Cultura moçambicana no Brasil: projeto transforma capulanas em sapatos

0
305

SAPATOSPor dentro da África

Rio – Um dos elementos principais da cultura moçambicana foi escolhido para dar cor ao cotidiano urbano no Brasil. A partir do uso das capulanas, pano que está presente na história e na vida dos moçambicanos, a fotógrafa Deborah Raposo confecciona sapatos vendidos no Brasil.

Captura de tela 2015-09-08 às 12.18.09– É impossível não notar as estampas e as cores das capulanas. Em Moçambique e em vários outros países da África, ela está em todos os lugares e é usada em diferentes contextos e de diferentes formas. Está presente no Lobolo (dote), amarra bebês e equilibra a “lata d”agua na cabeça”, mas já foi resignificada em roupas, acessórios e outras coisas que se pode considerar contemporâneas e modernas – conta em entrevista ao Por dentro da África, a fundadora da TEMBO.

Em território moçambicano, elas são usadas com intenção política, por status e também por questões estéticas. No meio rural, elas têm valores e conotações diferentes. Para Deborah, elas têm grande força se fundindo entre o tradicional e o moderno.

Em 2005, a criadora da TEMBO foi morar em Moçambique. Por lá, o encantamento foi instantâneo e ela diz que ainda se lembra, como se fosse hoje, do cheiro e da sensação que teve quando respirou pela primeira vez o ar de Maputo (capital do país). Quando voltou para o Brasil, em 2010, foi estudar história da África e se envolveu ainda mais com a cultura afro-brasileira.

– A TEMBO foi producaoo caminho escolhido pra criar e recriar histórias e memórias de um país que não sai mim. As capulanas sempre estiveram no meu armário e fiz delas muitas coisas, principalmente, uma pesquisa. Os anos foram passando e fui amadurecendo ideias – conta a jovem, que trabalha com três irmãos sapateiros.

Na faculdade de Ciências Sociais cursada na PUC Rio, a empreendedora fez uma pesquisa sobre as primeiras relações de comércio e de intercâmbio cultural no Oceano Índico, quando os tecidos já estavam presentes. Ela lembra que a capulana, muitas vezes, traz uma grande carga simbólica, mas também é usada por questões estéticas. No caso da TEMBO, ela é usada pelas cores fazendo referência às suas origens.

SAPATO– Eu sempre tive dificuldade com sapatos e primo pelo conforto. As alpargatas, em geral, são sapatos conhecidos por isso. Então, juntei uma ideia a outra e vi que tinha tudo pra dar certo. A TEMBO tem originalidade e o seu conceito etno-urbano que tanto me liga à Moçambique!

Saiba mais aqui