No Marrocos, cientistas identificaram mais antigo fóssil de Homo sapiens

0
142

 An almost complete adult mandible discovered at the Jebel Irhoud site in Morocco. Credit Jean-Jacques Hublin/Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology
An almost complete adult mandible discovered at the Jebel Irhoud site in Morocco. Credit Jean-Jacques Hublin/Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology

Com informações da Max Planck Society

Uma equipe de pesquisa do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva (Leipzig, Alemanha) e do Instituto Nacional de Arqueologia e Patrimônio (INSAP, Rabat, Marrocos) descobriram, em Jebel Irhoud, no Marrocos, fósseis de cerca de 300 mil anos, que representam a evidência mais antiga da nossa própria espécie. Os vestígios de Homo sapiens compreendem crânios, dentes e ossos longos de, pelo menos, cinco indivíduos.

A descoberta foi relatada em dois artigos na edição de 8 de junho da revista Nature. Anteriormente, os fósseis de Homo sapiens mais antigos encontrados (de 195 mil anos atrás) eram de Omo Kibish, na Etiópia. Até esta revelação, a maioria dos pesquisadores acreditava que todos os seres humanos descendiam de uma população que vivia na África Oriental há cerca de 200 mil anos.

“Nós costumávamos pensar que havia um berço da humanidade há 200 mil anos no leste da África, mas novos dados revelam que o Homo Sapiens se espalhou por todo o continente africano há cerca de 300 mil anos. Muito antes da dispersão fora da África, houve dispersão na África “, diz o paleontólogo Jean-Jacques Hublin.

 

Jebel Irhoud tem sido bem conhecido desde a década de 1960 por seus fósseis humanos e por seus artefatos da Idade do Meio da Idade da Pedra. Esses achados confirmam a importância de Jebel Irhoud como o mais antigo e mais rico local da Idade da Pedra.