Carta do leitor: “Temos que garantir que o continente e o seu povo permaneçam no centro das atenções”

2
140

Foto: Virginia Maria Yunes – Burundi

Por Russ Gelbart, na África do Sul

(Escrito em outubro de 2014. Tradução de inglês para português)

Cidade do Cabo – Da África do Sul, eu consegui ver o site traduzido em algumas linhas e percebi que, realmente, é um site fantástico e fornece uma grande visão sobre o continente, com alguns excelentes relatórios em questões específicas, diferentes culturas e práticas controversas que pouco ou quase nunca ouvimos falar.

Natalia, você tem feito um trabalho notável em algumas condições muito difíceis, e eu estou orgulhoso de você! Talvez um dia eu comece a fazer algo tão construtivo como este, especialmente a partir de uma perspectiva humanitária pela qual eu sou realmente apaixonado.

Muitos vivem uma vida tão simples e um estilo de vida que é voltado principalmente para a sobrevivência, mas, muitas vezes, incorporam à família bons valores que são admiráveis e estão em falta na sociedade moderna. Vemos isso na maioria do Terceiro Mundo e em países em desenvolvimento, que são amplamente ignorados pelo Estado depois de tantas promessas não cumpridas e vazias.

O fosso entre a maioria pobre e a minoria rica continua a crescer, com oportunidades e empregos limitados. Corrupção e nepotismo continuam a assolar as escalas governamentais e locais. Esta ganância e fome de poder têm se infiltrado nas próprias instituições e funcionários públicos eleitos pelas massas. Infelizmente, este é um tema comum na África e em muitos lugares ao redor do mundo, incluindo o Brasil.

obama‘Esperança’ ‘Change’ ‘Sim, nós podemos’! Havia um par de palavras e frases cogitadas na campanha eleitoral de Barack Obama de 2008, mas esses chamados precisam ser apoiados neste continente através de ações e apoios reais.

Um continente que tem sido devastado por conflitos e guerras, um continente cujas pessoas foram privadas por líderes corruptos, algemadas por ditadores, e dilacerado por senhores da guerra. Um continente negligenciado e ignorado por muito tempo pela comunidade internacional.

Talvez a maré comece a mudar? Essa tendência poderá ser revertida? Será que superpotências internacionais continuam a explorar este continente por seus recursos, ou, finalmente, a se unir e a fazer alguma mudança sustentável? Infelizmente, a economia, muitas vezes, dita a política, mas esta ainda pode ser a nossa graça salvadora.

Foto: Virginia Maria Yunes – Burundi

Mais investimento e um grande negócio se movendo para a África vão ajudar com o desenvolvimento social e educação, cuidados de saúde, postos de trabalho e infraestrutura? Com lotes de dinheiro na mão, grandes empresas multinacionais procuram novas oportunidades e mercados em crescimento.

Um rápido crescimento e aumento do PIB para a África, um consumidor fresco emergente olhando para entrar no mercado para novos e melhores produtos e serviços. Um mercado que é largamente inexplorado e, como resultado, poderia garantir um retorno sobre o investimento.

Um dos maiores obstáculos e desafios para este continente é o de assegurar uma mudança real para as pessoas, garantir que os líderes sejam responsabilizados por suas ações e que a governança seja transparente.

Egito - ONU
Egito – ONU

Em alguns países, principalmente no norte da África, como Tunísia e Egito (na Primavera Árabe), o uso da mídia social, em certa medida, ajudou o público a resistir e, eventualmente, a derrubar ditadores, efetuando a mudança. No entanto, temos visto uma mudança real e qualquer progresso fundamental e significativo nestes países?

Na maioria dos países africanos, o uso da mídia social é uma noção estranha e estrangeira, e muito menos a capacidade de acessar que, em países desenvolvidos e mercados emergentes fortes, é quase um direito.

Como podemos canalizar fundos de investimento nas mãos certas e evitar o desvio de fundos, e abuso de poder? Como podemos garantir que grandes empresas multinacionais cumpram a obrigação de ajudar com o desenvolvimento social e seus moradores?

Marcha contra a FGM - Nairobi - Natalia da Luz
Marcha contra a FGM – Nairobi – Natalia da Luz

Como podemos educar as massas e ajudar a resolver questões como a circuncisão feminina forçada e um governo que irá impor a pena de morte por ser gay? (Temas que você aborda) Como podemos ter certeza de que todos os habitantes deste belo continente serão capazes de acender uma luz na escuridão, de beber um pouco de água fresca e limpa para satisfazer sua sede, de se alimentar, de se vestir e de se proteger com um abrigo que possa chamar de casa e ter um sentimento de pertença?

Como podemos ajudar os doentes, os feridos e qual será a melhor forma de introduzir cuidados de saúde acessíveis tornando os medicamentos disponíveis para ajudar na luta contra a malária, tuberculose, entre outros?

Uma maneira é criar consciência. A garantia de que a situação deste continente e do seu povo permaneçam no centro das atenções ou o mais próximo possível dela. Identificar todos os diferentes problemas e questões que afligem o continente ao longo de décadas.

Podemos fazer isso dirigindo a mensagem para público com uma base consistente. Envolvendo e aproximando ONGs, setor privado e público para ajudar de qualquer maneira possível. Constantemente, olhando para investigar e aprender o continente, sondando para mais, interagindo com os moradores locais e absorvendo o feedback.

Arquivo - Nelson Mandela FoundationNeste país africano, perdemos um herói, um ícone, e seu nome era Nelson Mandela. Ele foi reverenciado de tal forma que ele era mais do que um herói sul-africano, ele era um herói africano, ele mesmo se tornou um ícone global. Mandela fez a diferença, ele fez uma diferença positiva. Ele permaneceu humilde e manteve a sua dignidade e sempre manteve sua integridade, mas acima de tudo para o benefício do povo.

E aqui está você, de nacionalidade brasileira, que tem tido um interesse em nossa terra e dedica uma parte substancial do seu tempo e da vida jovem para pesquisar e investigar as profundezas deste continente muito cru, mas naturalmente rico e bonito.

Este se tornou o seu trabalho. O ganho pessoal, certamente, não está em seu bolso e na forma de dinheiro, mas em sua alma e espírito. Como africano nascido nesta terra, gostaria de agradecer por suas melhores intenções. Desejo que você e equipe do ‘Inside Africa – Por dentro da África’ avancem para que este trabalho possa criar consciência e interesse público, para que possa efetuar alguma mudança real e fundamental.

Abraços da Cidade do Cabo

Russ Gelbart, outubro de 2014

 


2 COMMENTS