Com apoio da Unesco, Mali reconstrói mausoléus destruídos em 2012

0
64

Reconstrução de mausoléus - Foto: UNESCO
Reconstrução de mausoléus – Foto: UNESCO

Rio – Na última sexta-feira, pedreiros começaram a reconstruir mausoléus da era de ouro em Timbuktu, no Mali. Patrimônio Mundial, eles foram danificados durante a ocupação de parte do norte do país por radicais islâmicos em 2012.

A obra é financiada por autoridades malinesas e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) com contribuições de Andorra, Barein, Croácia e Mauritânia, além de apoio logístico da Missão Multidimensional Integrada da ONU para a Estabilização no Mali (MINUSMA).

Veja mais: “Não somos rebeldes, somos um povo pacífico”

Timbuktu foi a capital econômica, cultural e espiritual e um centro para a propagação do islamismo pela Áfricadurante a era de ouro nos séculos XV e VXI. De acordo com a UNESCO, as três mesquitas e 16 mausoléus que compreendem a propriedade são parte da antiga cidade que chegou a ter 100 mil habitantes.

“A reabilitação do patrimônio cultural de Timbuktu é crucial para o povo do Mali, para os moradores da cidade e para o mundo”, disse a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova.

“O início da reconstrução de mausoléus em Timbuktu é importante por que constituem uma característica inalienável da identidade da cidade, cujo propósito é, precisamente, proteger os seus habitantes”, disse o chefe da MINUSMA, Albert Gerard Koenders.

Com informações da ONU