Malawi: Ativista anula centenas de casamentos infantis

0
144
UN Women Executive Director Phumzile Mlambo-Ngcuka meets with Chief Inkosi Kachindamoto from Malawi during the 60th session of the Commission on the Status of Women (CSW). Photo: UN Women/Ryan Brown
UN Women Executive Director Phumzile Mlambo-Ngcuka meets with Chief Inkosi Kachindamoto from Malawi during the 60th session of the Commission on the Status of Women (CSW).
Photo: UN Women/Ryan Brown

Com informações da ONU Mulheres

Com o objetivo de incentivar os jovens a estudar, a ativista Inkosi Kachindamoto anulou centenas de casamentos infantis no distrito de Dedza, na região central do Malawi.

“Os jovem devem ir à escola! Nenhuma criança deveria casar ou ficar em casa fazendo tarefas domésticas durante o período escolar”, disse à ONU Mulheres a ativista que, nos últimos três anos, cancelou mais de 800 casamentos. Apenas em junho, de acordo com a ONU, Kachindamoto anulou mais de 300 uniões.

O casamento infantil e gravidez continuam a ser as principais causas elevadas das taxas de abandono escolar no país. Embora haja um número igual de meninos e meninas nas classes da escola primária no Malawi, apenas 45% das meninas permanecem a escola depois da 8ª série.

Exclusivo: Iniciativa quer erradicar o casamento infantil na África

Os casamentos tradicionais são regulados por guardiões da cultura. líderes No Malawi, em 2012, uma em cada duas meninas foi casada antes dos 18 anos. De acordo com o Fundo de População das Nações Unidas, o país tem uma das mais altas taxas de casamento infantil no mundo.

Malawi_Kachindamoto-annuls-child-marriage_1_400x267

A decisão de Kachindamoto encontrou resistência de outros líderes comunitários e de jovens casais, mas ela seguiu com sua campanha. Com status de chefe e líder da comunidade, ela puniu membros de sua aldeia que consentiram a realização dos casamentos infantis.

ONU: Novo programa vai proteger milhões de meninas do casamento infantil