Gâmbia: Deslocados retornam ao país após fim de impasse político

0
63
csm_01.2017.24_Gambia_a7cc3c96f5
Na fronteira senegalesa de Selety, crianças gambianas esperam por carro que as levará de volta para casa. Foto: ACNUR/Hélène Caux

Com informações da ONU Brasil

Milhares de pessoas que haviam deixado a Gâmbia em meio à crise política começaram a retornar ao país. Na sexta-feira (20), o ex-presidente Yahya Jammeh, que se recusava a deixar o poder após 22 anos, aceitou ir para o exílio. A Gâmbia é agora presidida pelo líder da oposição, Adama Barrrow, que venceu as eleições presidenciais de dezembro.

Uma equipe da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em Banjul afirmou que a normalidade está voltando aos poucos à cidade, na medida em que algumas escolas e lojas começaram a reabrir.

A resistência do presidente que estava havia 22 anos no poder provocou uma crise regional e levou mais de 76 mil pessoas a procurar abrigo no Senegal, de acordo com as autoridades senegalesas.

Autoridades da Gâmbia estão enviando ônibus para pontos na fronteira com o objetivo de ajudar os deslocados a voltar para casa.  No sábado (21), 530 pessoas cruzaram a fronteira de Selety vindas da região de Ziguinchor, no Senegal. No domingo (22), o número cresceu para mais de 3,7 mil, e se repetiu na segunda-feira (23). Algumas pessoas retornam de carro, motocicleta ou ônibus. Outras fazem travessias informais nas fronteiras Norte e Sul.

Alguns deslocados retornaram de barco para Banjul, capital da Gâmbia, e estão chegando a bordo de ferry boats superlotados, velhos e inseguros. Durante a crise, muitos fugiram ou se esconderam em suas casas, transformando Banjul em uma cidade fantasma.

Uma equipe da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em Banjul afirmou que a normalidade está voltando aos poucos à cidade, na medida em que algumas escolas e lojas começaram a reabrir.

Durante o impasse político, milhares de pessoas deslocadas da Gâmbia foram hospedadas por famílias no Senegal. Muitos desses anfitriões, como Mariana* — que hospeda mais de 15 pessoas em sua casa, incluindo um primo e seu bebê — têm tido dificuldades para alimentá-los.