Conservacionistas protestam contra homem que matou leão símbolo do Zimbábue

0
49

Cecil – Zimbábue – Divulgação

Por dentro da África

Rio – A morte de um leão símbolo do Zimbábue causou comoção em todo o mundo. Walter Palmer, dentista americano, foi identificado como o assassino de Cecil, leão de 13 anos, que era a grande atração turística do Parque Nacional de Hwange. A polícia do Zimbábue prendeu duas pessoas pela morte de Cecil e disse que Palmer também deverá enfrentar acusações de caça furtiva.

Em sua defesa, Palmer disse que acreditava agir dentro da lei e que não sabia da importância do leão para a comunidade. A sua aventura no Zimbábue custou cerca de US$ 50 mil.

Divulgação – BBC

O agentes do parque que encontraram o animal disseram que ele foi alvejado com flecha, arma de fogo e depois decapitado, além de ter a sua pele removida como troféu. Acredita-se que Cecil tenha sido executado no dia 1 de julho, mas a carcaça só foi descoberta muitos dias depois.

O consultório de Palmer foi fechado nesta quarta-feira após protestos com faixas que o chamavam de “assassino” e a sua página do facebook foi removida após manifestações de internautas.

Veja mais: Jogo pela preservação de elefantes e rinocerontes