O potencial da informação offline para a apropriação do conhecimento (Parte II de III)

0
  •  
  •  

Kenya-iHub PNUD South Africa

Artigo escrito por investigadores do ISCTE-IUL.
Título original: O potencial da informação digitalizada offline para a produção, distribuição e apropriação do conhecimento humano
(Leia também: Parte I/III e Parte III/III)

Ulrich Schiefer, Ana Larcher Carvalho, Alexandre Costa Nascimento [i, ii, iii]
Por dentro da África

Da Confusão Babilônica à descida do Espírito Santo

O conhecimento tradicional significativo tem sido sempre confinado aos limites linguísticos das sociedades[i]. Só com a mudança do suporte e a codificação das informações é que estes limites foram ultrapassados.

Historicamente, a formação das elites imperiais geralmente implicava a aquisição de línguas dominantes comuns. A produção e o acesso ao conhecimento científico exigem competência linguística. Este foi um processo cansativo e dispendioso que ocupou boa parte de seus sistemas educacionais. As elites imperiais geralmente se tornaram fluentes em pelo menos uma ou duas línguas escritas adquiridas.

Para os Han, isto era mandarim; para os helenos, grego; para o império romano, latim e grego; para a Europa da Idade Média, latim e grego; para a era da Internet, até agora, o inglês. Embora atualmente o mandarim esteja ganhando terreno, pelo menos em publicações científicas, é muito cedo para dizer se isso se traduzirá em uma rivalidade com o inglês como língua dominante na internet.

O advento do software de tradução[ii] atingiu agora um nível em que muitos textos funcionais e científicos podem ser facilmente e baratamente traduzidos de e para muitas línguas[iii]. Mesmo que a qualidade final dos textos traduzidos ainda não seja perfeita, eles estão melhorando e são mais claros e compreensíveis. Estes processos de tradução automática exigem textos digitalizados e estão ligados à Internet, mas os seus resultados igualmente digitalizados não o estão.

A Wikipédia[iv] é um bom exemplo disso: embora as traduções automáticas de artigos ainda sejam desaprovadas pelos editores, elas estão ganhando cada vez mais terreno.

Développeurs de logiciels au siège social d’Andela à Lagos ( Nigéria) Photo AndelaRotimi Okungbaye

Procurai, e encontrareis

Encontrar informações para todos os fins foi revolucionado pelo advento do “motor de busca”. Estes motores tornaram-se amplamente conhecidos como recursos de computadores pessoais, antes que eles ativaram e conquistaram a internet[v]. Em tempos mais adiantados encontrar a informação era baseado no conhecimento adquirido.

Nas sociedades tradicionais, o conhecimento era armazenado nas memórias das pessoas. Em uma fase anterior, as pessoas deveriam conhecer seus textos, um conhecimento que levou décadas para ser dominado e exigiu sistemas caros e complicados, como catálogos de bibliotecas, bibliografias, índices, etc. O advento das bibliotecas online não reduziu as complexidades. Agora há chamadas para bibliotecários digitais (Sreenivasulu, 2013), bem como abordagens para avaliar seu valor, uso e impacto (Hughes, 2012).

Hoje em dia, os motores de busca também estão disponíveis offline, para computadores pessoais, tablets e smartphones. São fáceis de manusear e eficazes. Eles facilitam muito o acesso à informação digital offline. A miniaturização e a redução de custos dos suportes de armazenamento que fornecem a base material para as bibliotecas digitais são impressionantes.

No entanto, para serem eficazes, necessitam de alguns conhecimentos especializados, que nem sempre podem ser considerados como um dado adquirido, se o conhecimento do utilizador médio puder servir de exemplo. Os progressos técnicos facilitaram grandemente a construção e a utilização de bibliotecas digitais offline[vi]. Há 15 anos, a construção de uma biblioteca digital ainda era domínio de especialistas em informática (I.H. Witten et al., 1999) (Ian H. Witten, 2002).

A milha extra – através das paredes e do mato

O potencial do acesso offline à informação digitalizada abrange um vasto e diversificado leque de situações e oportunidades[vii]. Desde espaços confinados onde o acesso à internet é bloqueado artificialmente, como prisões, escolas, países totalitários e similares, até as vastas regiões do planeta onde a internet é inexistente, não funcional ou muito cara para ser acessível para muitos[viii].

Transferência de tecnologia, fluxos confluentes e mudança de modelos de negócios

De fato, os avanços técnicos em vários campos estão criando as condições para novas dinâmicas que terão uma profunda influência sobre os mundos de vida das pessoas sem acesso ou com acesso não-funcional à internet.

A título de exemplo: em vastas regiões da África Subsariana, a confluência da disponibilidade de smartphones, painéis solares fora da rede, suportes de armazenamento digital e similares fornecem as bases técnicas para a distribuição e utilização de informação digitalizada.

Essa transferência de tecnologia acontece no nível mais simples, porém, através do marketing e aquisição de objetos de usuários finais. Salvo raras excepções, não existe qualquer transferência de tecnologia relevante das capacidades de produção, como é o caso das fábricas ou mesmo das oficinas de reparação. Enquanto objetos altamente sofisticados proliferam, o investimento no desenvolvimento tecnológico global dos países é negligenciado.

A disponibilidade de informação digitalizada, bem como os avanços das capacidades de tradução automática e os avanços nos motores de busca offline atingiram agora um ponto de viragem em que os desenvolvimentos baseados na Internet permitem transcender a Internet. A utilização cada vez mais intuitiva de smartphones, tablets e computadores pessoais facilita o acesso. A utilização generalizada de ícones na comunicação constitui uma alternativa fácil aos textos escritos, tal como a normalização das interfaces numa vasta gama de aplicações. As telas sensíveis ao toque já simplificam o uso de dispositivos que não requerem mais teclados. As funções de fala dos smartphones permitem que até mesmo usuários analfabetos acessem seus dispositivos: por exemplo, eles podem simplesmente fazer uma pergunta e ouvir as respostas.

Diferentes modelos de negócio baseados em sistemas de distribuição auto-organizados baseados no mercado para equipamentos avançados, centrados em dispositivos do utilizador final, estão atualmente penetrando em áreas até agora isoladas da tecnologia moderna e fornecem as bases para satisfazer a procura de know-how, bem como de informação científica. A confluência desses avanços resulta em uma nova qualidade.

Isto levanta uma série de questões: Quais são e serão os mecanismos de distribuição de informação digital offline? Há loops auto-reforçantes? Que mecanismos de mercado podem crescer a partir da dinâmica tecnológica?[ix] Para que fins pode a informação digitalizada ser colocada offline? Como é que a nova disponibilidade de tecnologias cada vez mais baratas afetará a produção de conhecimento, a circulação e a aquisição de informação? Quais serão os efeitos da informação digital offline em espaços onde a Internet é fortemente policiada pelo Estado ou onde as empresas da Internet recolhem cada vez mais dados dos utilizadores?

O [x]movimento de acesso aberto científico que tenta garantir o livre acesso (online) à informação científica financiada por fundos públicos incluirá o acesso offline? Será capaz de superar a resistência massiva de grupos de interesse que defendem os modelos proprietários de venda de informação? Ou os modelos de negócio das empresas que dominam a internet?

Parece urgente repensar profundamente a forma como os sistemas educativos lidam com a informação.

Os efeitos nos sistemas de ensino ainda não podem ser totalmente avaliados. Muitas instituições de ensino superior, especialmente em áreas com fraco acesso à internet, ainda estão lutando para entender as implicações da revolução tecnológica que está ocorrendo em seu entorno. Será que o seu modelo de negócio baseado no acesso condicional à informação (bibliotecas, acesso online, etc.) se manterá?

Foto da Agência da ONU para Refugiados – Divulgação

Como é que o acesso mais generalizado à informação digitalizada influenciará a investigação e o ensino? Serão capazes de abrir os seus sistemas de tal forma que ajudem a divulgar informações científicas e outras informações online e offline ao público em geral? Podem alargar a sua base de recrutamento facilitando o acesso à informação aos futuros alunos? Podem eles mudar o seu papel na sociedade de instituições de formação de elite para se tornarem fornecedores gerais de informação de qualidade para um público mais vasto?

Será que o seu modelo proprietário de gestão da informação será capaz de se adaptar a um ambiente onde a informação flui mais livremente? Sob um acesso aberto mais generalizado, a gestão da informação pode ser separada dos processos de ensino e aprendizagem (transformação da informação em conhecimento humano) e de certificação?[xi]

Será que as universidades e outras instituições serão capazes de se tornar verdadeiramente inovadoras e alcançar áreas que ainda estão offline?


[i] Isto não implica que as sociedades sejam monoglotas. Na África rural, por exemplo, as Sociedades Agrárias não estão limitadas a um idioma. Muitas pessoas falam poucas línguas, e para eventos oficiais podem ser chamados intérpretes especializados (Schiefer, 2002).

[ii] Veja por exemplo: https://translate.google.com/ ou o site mais recente que fornece traduções de qualidade muito maior: https://www.deepl.com/en/translator.

[iii] Um desenvolvimento paralelo pode ser visto no progresso das “linguagens de máquina” originais necessárias para interagir com computadores, para o software, tanto os sistemas operacionais quanto as aplicações, que são cada vez mais convergentes para produzir interfaces de usuário que transcendem fronteiras culturais e linguísticas.

[iv] É de esperar que as versões mais pequenas da Wikipédia, como a edição portuguesa, que actualmente tem um volume de cerca de 14 GB, cresçam mais rapidamente do que a versão inglesa, que tem um volume de cerca de 78 GB. Os motores de tradução irão acelerar a adaptação e o intercâmbio entre as barreiras linguísticas.

[v] O Google domina agora 93% das pesquisas online e a sua empresa-mãe Alphabet ocupa o terceiro lugar na lista de classificação da Forbes. https://forbes.uol.com.br/listas/2018/05/forbes-divulga-as-marcas-mais-valiosas-do-mundo-em-2018/

[vi] Por outro lado, nos países africanos lusófonos parece não haver bibliotecas digitais offline – com exceção das habituais bibliotecas pessoais bastante limitadas armazenadas nos dispositivos de estudiosos e intelectuais. O conhecimento sobre Wikis offline não parece ser muito comum. Pelo menos não conseguimos localizar nenhuma pista.

[vii] Através da plataforma KIWIX, uma grande variedade de produtos Wikipedia está agora disponível offline. Embora originalmente planejado para prisões e instalações educacionais, este plano provou ser extremamente prático para acesso em áreas “remotas”, bem como em regiões altamente desenvolvidas, por causa de seu acesso fácil, barato e muito rápido – a qualquer hora, em qualquer lugar. (https://www.kiwix.org/en/home/).

[viii] Mesmo em países onde os sistemas de pagamento móvel penetraram na maioria das regiões, como, por exemplo, no Quénia, estes sistemas baseiam-se em redes telefónicas e não na Internet, que ainda é desigual. O sistema de pagamento MPESA do Quénia é um bom exemplo do efeito positivo da rede. Uma vez que uma rede atinge uma certa densidade, torna-se necessário que a maioria dos actores se junte a ela.

[ix] A nova dinâmica que vai impulsionar “a internet das coisas” já está atraindo enormes investimentos e atenção. Com a crescente importância desta nova conectividade, as bases de dados off-line parecerão ainda mais obsolescentes do ponto de vista técnico.

[x] O movimento científico de acesso aberto é apenas um ramo de uma grande árvore que inclui sistemas operacionais livres e software livre – mas a maior parte do esforço parece ser dedicada à distribuição e acesso online gratuitos. Para um bom resumo do Acesso Aberto veja: https://en.wikipedia.org/wiki/Open_access.

[xi] Para o mundo online, algumas das maiores universidades (mais de 130 instituições parceiras) já oferecem acesso gratuito aos seus cursos (MOOC) através de plataformas online (edx.org). Só tem de ser paga a certificação. Estes cursos, que estão rapidamente ganhando grandes audiências, são no entanto limitados a usuários com acesso online funcional.


  •  
  •