Coluna África em Verso: Homenagem a Cheikh Anta Diop

0
131
Divulgação

Por Mavenda Nuni yÁfrika, Por dentro da África

Revelador da consciência histórica,

Deus confrontador contra a falsa hegemonia europeia.

Odiado pelo seu poeta, és uma figura de afirmação da negritude!

Estás com Al Hali, os kalungas e Alá… Ogun!

Ah minha dor pela sua ausência…

Vous etres grand home, jê aime avec Aimé Cesaire,

os divulgadores da arte jovem africana.

Os exterminadores das amarras históricas da gloriosa força africana.

Frantz Diop[1] panegericando os nossos heróis míticos com versos reais,

pan-africanidade artística e científica.

Aquelas que amam e amarão realmente a nossa condição,

por nós reencarnaram as verdades ocultas,

desvendaram os deuses ocidentais e conscientizaram os nossos indígenas;

Eternamente viro no luto, a minha alma clama por eles:

Malcolm X, o lutador e unificador dos afros com axé.

Ah mfumu! (oh senhor) Esses faraós que silenciam aquelas máfias.

Ngolo zenu zaiza kua yetu (as vossas forças estão em nós).

Nos cantos e em contos.

Amilcar Cabral, Krumah, Thomas Sankara, Steve Biko, Nito Alves, S. Machel, Garvey, Zumbi, Nascimentos e Lélia ou Ama Mazama

afrocentradas tiveram a inspiração de todos os reis da Etiópia. O berço cultural!

Pai (tata) Cheikh A Diop, esteja em paz e me ilumina cada dia mais. O mais revelador da afirmação como naná.

Da lírica Carolinada, dos confrontos Abdiada!

Nada mais se torna feliz do que a sua vontade e coragem em inspirar os cientistas.

Ele colocou e devolveu a dignidade aos africanos e não só.

É sábio, humilde e “grande professor” não só, o único que poetizo.

Hoje, são afrocentradas, como os Adinkras que ensinavam-nos pelo Sankofa…

Sim, direi que Cheikh Anta Diop é um tata na ciência na África e no Mundo.

As suas fontes jamais secam, basta um toque poético e aparecem os vários doutores pretos e brancos que se inspiram na sua linha de pensamento.

Fez grandes viagens na África antiga, e na África cultural atemporal,

Amava a cultura de todo o seu coração.

Homenagem da mente brilhante do século XX., sua memória está nos ancestrais africanos.

Leia a pesquisa aqui: O Estado Federal da África Negra

Cheikh Anta Diop faleceu em 7 de Fevereiro de 1986 enquanto dormia. Texto escrito em 2013. Gabriel Ambrósio ou Mavenda Nuni yÁfrika.

[1] Dois nomes num só. Franz Fanon e Cheikh Anta Diop.