Copa Africana de Nações: Indefinição para a derradeira rodada do torneio

0
32

Divulgação

André Carlos Zorzi, Por dentro da África

(estudante de jornalismo da PUC-SP)

São Paulo – Desde 1996, quando a Copa Africana de Nações tomou o atual sistema de disputa, é a primeira vez que se chega à última rodada da fase de grupos sem ao menos uma equipe previamente classificada ou eliminada. Todos os 16 times ainda têm chances tanto de disputar as quartas de final, quanto de fazer as malas de volta para casa.

A competição está tão parelha que no Grupo D, por exemplo, em caso de 1 x 1 na última rodada, a classificação completa do grupo será definida por meio de um sorteio. Caso os dois jogos do Grupo B terminem empatados com o mesmo número de gols marcados em cada, a definição da vaga nas quartas de final entre Cabo Verde e R. D. do Congo também será decidida na sorte.

Além disso, exceção feita à Zâmbia (depende de tropeço da R. D. do Congo) e à África do Sul (depende que a partida da Argélia não termine empatada), todas as outras 14 seleções dependem apenas de suas próprias forças para atingir a classificação.

Confira o guia sobre a competição produzido pelo colaborador André Carlos Zorzi – Guia da CAN 2015 – Portal Africano de Futebol

Resumo da rodada:

Divulgação

Apesar de ter dominado o jogo em alguns momentos do primeiro tempo, a equipe de Burkina Faso fez mais uma atuação aquém do esperado. Na primeira partida sem gols do torneio, os donos da casa chegaram poucas vezes ao ataque e agora estão obrigados a vencer o Gabão para avançar de fase.

Já o Congo surpreendeu a todos, apresentando um futebol defensivo e sofrendo muitos sustos com as boas chances do adversário, venceu os favoritos gaboneses que estavam a um triunfo da classificação antecipada. O gol foi marcado pelo capitão Oniangue no início do segundo tempo, e a vitória foi comemorada como um título pelos atletas ao fim do jogo, inclusive pelo fato de a última conquistada pelos congoleses ter ocorrido mais de 40 anos atrás, com um 2 x 1 sobre o Zaire (atual R. D. do Congo) na fase de grupos da edição de 1974.

No dia seguinte, a Zâmbia dominou a Tunísia por praticamente todo o jogo, tendo saído à frente no placar e dado mais que o dobro de chutes que do time árabe, mas a falta de pontaria pesou e os tunisianos conseguiram virar a partida aos 44 minutos do segundo tempo. Para dificultar ainda mais as chances da Zâmbia, Mayuka, um dos melhores em campo, saiu lesionado e não deve atuar na próxima partida.

Em um dos piores jogos do torneio até agora, a seleção de Cabo Verde perdeu a chance de vencer a R. D. do Congo, que chutou apenas uma vez em direção à meta ao longo do jogo. Apesar de não terem apresentado um futebol brilhante, os cabo verdianos criaram mais ações ofensivas e tiveram melhor pontaria do que os rivais. Não fosse o goleiro Kidiaba, poderiam ter saído com a vitória.

Divulgação

No confronto mais esperado da primeira fase, Gana e Argélia fizeram um duelo abaixo das expectativas. Enquanto os ganeses tiveram metade de suas dez finalizações indo em direção ao gol, os argelinos não tiveram nenhuma de suas quatro. Quando tudo parecia rumar para outro empate que complicaria bastante a situação de Gana, Gyan Asamoah fez um heróico gol no último lance de jogo, aos 47 do segundo tempo. O atacante ganês é famoso por ter perdido o pênalti que colocaria seu país nas semifinais da Copa do Mundo de 2010, e não disputou o jogo de estreia da equipe contra o Senegal em decorrência de uma leve malária contraída dias antes.

Na outra partida do Grupo C, a África do Sul dominou durante o primeiro tempo, e foi dominada pelos senegaleses no segundo, tendo o jogo findado com um justo 1 x 1, graças a gol de Manyisa no primeiro minuto da etapa final, e o empate de Mbodji 15 minutos depois.

No Grupo D, Costa do Marfim e Mali realizaram um primeiro tempo com número semelhante de chances, e apesar de o Mali ter tido as melhores oportunidades e saído à frente no placar, com Sako aos 7 minutos de jogo, a Costa do Marfim teve amplo domínio na posse de bola. No segundo tempo, os malineses se restringiram a defender o placar, enquanto os marfinenses mantiveram a posse e deram o dobro de chutes a gol em relação à etapa inicial. O empate saiu próximo ao fim da partida, com 41 minutos do segundo tempo, pelos pés de Gradel. Tristeza para o goleiro malinês Diakité, que saiu lesionado e possivelmente não disputará mais a competição.

No fechamento da rodada, Camarões saiu à frente aos 12 minutos de jogo em um dos mais belos lances da competição, a cobrança de escanteio de Moukandjo que resultou em gol olímpico. Faltando cinco minutos para o término da primeira etapa, os guineenses empataram a partida com Ibrahima Traoré. Na volta do intervalo, os camaroneses cansaram de perder gols, tendo pelo menos três ótimas oportunidades de voltar à frente no marcador desperdiçadas nos 45 minutos finais, deixando tudo absolutamente igual no Grupo D.

Divulgação

Classificação Pós-2ª Rodada:

Grupo A:

4 Pontos – Congo

3 Pontos – Gabão

2 Pontos – Guiné Equatorial

1 Ponto – Burkina Faso

 

Grupo B (Cabo Verde e R. D. do Congo empatam em todos os critérios):

4 Pontos – Tunísia

2 Pontos – Cabo Verde

2 Pontos – República Democrática do Congo

1 Ponto – Zâmbia

 

Grupo C:

4 Pontos – Senegal

3 Pontos – Gana

3 Pontos – Argélia

1 Ponto – África do Sul

 

Grupo D (Não há posições definidas pelo fato das equipes estarem empatadas em todos os critérios):

2 Pontos – Camarões

2 Pontos – Costa do Marfim

2 Pontos – Guiné-Conacri

2 Pontos – Mali

 

Melhor jogador de cada partida, de acordo com a CAF:

Emilio Nsue (Guiné Equatorial / Middlesbrough)

Prince Oniangue (Congo-Brazzaville / Reims)

Rainford Kalaba (Zâmbia / Mazembe)

Babanco (Cabo Verde / Estoril)

Gyan Asamoah (Gana / Al Ain)

Kara Mbodji (Senegal / Genk)

Seydou Keita (Mali / Roma)