Cabo-verdiano Germano Almeida é o vencedor do Prêmio Camões 2018

0
128

Germano Almeida - Foto de mindelinsite.cv
Germano Almeida – Foto de mindelinsite.cv

O escritor Germano Almeida, de Cabo Verde, foi o vencedor do Prêmio Camões 2018. Nascido na ilha da Boavista, Germano, de 72 anos, é autor de obras como Testamento do Senhor Napumoceno da Silva Araújo, As memórias de um espírito e A morte do ouvidor.

O escritor estudou Direito na Universidade de Lisboa, foi deputado eleito pelo Movimento para a democracia de Cabo Verde e exerceu o cargo de Procurador-Geral da República de Cabo Verde. No campo literário foi um dos co-fundadores da revista literária Ponto & Vírgula.

Prêmio Camões

O Prêmio Camões foi instituído em 1988 pelos governos do Brasil e de Portugal com o objetivo de estreitar os laços culturais entre os países lusófonos, através da premiação de seus escritores mais ilustres. Com um valor equivalente a €100.000,00 (cem mil euros), esta premiação é o resultado da contribuição do Brasil e de Portugal.

No Brasil, a Fundação Biblioteca Nacional é a responsável pela organização do Prêmio. Conforme o regulamento do concurso, a Comissão Julgadora é composta por seis membros designados pelo Ministro da Cultura do Brasil e pelo Secretário de Cultura de Portugal. A reunião ocorre alternadamente em Portugal e no Brasil com uma Comissão Julgadora composta por 6 jurados, sendo 2 de Portugal, 2 do Brasil e 2 membros do PALOPS (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa).

Em 1991, o Prêmio Camões foi, pela primeira vez, atribuído a um escritor africano: ao poeta moçambicano José Craveirinha. Também receberam o prêmio, o angolano Pepetela (1997), o angolano Luandino Vieira (que recusou a homenagem em 2006), o cabo-verdiano Arménio Vieira (2009) e o moçambicano Mia Couto (2013).