•  
  •  

Eleição presidencial de 1994 - Arquivo Mandela
Eleição presidencial de 1994 – Arquivo Mandela

Por dentro da África

Ex-presidente da África do Sul e Prêmio Nobel da Paz de 1993, Nelson Rolihlahla Mandela governou o país de 1994 a 1999. Até 2009, ele havia dedicado 67 anos de sua vida a serviço da humanidade – como advogado dos direitos humanos e prisioneiro até tornar-se o primeiro presidente negro da África do Sul democrática. Nascido em 1918, dentro de uma cultura tribal, ele deixou a sua cidade Mvezo, aos 23 anos, rumo a Joanesburgo para iniciar sua atuação política.

Conheça a cidade onde Nelson Mandela cresceu

Ele foi o mais forte símbolo da luta contra o regime segregacionista do Apartheid, sistema de segregação racial que dividiu oficialmente a África do Sul de 1948 a 1994.

Mandela é de origem xhosa, um dos grupos étnicos que compõem a África do Sul. Sobre sua aldeia natal ele escreveu, na autobiografia, que “era um lugar distante, um pequeno distrito afastado do mundo dos grandes eventos, onde a vida corria da mesma forma como há centenas de anos”. Ele foi um dos 13 filhos de Nkosi Mphakanyiswa Gadla Mandela com Nosekeni Fanny, a terceira esposa de seu pai.

Universidade

Criada em 1916, Fort Hare foi a primeira universidade da África do Sul a ministrar cursos para negros. Por lá, Mandela fez muitos amigos com quem mais tarde formaria o núcleo de comando do Congresso Nacional Africano. Foi também onde ele travou contato com a cultura clássica ocidental chegando a interpretar John Wilkes Booth, assassino de Abraham Lincoln.

Mandela em 1961 - Foto: Eli WeinbergNa capital, trabalhou como vigia numa mina e foi despedido. Era visto pelas famílias que o abrigavam como “imprestável”, até que finalmente teve seu primeiro encontro com Walter Sisulu, em 1941, que mudaria definitivamente sua vida. Sisulu ofereceu a Mandela um emprego de assistente na banca de advogados judeus Witkin, Sidelsky & Eidelman – únicos que até então contratariam um negro para esse trabalho. Ele continuou os estudos no Bacharelado em Artes (BA) pela Universidade da África do Sul, em 1942, mesmo ano em que frequentava informalmente as reuniões do CNA. Em 1943, ingressou no curso jurídico da Universidade de Witwatersrand, onde se graduou.

Junto a Oliver Tambo, inaugurou o primeiro escritório de advocacia negro do país. Durante o trabalho, ele descobriu como a justiça beneficiava os brancos, um dos motivos do seu ingresso no Congresso Nacional Africano.

Vida política

Em 1951 Mandela foi eleito presidente da ANCYL, e no ano seguinte, presidente do CNA (Congresso Nacional Africano) na província de Transvaal, o que o colocou como vice-presidente nacional da instituição. No ano de 1950, novas leis segregacionistas foram impostas pelo governo, numa ação que levou à tomada de terras de negros, mestiços e indianos; como consequência, mais de cinquenta mil negros que moravam em Sophiatown e Joanesburgo foram desalojados em 1953.

Em 26 de junho de 1952 teve início a Campanha de Desafio, com o Dia do Protesto, e Mandela se tornou no porta-voz e chefe nacional. Por todo o país os negros foram convidados a usarem os espaços reservados aos brancos – em banheiros, escritórios públicos, correios, etc. Em 1953, em Sophiatown, Mandela disse que os tempos da resistência passiva haviam passado. Em 1955,  no CNA, sob a presidência do Chefe Albert Luthuli, um zulu, junto a Mandela e Walter Sisulu, foi criado o Congresso do Povo, com o objetivo de unir todos os não-brancos, vitimados pelo sistema racista que se instalara no país.

Vida familiar 

Arquivo - Nelson Mandela FoundationEm 1944, Mandela se casou com Evelyn Mase, uma jovem parente de Walter Sisulu, com quem teve quatro filhos. A união foi desfeita em 1956, um ano antes de ele conhecer Winifred Zanyiwe Madikizela, com quem teve duas filhas. Eles se casaram quando ela tinha 22 anos e, ele, dezesseis a mais do que ela. Em 8 de abril de 1960, o CNA foi proibido de atuar, e Mandela ficou preso até o ano seguinte, quando passou para a clandestinidade. Em 1998, ele se casou com Graça Machel, ex-mulher do revolucionário moçambicano Samora Machel.

Militarização 

Em resposta ao movimento ao Massacre de Sharpeville (onde mais de 60 pessoas morreram, em março de 1960), Nelson Mandela criou, em 1961, Umkhonto we Sizwe –Lança de uma Nação” – também conhecido pela sigla “MK”, um braço armado do CNA no entendimento de que o apartheid não mais poderia ser combatido com a não-violência. Segundo o próprio Mandela, a instituição não poderia ser o começo de um militarismo.

O prisioneiro 46664

Arquivo - Nelson Mandela FoundationEnviado para a prisão da Ilha Robben, na Cidade do Cabo, ele ocupava a cela de número 466/64, que tem as dimensões de 2,5 por 2,1 metros e uma pequena janela de 30 cm. As visitas da esposa Winnie eram raras: de 1958 até 1985 ela sofreu por vinte e quatro vezes prisões, ordens de restrição, banimento e proibições – como em 1974, onde ficou banida na vila de Brandfort. Mandela também não teve permissão de ver suas filhas Zinzi e Zenani enquanto elas tinham de 2 a 16 anos.

Em 1982, o ex-presidente foi transferido junto com outros companheiros para a Prisão de Pollsmor. A mudança para Pollsmoor foi um avanço considerável: situado no subúrbio da Cidade do Cabo, a família poderia visitá-lo mais facilmente. Ele e os companheiros Sisulu, Kathrada, Raymond Mhlaba e Andrew Mlangeni passaram a ocupar juntos uma imensa cela. Mesmo prisioneiro, Mandela foi homenageado mundo afora. Em junho de 1983, ele recebeu o doutorado em Direito por seu “compromisso altruísta para com os princípios de liberdade e justiça” pelo City College de Nova Iorque. Seis anos depois, foi novamente transferido para um presídio de segurança mínima – a Prisão de Victor Verster.

Liberdade 

Arquivo Nelson Mandela Foundation Em 1984, o governo pressionou Winnie com a proposta de soltar Mandela e seus companheiros, desde que todos assumissem o compromisso de viverem exilados no bantustão de Umtata. Sem saída, o governo negociou com o CNA e teve em Mandela o interlocutor perfeito: distante do radicalismo de outros líderes, com nível superior e fluente em afrikanner.

Inicialmente, ele se recusou a falar com o então presidente, Pieter Willem Botha. Em fevereiro de 1985, ele emitiu a declaração: “Quem deve renunciar à violência é o Botha. Que diga que vai acabar com o apartheid“. Em 1989 Botha o recebeu em sua casa e ambos descobrem ter muito em comum. Pouco tempo depois, contudo, a saúde do presidente decai, e Frederik de Klerk assume seu lugar nas negociações.

Em 11 de fevereiro de 1990, Mandela, finalmente, foi  solto. Nos encontros públicos, ele gritava: “Amandla!” (“Poder!), e a multidão respondia: – “Awethu!” (“Para o povo!“). Em julho de 1991, ele foi eleito presidente do CNA, e, em 1993, o Prêmio Nobel da Paz junto com o então presidente de Klerk.  As eleições ocorreram de 26 a 28 de abril de 1994 e Mandela foi eleito o primeiro presidente negro do país reunindo (pelo CNA) 62% dos votos.

Por dentro da África


  •  
  •