravação, armazenamento e distribuição de sons mudaram todo o jogo, pois o consumo dessas novas mídias não requer treinamento prévio.  A gravação e transmissão analógica ou digital de sons ficou disponível para pessoas analfabetas ou semiletradas, seja na forma de rádio, telefone ou cassetes enviadas por correio. O mesmo se aplica às fotografias e aos filmes.

Foto do Banco Mundial – Divulgação

No entanto, isto não dispensa a necessidade de uma “alfabetização tecnológica” básica para melhorar as capacidades de utilização adequada das novas tecnologias[ix]. Na prática, o conhecimento operacional, baseado na “vida social da informação” (Brown & Duguid, 2000) para o uso de dispositivos modernos, como smartphones, se espalha por meio de processos de aprendizagem peer-to-peer, que são informais, mas muito eficazes.

O uso frutífero da informação – produção, consumo, interpretação e processamento – em suma, a transformação da informação em conhecimento, requer naturalmente a capacidade de relacioná-la com uma grade mental de referência.

A armadilha da internet

O fascínio dos cientistas modernos pela internet – onde convergem dinheiro, investimentos, modelos de negócio, comunicação, controle político, bem como os seus mundos de vida (Held & Husserl, 1986) – tem obscurecido em grande medida o potencial da informação digitalizada offline para o armazenamento e circulação de informação e para a apropriação do conhecimento. Isso reflete apenas uma pequena fatia das forças da vida real que moldam a internet – certamente não é o uso de estudiosos que fortalece a dinâmica do mundo digital, embora às vezes sua abordagem voltada para dentro pareça induzir a esse faz de conta.

Para o utilizador conectado, a produção, digitalização, armazenamento, distribuição e consumo de informação parecem estar intrinsecamente ligados ao fenómeno da Internet (Palmer, 2005). Foi certamente a rápida digitalização da informação (muitas vezes sob o nome errado de “conhecimento humano”) que impulsionou a expansão da Internet, baseada em modelos de negócio digitalizados. Embora a base tecnológica fosse originalmente militar, foi a mercantilização para o mercado de massa que proporcionou os incentivos econômicos para a produção em massa de componentes cada vez mais baratos. Isto criou as dinâmicas que agora atingiram um ponto de inflexão para o acesso generalizado. Embora o primeiro uso sistemático da internet tenha sido feito por e para cientistas, a informação científica hoje em dia é apenas uma pequena parte da informação que circula na rede. No entanto, é absolutamente crucial para a ciência moderna, bem como para o funcionamento das sociedades industrializadas e em vias de industrialização. Desempenha igualmente um papel essencial no ensino superior em todos os domínios.

Développeurs de logiciels au siège social d’Andela à Lagos ( Nigéria) Photo AndelaRotimi Okungbaye

O acesso barato e as capacidades de networking internacional criaram e impulsionaram a produção, sistematização e disseminação de informação científica, numa infinidade de plataformas dedicadas. Foi uma pré-condição para o surgimento de fenômenos originais como a Wikipédia[x]. Com efeito, a Wikipédia mudou profundamente a forma como a informação é produzida, validada, circulada e consumida. Onde antes a informação válida era restrita a instituições especializadas e uma elite qualificada, a Wikipédia estava aberta a todos os interessados em compartilhar conhecimento. A validação é efetuada através de rigorosos mecanismos internos de controle de qualidade, embora existam muitas vozes críticas sobre o seu nível (Lanier, 2018). A abordagem “Creative Commons” resolveu alguns dos problemas decorrentes das questões de direitos autorais e propriedade intelectual (Warwick, 2014). Numerosas plataformas wiki-plataformas expandem grandemente a área de produção e consumo de informação mais especializada.

Colmatar o fosso digital

Os mundos vitais de grande parte da população humana passaram por transformações profundas e de grande alcance com a expansão da internet. No entanto, grandes partes do mundo ainda estão offline ou têm apenas acesso ocasional e fraco à rede. Esta tem sido analisada como desigualdade digital (Robinson et al., 2015). Em 2018, mais de metade da população mundial tinha acesso à Internet. Na África Subsaariana, os dados disponíveis indicam que a percentagem da população que utiliza a Internet em 2017 é de cerca de 22%[xi], embora existam diferenças consideráveis entre os países: Em Cabo Verde, por exemplo, a percentagem de utilizadores atinge quase 60% e na Guiné-Bissau, outro país lusófono, a percentagem é estimada em menos de 4%[xii]. Além disso, o acesso à Internet para muitos utilizadores pode ainda não ser realmente funcional.

Uma série de desenvolvimentos tecnológicos estão agora a alterar as condições de acesso à informação científica (e outra) para as pessoas sem acesso à Internet. Smartphones, tablets e computadores estão se tornando mais barato, de modo que muitas pessoas em condições econômicas ter acesso a eles[xiii]. A tecnologia de eletricidade cada vez mais barata (solar off-grid) fornece a energia para alimentar esses dispositivos para as populações mais pobres fora dos centros urbanos e das regiões industrializadas. A expansão do acesso à informação digitalizada originalmente produzida para a internet e através dela (Suleman, 2010) cria as condições para uma revolução na transmissão horizontal e vertical (Warwick, 2014).

As dinâmicas produzidas pelos avanços na digitalização são significativas e múltiplas: os requisitos físicos são reduzidos – uma biblioteca inteira cabe num bolso e um programa universitário inteiro cabe num smartphone. Isto é importante para regiões do mundo onde as cadeias logísticas de livros e outros impressos são fracas ou inexistentes. Os livros requerem espaço de armazenamento adequado e certas condições físicas, nem sempre facilmente encontradas em climas tropicais e condições de vida precárias. A luz elétrica para leitura é considerada como algo adquirido pela maioria das pessoas, mas ainda longe de ser universal. A aquisição de informação digital é muito mais barata; as cadeias logísticas através das quais são produzidos, expedidos, entregues e armazenados livros ou revistas são tão desnecessárias como o são as bibliotecas em zonas sem a necessária concentração da procura.

A reprodução de um livro requer tanto uma editora como uma gráfica; uma fotocopiadora serve para volumes menores. Esta infraestrutura não está disponível em todo canto, é bastante dispendiosa e difícil de manter. Por outro lado, a informação digitalizada é fácil de copiar e reproduzir sem custos. Isso naturalmente levanta questões sobre propriedade intelectual e direitos autorais. Os problemas colocados por estas questões podem, no entanto, ser ultrapassados pelas instituições de ensino. A tendência de “libertação” da informação, propagada pelo movimento do Acesso Aberto e praticada por outros, como o Google Books, e uma infinidade de outros movimentos, provavelmente ganhará cada vez mais influência.

Kakuma Refugee Camp – UNHCR/Catherine Wachiaya

O acesso real à informação também é muito diferente – a função de busca eletrônica e a Wikipédia offline podem servir como exemplos.

Isto sugere um repensar do “abismo digital” que já não é sinónimo de acesso à Internet. Existe ainda uma divisão ou uma zona de fronteira onde diferentes formas de acesso se sobrepõem?


[i] Professor Auxiliar (com Agregação) ISCTE-IUL, Investigador Integrado CEI-IUL

[ii] Professora Auxiliar Convidada ISCTE-IUL, Investigadora Integrada CEI-IUL.

[iii] Assistente de Investigação ISCTE-IUL, Investigador Integrado não Doutorado CEI-IUL.

[iv] União Internacional de Telecomunicações, World Telecommunication/ICT Development Report e banco de dados.

[v] Para uma interpretação interessante da epopeia de Gilgamesh, o mais antigo mito conhecido que representa o conflito original entre caçador e agricultor, do ponto de vista de um economista ver: (Sedlacek & Havel, 2011).

[vi] Para uma breve história das bibliotecas antigas como precursoras das bibliotecas modernas online e offline, veja o estudo sobre “Táticas Radicais da Biblioteca Offline” (Warwick, 2014). Análise crítica e seminal de Warwick dá uma visão geral a partir de uma perspectiva histórica sobre uma ampla gama de problemas que tocam os tópicos offline-online de bibliotecas modernas.

[vii] O antigo ideal da Kalokagathía sobreviveu em várias transmigrações nos sistemas de educação da Europa até o século 20. Assim como os valores humanos universais desenvolvidos pelos cosmopolitas originais. Cf..: (Sloterdijk, 2011).

[viii] Para uma crítica profunda do nível de qualificação produzido pelo processo de Bolonha ver: (Liessmann, 2014) que continua a crítica de Adorno ao ensino superior moderno (Adorno, 2006).

[ix] Por exemplo, o conhecimento prático para usar telefones celulares para efetuar e receber pagamentos nos sistemas MPESA se espalhou facilmente pela população do Quênia.

[x] A Wikipédia já produziu uma família crescente de wikis especializados para diferentes tipos de usuários: para crianças, para estudantes, para pessoal de saúde, etc.

[xi] Dados do Banco Mundial baseados em dados da União Internacional de Telecomunicações, Relatório de Desenvolvimento de Telecomunicações/TIC Mundial e base de dados. Embora a qualidade deste tipo de dados possa ser duvidosa, pode dar-nos uma indicação aproximada.

[xii]. Ver: https://www.internetworldstats.com/stats.htm

[xiii] Há inúmeros movimentos para produzir hardware dedicado a um custo mínimo: a série Raspberri Pi de computadores desenvolvidos especificamente para ajudar a educação, do tamanho de um cartão, pode servir como um dos muitos exemplos.,


  •  
  •