Milhares de refugiados recebem ajuda humanitária no Sudão do Sul

0
64

Mulheres deslocadas no Condado de Pariang seguem rumo aos seus abrigos após receberem assistência humanitária do ACNUR e seus parceiros. Foto: ACNUR/ D.S.Majak
Mulheres deslocadas no Condado de Pariang seguem rumo aos seus abrigos após receberem assistência humanitária do ACNUR e seus parceiros. Foto: ACNUR/ D.S.Majak

Pariang, Sudão do Sul – A agência de refugiados da ONU, ACNUR, e seus parceiros têm distribuído ajuda durante a última quinzena para mais de 11 mil pessoas deslocadas forçadamente em Pariang County, no Sudão do Sul, uma das áreas mais afetadas pelos combates que eclodiram desde dezembro no país.

A ONU estima que o número de deslocados nos sete distritos de Pariang, que está localizado dentro de Unity, seja de cerca de 20.000. “Até agora nós distribuímos ajuda para 11.482 pessoas deslocadas e esperamos poder ajudar o restante (dos 20.000) até o final deste mês”, disse Cleophas Mubangizi, chefe do sub-escritório do ACNUR em Jam Jang em Unity.

“Foi necessário que respondêssemos rapidamente para ajudar as pessoas de Pariang a recomeçar suas vidas”, enfatizou o assistente do ACNUR Gilbert Anyama. Ele disse que a ajuda distribuída pela agência da ONU foi retirada dos estoques dos acampamentos de Yida e Ajuong Thok, em Unity, onde moram quase 80.000 refugiados do Sudão.

A ajuda inclui cobertura plástica, galões, baldes, utensílios de cozinha, telas mosquiteiros, colchonetes e cobertores. O Programa Alimentar Mundial (PMA) com seu parceiro local distribuiu 80 toneladas de alimentos e pretende distribuir outras 95 toneladas.

Aqueles que receberam nossa ajuda ficaram extremamente gratos. “Palavras não podem dizer o quanto somos gratos ao ACNUR pelos itens que nos forneceram”, disse Maria, de 70 anos, que pensou que ela e seus netos fossem morrer quando os conflitos chegaram ao seu vilarejo em 20 de dezembro.

“Os tiroteios começaram de madrugada enquanto eu estava dormindo em nossa barraca com minha filha e dois netos”, relembra ela. Apesar de encontrar dificuldades para andar, eu peguei meus netos e disse para minha filha nos seguir enquanto corríamos das balas zunindo ao nosso redor”, acrescentou Maria, que temia pela saúde das crianças com a proximidade da temporada de chuvas na região de mata.

Os deslocados são principalmente compostos por mulheres, crianças e idosos, já que os mais jovens ficaram para trás para tentar proteger seu território. “Nós caminhamos por seis horas com as crianças antes de acharmos segurança”, conta a mãe de quatro crianças, Ayom, que também recebeu alimentos e itens de ajuda.

Enquanto isso, os planos estão em andamento para o ACNUR e seus parceiros inter-agências em termos de gestão de acampamentos para construir um novo local no Pariang County para os deslocados internos. As instalações devem ser capazes de fornecer assistência humanitária e serviços aos deslocados enquanto uma solução mais duradoura é alcançada.

O Unity tem a maior concentração de pessoas deslocadas no Sudão do Sul com mais de 186.000 pessoas afetadas pelos conflitos, seguido pelo estado de Jonglei com 145.700. A crise também forçou mais de 130.000 pessoas a fugirem do país.

Por Dew Sunday Majak de Pariang, Sudão do Sul