ONU diz que situação em Darfur ainda é marcada pela insegurança

0
87

A Sudanese woman and children in Fanga Suk in East Jebel Marra, South Darfur. UN Photo/Olivier ChassotRio – A situação de Darfur, no Sudão, é marcada por poucos avanços no processo de paz, segurança preocupante e necessidade constante de assistência humanitária disseram representantes das Nações Unidas e da União Africana nesta quarta-feira ao Conselho de Segurança da ONU.

– A situação de segurança em Darfur e as ameaças à UNAMID e a trabalhadores humanitários continuam sendo uma preocupação séria – disse o chefe da Missão Conjunta da União Africana e das Nações Unidas para Darfur (UNAMID), Mohammed Ibn Chambas. Os conflitos intertribais – que continuam assombrando a região, deixando um grande número de vítimas civis, causando deslocamentos em massa e uma consistente tragédia humanitária – complicam ainda mais a situação, acrescentou Chambas.

Em seu último relatório ao Conselho de Segurança, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, observou que a principal fonte de insegurança que atualmente afeta várias partes de Darfur é a luta entre as comunidades. “A intensidade e o terrível impacto na população civil, que incluiu o deslocamento de 166 mil pessoas nos últimos três meses, tem sido agravada por causa da prevalência de armas e da participação de milícias lutando em prol de seus filiados tribais”, disse Ban.

Em relação ao processo de paz, Chambas informou que permanece comprometido com os movimentos rebeldes que ainda têm que assinar o Documento de Doha para a Paz em Darfur – que constitui a base para um cessar-fogo permanente e um amplo acordo de paz para acabar com o conflito – em uma tentativa de encontrar um terreno comum para o avanço do processo de paz. Atualmente, o Governo sudanês e dois dos principais grupos rebeldes assinaram o documento – o Movimento de Libertação e Justiça e o Movimento Justiça e Igualdade.

O subsecretário-geral para Operações de Paz, Hervé Ladsous, observou que além dos desafios da Missão de fornecer segurança e funcionários de ajuda, agora, a necessidade de proteção e assistência humanitária entre a população aumentou. A proteção civil é um mandato fundamental da UNAMID, que foi criada pelo Conselho de Segurança há cinco anos para ajudar a conter o sofrimento em Darfur, onde cerca de 300 mil pessoas morreram desde 2003 por causa dos conflitos.

– Apesar das circunstâncias desafiadoras, a UNAMID permanece firme em seu compromisso de fornecer a proteção que é tão necessária aos civis, facilitar a entrega de ajuda e prestar apoio ao processo de paz – disse Ladsous.

Com informações da ONU