Rio de Janeiro recebe oficina de dança africana

0
137

captura-de-tela-2016-10-01-as-10-56-18A Fundição Progresso, no Rio de Janeiro, recebe todas as segundas-feiras uma oficina de dança africana ministrada por Aline Valentim. As aulas são acompanhadas de música ao vivo com ritmos de Guiné-Conacri comandados por Leonardo Suave e María Paz.

O enfoque é nos estudos coreográficos e socioculturais que são inspirados nas artes da África do Oeste, nas relações entre dança e os significados sociais que elas representam e que se manifestam no corpo, na voz, na intercomunicação de ritmos e danças.

É parte da cultura celebrar tudo que é da vida cotidiana e momentos festivos como casamento, rituais de iniciação, plantio, colheita, fertilidade, nascimento. Assim, as linguagens rítmicas, musicais e do corpo são poderosas redes de comunicação e interligam saberes ancestrais.

Preço: R$30,00 AULAS AVULSAS / R$100,00 MENSALIDADE

Endereço: Fundição Progresso, Lapa, Rio de Janeiro

Saiba mais aqui

Sobre a equipe

captura-de-tela-2016-09-29-as-00-35-42Aline Valentim é mestre em Ciências Sociais pela UERJ e Pós-Graduanda em Terapia através do Movimento pela Faculdade Angel Vianna. Atua como coreógrafa, intérprete, pesquisadora e professora na área de danças populares brasileiras e danças afro. Seu trabalho está pautado nas práticas culturais negras como linguagem artística, saberes e poderes através do corpo.

captura-de-tela-2016-09-29-as-00-36-34Leonardo Suave é antropólogo, artista pesquisador de culturas africanas e afro-brasileiras, arte educador no Instituto Bola pra Frente. Viajou para Guiné em 2011 para um curso de percussão africana. Em 2012, se mudou para o Rio de Janeiro, onde desde 2013 realiza o Projeto “África Livre”. Sócio-diretor da Guiné Projetos Culturais, Leonardo Suave já ministrou oficinas de percussão e dança em diferentes universidades.

10604688_10152414229601139_871822109484422427_oMaría Paz é Licenciada em Artes Musicais e produtora musical pela Universidade Inacap de Santiago de Chile. Especializou-se em “Ritmos Africanos” com o mestre Dartagnan Camara (Guinea) e no Centro Africa Mandingue – Chile. Também especializou-se na metodologia de “ritmo e percussão com sinais” no CERPS de Argentina junto a Santiago Vázquez (Criador da metodologia). Fez cursos de Congas com Miguel Masacote Cortes (Chile) e cursos de Percussão Corporal com Camilo Zorrilla do grupo Barbatuques.