O potencial da informação offline para a apropriação do conhecimento (Parte III de III)

0
  •  
  •  

Développeurs de logiciels au siège social d’Andela à Lagos ( Nigéria) Photo AndelaRotimi Okungbaye

Artigo escrito por investigadores do ISCTE-IUL.
Título original: O potencial da informação digitalizada offline para a produção, distribuição e apropriação do conhecimento humano
(Parte I/III; Parte II/III)

Ulrich Schiefer, Ana Larcher Carvalho, Alexandre Costa Nascimento [i, ii, iii]
Por dentro da África

Instituições que libertam o conhecimento

As universidades e outras instituições de ensino (superior) podem desempenhar um papel significativo na concessão de acesso online e offline à informação que foi acumulada e transmitida ao longo de muitas gerações, não só aos seus docentes e estudantes, mas também a um público interessado mais variado.

O seu papel pode ser múltiplo: são capazes de produzir, recolher, selecionar, estruturar, traduzir, transformar, validar, legalizar e distribuir informação muito para além das suas competências dentro dos seus sistemas fechados.

As universidades, mesmo em lugares remotos, geralmente têm acesso privilegiado à informação; têm também o conhecimento e a mão-de-obra para produzir informação científica através da investigação. Podem recolher e selecionar informação relevante através da Internet e de muitos outros canais, tais como as redes pessoais do seu corpo docente, que, na sua maioria, detêm pelo menos alguma informação digital. Eles podem estruturar a informação de acordo com as suas necessidades de ensino. Poderiam, por exemplo, estruturar a informação relevante para os exames de acesso e distribuí-la livremente a todos os interessados. Isto poderia melhorar consideravelmente a reserva para novos recrutas e alargar e, assim, melhorar a sua base de estudantes, facilitando a preparação dos candidatos agora excluídos por terem dificuldades em aceder a materiais relevantes para se prepararem para os exames.

Internamente, as universidades (e outras instituições) poderiam estruturar os materiais de estudo para seus cursos e fornecer seu currículo completo offline digital aos participantes. Uma vez que todos os cursos e outros programas educativos estão já estruturados, se não sempre da melhor forma, este seria um exercício bastante simples que poderia melhorar consideravelmente a qualidade dos cursos e criar condições equitativas para os estudantes com um acesso mais limitado às bibliotecas e outras fontes de informação. Também ajudaria muito o pessoal docente e nivelaria as disparidades regionais na qualidade dos cursos.

(Photo: © Arne Hoel / The World Bank)

Poderão igualmente traduzir os textos relevantes para línguas acessíveis aos seus alunos (e docentes). Isto é fácil de fazer com os novos motores de tradução disponíveis a baixo custo.

Da mesma forma, eles poderiam transformar informações relevantes em formas adequadas, como material didático, manuais do aluno, material de pesquisa e similares, e através de todos esses processos combinados validar informações[xii].

Uma vez que as instituições de ensino superior gozam de acesso privilegiado à utilização e difusão da literatura científica, o seu papel poderia também ser o de legalizar a utilização da informação; deste modo, as questões espinhosas que envolvem os direitos de autor e a propriedade intelectual poderiam ser resolvidas[xiii].

O seu papel, no entanto, não tem de ser limitado para atuar dentro dos limites estreitos dos sistemas fechados. Poderão alargar significativamente o seu papel de forma a fornecer informações científicas, técnicas e outras relevantes a outras instituições e ao público em geral.

O conteúdo pode ser empacotado de acordo com necessidades específicas e ser distribuído adequadamente. O que impede as universidades em áreas com acesso limitado à Internet de oferecer aos seus alunos a possibilidade de se inscreverem com os programas completos dos cursos em formatos digitalizados em meios digitais? Eles poderiam até mesmo fornecer-lhes um kit solar para fornecer a energia para seus dispositivos digitais.

Pacotes de informação especializados, tais como manuais para mecânicos, agricultores ou carpinteiros, podem beneficiar outros grupos profissionais. Neste contexto, os agentes de desenvolvimento de todos os tipos, através dos seus projetos de desenvolvimento que atingem populações que, na sua maioria, estão excluídas do acesso à Internet, poderiam desempenhar um papel significativo, produzindo e distribuindo informação digital relevante na maior parte das suas áreas de intervenção. A Wikipédia médica pode servir de exemplo. Ele poderia se tornar um acessório padrão nos smartphones de todo o pessoal médico, mas também de professores e outros. Os professores das escolas secundárias e primárias ganhariam certamente com pacotes de informação específicos, como por exemplo o desenvolvimento (rural) e atores similares.

Estas instituições podem também criar pontos específicos dedicados à entrega de informação, onde a informação pode ser copiada. Isto não requer instalações técnicas específicas, nem novos sistemas de distribuição, uma vez que as infraestruturas existentes, como escolas, lojas, mercados, etc., podem ser utilizadas.

Os sistemas de distribuição existentes para bens e mercadorias também podem ser utilizados – é preciso ver se e quais as forças de mercado que irão moldar os mecanismos de disseminação. As redes sociais também podem ser utilizadas para distribuir informações que, por sua vez, podem viajar para regiões com pouca ou nenhuma conectividade com a Internet. É de esperar que o intercâmbio direto de dados entre pares (peer-to-peer off-line) de informações científicas, técnicas e outras informações úteis se processe de forma informal, como já acontece para o entretenimento, como a partilha de vídeos e música.

Foto de Arquivo – PNUD África do Sul

Há também vastas oportunidades que se abrem para a iniciativa privada dentro e fora das economias formais que caracterizam muitos dos países do mundo em desenvolvimento. Como a informação digitalizada pode ser reproduzida sem erros, sem[xiv] grandes investimentos iniciais e a custos reduzidos, existe um limiar muito baixo para as empresas em fase de arranque. Estes devem poder prestar serviços a todos os tipos de instituições, bem como aos utilizadores finais de informação digital.

O génio está fora da garrafa – esperemos que apenas represente uma ameaça para o modelo empresarial de venda e controlo da informação científica e não para a própria ciência e produção de conhecimento. A experiência mostra que, quando as novas tecnologias podem ser colocadas para maus usos, elas são[xv]. Mas há sempre esperança de que o seu poder também possa ser bem utilizado.

Conclusões

Existe uma enorme necessidade de informação científica e técnica em áreas que não são cobertas pela Internet. As bases tecnológicas em rápido crescimento para a utilização da informação digitalizada chegam agora a populações até agora excluídas do mundo digital. Os dispositivos cada vez mais baratos necessários para a utilização da informação em formato digital estão agora disponíveis também para as pessoas cujo poder de compra limitado lhes permite adquirir dispositivos relevantes, como smartphones ou tablets e sistemas de energia solar fora de rede.

A queda dos custos de armazenamento, transmissão e utilização da informação digital é um fenómeno persistente e, muito provavelmente, irá continuar. Isto ajuda a transformar as necessidades reais de informação numa procura crescente de informação digitalizada. Isto abre novas oportunidades a muitos níveis para numerosos intervenientes.

Por um lado, os sistemas de ensino das regiões do mundo mais excluídas do acesso à Internet podem utilizar a informação digitalizada offline. Novos modelos terão de ser desenvolvidos e propagados em todos os níveis, desde o ensino primário ao ensino superior.

As administrações públicas e privadas em regiões não abrangidas pela Internet poderiam também beneficiar grandemente de um acesso sistémico à informação digital offline. Tal como as empresas privadas e os profissionais, bem como as pessoas simplesmente interessadas na informação para diferentes fins – nomeadamente para fins de estudo autônomo.

Isto também oferece oportunidades para iniciativas empresariais que podem encontrar mercados para a informação digital fora da Internet. Como os investimentos iniciais são muito baixos, isso também oferece oportunidades para start-ups nas regiões mais pobres do mundo.

Novos domínios abertos também a todos os intervenientes na cooperação internacional para o desenvolvimento, às agências internacionais e nacionais, bem como às organizações não-governamentais e da sociedade civil que, até à data, ignoraram na sua maioria as oportunidades e o potencial que a informação digitalizada offline proporciona.

Por último, mas não menos importante, a investigação científica é necessária para definir o potencial com mais detalhes, para desenvolver modelos e acompanhar os novos desenvolvimentos.

Bibliografia

Adorno, T. W. (2006). Teoria da meia formação (1. Aufl). Frankfurt am Main: Suhrkamp.

Brown, J. S., & Duguid, P. (2000). A Vida Social da Informação. Boston: Harvard Business Review Press.

Eliade, M. (1968). O Sagrado e o Profano: A Natureza da Religião (Sublinhando/ Destacando). San Diego: Mariner Books.

Foerster, H. von. (2008). KybernEthik (B. Ollrogge, trans.). Berlim: Merve.

Foucault, M. (1994). A Ordem das Coisas: Uma Arqueologia das Ciências Humanas (Reissue). Nova Iorque: Vintage.

Held, K., & Husserl, E. (1986). Phenomenology of the living world: Selected texts, 2nd Stuttgart: Reclam, Philipp, jun. GmbH, Verlag.

Hughes, L. M. (2012). Avaliar e medir o valor, uso e impacto das coleções digitais. Obtido em http://public.eblib.com/choice/publicfullrecord.aspx?p=1167438

Humboldt, W. von. (1999). Todos os trabalhos. R M Livro e mídia/ Mundus.

Hüther, G. (2010). Manual de instruções para um cérebro humano (10.). Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht.

Jaspers, K., & Jaspers, K. (2017). A origem e o objetivo da história (K. Salamun, T. Fuchs, J. Halfwassen, & R. Schulz, eds.). Basileia: Editora Schwabe.

Jullien, F. (2002). Lidar com a eficiência. O Livro de Bolso.

Jullien, F. (2004). Um tratado sobre eficácia: entre o pensamento ocidental e o chinês. Honolulu: Imprensa da Universidade de Hawai’i.

Krautz, J. (2014). Educação em bens: escola e universidade sob os ditames da economia (4ª edição). Munique: Diederichs.

Lanier, J. (2018). Dez argumentos para excluir suas contas de mídia social agora mesmo (Primeira edição). Nova Iorque: Henry Holt and Company.

Liessmann, K. P. (2014). A teoria do analfabetismo: os erros da sociedade do conhecimento (8ª edição, edição integral). Munique: Piper.

Münch, R. (2009). Elites globais, autoridades locais: Educação e ciência sob o regime do PISA, McKinsey & Co (1ª edição). Frankfurt am Main: Suhrkamp.

Needham, J. (1956a). Ciência e Civilização na China: Volume 1, Orientações Introdutórias (Primeira Edição, Terceira Impressão). Cambridge: Imprensa da Universidade de Cambridge.

Needham, J. (1956b). Ciência e Civilização na China: Volume 2, História do Pensamento Científico. Cambridge: Imprensa da Universidade de Cambridge.

Newman, J. H., & Turner, F. M. (1996). A ideia de uma universidade. New Haven: Yale University Press.

Palmer, C. L. (2005). Trabalho acadêmico e a formação do acesso digital. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 56(11), 1140-1153. https://doi.org/10.1002/asi.20204

Robinson, L., Cotten, S. R., Ono, H., Quan-Haase, A., Mesch, G., Chen, W., … Stern, M. J. (2015). As desigualdades digitais e a sua importância. Informação, Comunicação e Sociedade, 18(5), 569-582. https://doi.org/10.1080/1369118X.2015.1012532

Slate, U. (2002). Abandonado por todos os bons espíritos? Guiné-Bissau: Política de desenvolvimento e colapso das sociedades africanas (1ª ed.). Hamburgo: Instituto de Estudos Africanos.

Sedlacek, T., & Havel, V. (2011). Economics of Good and Evil: The Quest for Economic Meaning from Gilgamesh to Wall Street (1 edição). Oxford ; Nova Iorque: Oxford University Press.

Sigrist, C. (1994). Anarquia regulada: Estudos sobre a ausência e emergência do domínio político nas sociedades segmentares em África (3ª edição). Hamburgo: publicação europeia

Sloterdijk, P. (2011). Temperamentos filosóficos: De Platão a Foucault (2ª ed.). Munique: Pantheon Verlag.

Sreenivasulu, V. (2013). O papel de um bibliotecário digital na gestão de sistemas de informação digital (DIS). A Biblioteca Eletrônica. https://doi.org/10.1108/02640470010320380

Suleman, H. (2010). Interoperabilidade em Bibliotecas Digitais. Obtido em http://pubs.cs.uct.ac.za/archive/00000680/

Warwick, H. (2014). Tácticas radicais da biblioteca offline. Amesterdão: Inst. de Culturas em Rede.

Wilhelm, R. (2012). Filosofia Chinesa: Uma Introdução. Marixverlag.

Witten, Ian H. (2002). Como construir uma biblioteca digital usando software de código aberto. Actas da Segunda Conferência Conjunta ACM/IEEE-CS sobre Bibliotecas Digitais – JCDL ’02, 416. https://doi.org/10.1145/544220.544365

Witten, I.H., McNab, R.J., Jones, S., Apperley, M., Bainbridge, D., & Cunningham, S. J. (1999). Gerenciando a complexidade em uma biblioteca digital distribuída. Computador, 32(2), 74-79. https://doi.org/10.1109/2.745723


[i] Isto não implica que as sociedades sejam monoglotas. Na África rural, por exemplo, as Sociedades Agrárias não estão limitadas a um idioma. Muitas pessoas falam poucas línguas, e para eventos oficiais podem ser chamados intérpretes especializados (Schiefer, 2002).

[ii] Veja por exemplo: https://translate.google.com/ ou o site mais recente que fornece traduções de qualidade muito maior: https://www.deepl.com/en/translator.

[iii] Um desenvolvimento paralelo pode ser visto no progresso das “linguagens de máquina” originais necessárias para interagir com computadores, para o software, tanto os sistemas operacionais quanto as aplicações, que são cada vez mais convergentes para produzir interfaces de usuário que transcendem fronteiras culturais e linguísticas.

[iv] É de esperar que as versões mais pequenas da Wikipédia, como a edição portuguesa, que actualmente tem um volume de cerca de 14 GB, cresçam mais rapidamente do que a versão inglesa, que tem um volume de cerca de 78 GB. Os motores de tradução irão acelerar a adaptação e o intercâmbio entre as barreiras linguísticas.

[v] O Google domina agora 93% das pesquisas online e a sua empresa-mãe Alphabet ocupa o terceiro lugar na lista de classificação da Forbes. https://forbes.uol.com.br/listas/2018/05/forbes-divulga-as-marcas-mais-valiosas-do-mundo-em-2018/

[vi] Por outro lado, nos países africanos lusófonos parece não haver bibliotecas digitais offline – com exceção das habituais bibliotecas pessoais bastante limitadas armazenadas nos dispositivos de estudiosos e intelectuais. O conhecimento sobre Wikis offline não parece ser muito comum. Pelo menos não conseguimos localizar nenhuma pista.

 

[vii] Através da plataforma KIWIX, uma grande variedade de produtos Wikipedia está agora disponível offline. Embora originalmente planejado para prisões e instalações educacionais, este plano provou ser extremamente prático para acesso em áreas “remotas”, bem como em regiões altamente desenvolvidas, por causa de seu acesso fácil, barato e muito rápido – a qualquer hora, em qualquer lugar. (https://www.kiwix.org/en/home/).

[viii] Mesmo em países onde os sistemas de pagamento móvel penetraram na maioria das regiões, como, por exemplo, no Quénia, estes sistemas baseiam-se em redes telefónicas e não na Internet, que ainda é desigual. O sistema de pagamento MPESA do Quénia é um bom exemplo do efeito positivo da rede. Uma vez que uma rede atinge uma certa densidade, torna-se necessário que a maioria dos actores se junte a ela.

[ix] A nova dinâmica que vai impulsionar “a internet das coisas” já está atraindo enormes investimentos e atenção. Com a crescente importância desta nova conectividade, as bases de dados off-line parecerão ainda mais obsolescentes do ponto de vista técnico.

[x] O movimento científico de acesso aberto é apenas um ramo de uma grande árvore que inclui sistemas operacionais livres e software livre – mas a maior parte do esforço parece ser dedicada à distribuição e acesso online gratuitos. Para um bom resumo do Acesso Aberto veja: https://en.wikipedia.org/wiki/Open_access.

 

[xi] Para o mundo online, algumas das maiores universidades (mais de 130 instituições parceiras) já oferecem acesso gratuito aos seus cursos (MOOC) através de plataformas online (edx.org). Só tem de ser paga a certificação. Estes cursos, que estão rapidamente ganhando grandes audiências, são no entanto limitados a usuários com acesso online funcional.

[xii] O projeto COREECON pode servir como um bom exemplo online para fornecer material completo de ensino e estudo de economia – talvez possa ser usado na distribuição offline? (https://www.core-econ.org/).

[xiii] A informação científica disponível gratuitamente em plataformas como a academia.edu, a researchgate.net ou a ssoar.info não deve levantar problemas. Uma cooperação com editores online relevantes poderia resolver os problemas de acesso a materiais protegidos por direitos autorais. Outras soluções também foram propostas (Warwick, 2014), mas provavelmente não se encaixarão nos contextos institucionais.

[xiv] Este não era um dado adquirido quando os manuscritos ainda eram laboriosamente copiados à mão; mesmo a composição do texto era cara e longe de estar livre de erros.

[xv] Para uma voz crítica ver: Jaron Lanier, que em seu livro “Ten Arguments for Deleting Your Social Media Accounts Right Now” coloca o modelo de negócio digitalizado firmemente como uma causa para a dimensão negativa das grandes empresas de internet. Ele chama-lhes “Bummer”: (Comportamentos do Usuário Modificados, e Transformados em um Império para Aluguel”. (Lanier, 2018).

 


  •  
  •