Em comunicado, governo do Sudão nega libertação de cristã condenada à morte

1
52
Divulgação

Por dentro da África

Rio – Após a repercussão sobre a possível libertação da cristã condenada à morte por sua religião, o governo do Sudão negou que Mariam Ibrahim seja libertada nos próximos dias. O comunicado foi emitido após a declaração do sub-secretário do Ministério das Relações Exteriores Abdullah al- Azraq, que disse à imprensa, no último sábado, que “Mariam Ibrahim deveria ser libertada nos próximos dias diante de medidas da Justiça”. O governo afirmou que a libertação de Mariam depende exclusivamente da decisão Justiça do país a partir de um recurso a ser aceito pelo tribunal.

A sudanesa de 27 anos deu à luz uma menina na terça-feira em uma prisão feminina na cidade de Cartum, capital do Sudão. O marido, Daniel Wani, visitou Ibrahim e o bebê na quinta-feira, depois de ter sido negado o seu acesso no início da semana.

Conheça a história aqui Sudanesa é condenada à morte por ser cristã. Sentença estimula o debate sobre a Sharia

Há três semanas, um tribunal de Cartum (capital do Sudão) condenou Mariam à morte por ter renegado o islamismo em nome do cristianismo. Mãe de um menino de 1 ano e meio, Meriam afirma que é cristã, mas o tribunal insiste que ela é de origem muçulmana e que teria renegado a sua religião.

A Sharia (código de leis islâmicas baseadas no Alcorão), que vigora no país, não reconhece o casamento de uma muçulmana com um cristão. Por isso, o governo a condenou a 100 chibatadas pelo crime de “adultério” (por ter casado com um cristão). O tribunal deu a ela um período para “retratar a fé”, algo que Mariam se recusou a fazer. Por esse “crime” (que o Tribunal chamou de apostasia – abandono ou negação da fé. Lembrando que Mariam nunca foi muçulmana), ela foi condenada à morte por enforcamento.

Por dentro da África

1 COMMENT