Conflitos deixam centenas de mortos na República Centro-Africana

0
73
Civis deslocados na República Centro-Africana (RCA) encontram abrigo em uma igreja na capital Bangui. Foto: ACNUR/L. Wiseberg
Civis deslocados na República Centro-Africana (RCA) encontram abrigo em uma igreja na capital Bangui. Foto: ACNUR/L. Wiseberg

Londres – A situação humanitária na República Centro-Africana (RCA) está se deteriorando, com 450 pessoas mortas na capital Bangui e 159 mil expulsas de suas casas apenas na semana passada, segundo as Nações Unidas. Também na última semana, chegou à capital o maior transporte aéreo de abastecimento de emergência desde que a violência teve início.

– Muito mais será necessário… Pedimos outra vez a todas as partes que deixem a ajuda humanitária passar e para que protejam os civis – disse o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Adrian Edwards, em uma reunião em Genebra de atualização sobre o país de 4,6 milhões de pessoas.

– Sérias violações aos direitos humanos estão sendo cometidas no terreno religioso, assim como o saque a destruição de propriedades – relatou a porta-voz do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Ravina Shamdasani.

A situação também está tensa em outras cidades como Bouca, Bossangoa e Bozoum, onde um ciclo vicioso de ataques e represálias continua, com o relato da morte de 27 muçulmanos por milícias de auto-defesa conhecidos como anti-Balaka, no vilarejo de Bohong nessa quinta-feira.

Segundo o porta-voz do ACNUR, 38 mil pessoas estão no aeroporto de Bangui sem latrinas, instalações de lavatório e abrigo da chuva e do sol, enquanto outros 12 mil procuraram abrigo na igreja de St. Joseph Mukassa, com apenas um ponto de água.

O número de refugiados que fugiram para países vizinhos ao longo da semana está aumentando, com 1.800 chegando na República Democrática do Congo (RDC), alguns após andar 200 km por muitos dias, através da floresta, com seus filhos. Há, no momento, cerca de 47 mil refugiados centro-africanos na RDC.

Ban faz apelo pessoal no rádio para acabar com ‘derramamento de sangue’

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, usará o rádio para fazer um apelo pessoal aos cidadãos da República Centro-Africana para ajudar a pôr um fim no derramamento de sangue que atinge o país. A mensagem de Ban também alerta que os autores serão responsabilizados por crimes cometidos.

– Estou profundamente preocupado com o que está acontecendo em seu país e eu quero falar com vocês pessoalmente. Muitas pessoas estão com medo e o país está à beira da ruína. Faço um apelo a todos para seguir o caminho da paz. O derramamento de sangue deve parar. Não permita que as vozes do ódio semeiem a divisão que não existia antes. Seja qual for a sua fé ou história, você compartilha a mesma história e o mesmo futuro.

No início deste mês, o Conselho de Segurança autorizou uma força de paz liderada pelos africanos e apoiada pelos franceses para conter a violência.

Com informações da ONU