Vice-presidente do Quênia declara inocência em audiência no TPI

0
238

William Ruto - Quenia - Foto: AfricaTimeRio – Acusado de ter cometido crimes contra a Humanidade, o vice-presidente do Quênia, William Ruto, declarou inocência durante a audiência desta terça-feira no Tribunal Penal Internacional em Haia, na Holanda.

Ruto e o presidente do país Uhuru Kenyatta (cuja audiência está marcada para novembro) são acusados de incitar a onda de violência após as eleições presidenciais de dezembro de 2007 e de planejar assassinatos.

O episódio deixou um triste saldo de cerca de 1.100 mortos, 3.500 feridos e até 600 mil deslocados, segundo as Nações Unidas.

Leia mais: O TPI e os “senhores da guerra na África”

São julgados pelo TPI apenas os seus Estados-membros que tenham cometido crimes de guerra, que inclui a maior parte das violações graves do Direito Internacional Humanitário mencionadas nas Convenções de Genebra como o genocídio (praticado com intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso).

Leia mais: Manipulações e inverdades sobre o TPI

Poucos dias antes do início do julgamento, na última quinta-feira, o Parlamento queniano decidiu que o país deveria deixar o quadro da Corte Internacional de Haia.

Por dentro da África