África do Sul: Winnie Mandela morre aos 81 anos

0
150

Winnie durante encontro do ANC, em dezembro de 2017 - Foto de Ihsaan Haffejee
Winnie durante encontro do ANC, em dezembro de 2017 – Foto de Ihsaan Haffejee

Com informações de SA History

Winnie Mandela, ativista sul-africana que lutou contra o apartheid, morreu aos 81 anos nesta segunda-feira (2), em um hospital em Joanesburgo, onde estava internada. Winnie foi casada e teve dois filhos com Nelson Mandela (falecido em 2013).

‘Mesmo nos momentos mais sombrios de nossa luta pela libertação, Winnie era um símbolo permanente do desejo de nosso povo de ser livre. No meio da repressão, ela era uma voz de desafio e resistência. Em face da exploração, ela era uma defensora da justiça e da igualdade”, disse o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Nascida em um vilarejo de Bizana, no nordeste do país, Winnie se mudou para Joanesburgo em 1953. Após se formar em Serviço Social, ela iniciou, em 1955, a carreira de assistente social em um hospital em Joanesburgo.

Aos 22 anos, Winnie conheceu Nelson Mandela, 16 anos mais velho do que ela. Na ocasião, em 1957, Mandela já era uma figura famosa e um dos principais réus no julgamento de traição, que havia começado no ano anterior. Apesar das restrições do governo, Winnie e Nelson se casaram em 14 de junho de 1958. A celebração atraiu o interesse nacional.

Arquivo SA History - Winnie Mandela
Arquivo SA History – Winnie Mandela

Em outubro de 1958, Winnie participou de uma manifestação que mobilizou mulheres contra leis do governo segregacionista (o apartheid durou de 1948 até 1994, quando a África do Sul experimentou sua primeira eleição democrática). Durante esse protesto em Joanesburgo, a polícia prendeu cerca de 1.000 mulheres.

Em 5 de agosto de 1961, a polícia prendeu Mandela enquanto ele dirigia de Durban para Joanesburgo. Aquele foi o início da detenção de 27 anos do maior líder sul-africano e Nobel da Paz de 1994.

Com Mandela na prisão, a polícia emitu uma ordem de proibição para ela, em 28 de dezembro de 1962, o que a impedia de entrar em qualquer estabelecimento educacional e de participar ou dirigir-se a qualquer reunião que houvesse mais de duas pessoas presentes.

Em 1965, uma nova e mais severa ordem de proibição foi entregue a Winnie. Anteriormente, sua ordem de proibição havia limitado seus movimentos do “anoitecer até o amanhecer”, mas esse novo documento impedia que ela se mudasse para outro lugar que não fosse seu bairro de Orlando West. Isso teve várias ramificações, incluindo a necessidade de ela desistir de seu trabalho como assistente social.

Arquivo SA History - Winnie Mandela
Arquivo SA History – Winnie Mandela

Em 2 de fevereiro de 1990, o então presidente FW De Klerk usou a abertura do parlamento para desbanir o ANC (Congresso Nacional Africano) junto com 31 outras organizações. Prisioneiros políticos que não haviam cometido crimes violentos deveriam ser libertados e as execuções de prisioneiros no corredor da morte deveriam cessar.

Além disso, em uma jogada importante, Nelson Mandela seria libertado da prisão. Pouco mais de uma semana depois, em 11 de fevereiro, Nelson saiu da Prisão de mãos dadas com Winnie para uma recepção de centenas de milhares de apoiadores. O casal finalmente se reuniu depois de quase 30 anos de separação. Em 1996, eles se divorciaram.

Veja o especial sobre Mandela em Por dentro da África

“Ela manteve viva a lembrança do marido, Nelson Mandela, preso durante 27 anos e ajudou a dar à luta pela justiça na África do Sul um dos seus rostos mais conhecidos”, disse, nesta segunda-feira, a família em comunicado à imprensa.

Arquivo SA History – Winnie e Nelson Mandela

Denúncias

Desde o fim do apartheid, surgiram muitas denúncias contra Winnie. Em 2001, ela foi acusada de fraude e roubo e condenada a cinco anos de prisão. Ela recorreu e, em 2004, foi absolvida das acusações de roubo, mas não das de fraude, e teve suspensa a pena de três anos e seis meses de cadeia.