Efeitos climáticos podem custar US$50 bilhões por ano aos países africanos

0
164

 

UN Photo / Fardosa Hussein Mulher caminha até um ponto de transporte de água na Somália

Com informações da ONU NEWS

O relatório “Situação do Clima em África 2021” da Organização Meteorológica Mundial (OMM) mostra como o clima severo e as alterações climáticas estão minando a saúde, a segurança humana, alimentar e hídrica, além do desenvolvimento socioeconômico. Estima-se que, até 2050, os impactos climáticos possam custar às nações africanas US$ 50 bilhões por ano.

A África representa apenas cerca de 2 a 3% das emissões globais de gases de efeito estufa, mas sofre de forma desproporcional com os resultados. O documento indica que a carência de água pode afetar cerca de 250 milhões de pessoas no continente e levar perto de 700 milhões ao deslocamento até 2030.

Segundo o Secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, o agravamento da crise e a fome iminente no extremo leste da África, atingido pela seca, mostram como as mudanças climáticas podem aumentar os choques hídricos. A situação colocaria em perigo a vida de centenas de milhares de pessoas e poderia desestabilizar comunidades, países e regiões inteiras.

África aqueceu mais do que a média global de 0,3º C nos últimos 30 anos. A taxa média anterior era 0,2º C. A subida do nível do mar vem seguindo a mesma tendência, sobretudo ao longo do Mar Vermelho e do sudoeste do Oceano Índico.

Em 2021, cerca de 14,1 milhões de pessoas foram deslocadas internamente na África Subsaariana, incluindo cerca de 11,5 milhões devido a conflitos e violência. Outros 2,5 milhões foram desalojados devido a desastres.

A taxa de implementação do sistema de alerta precoce de riscos múltiplos cobre apenas 40% de habitantes em África. Pelo menos 28 países fornecem serviços climáticos de nível básico ou essencial. Nove deles contam com um serviço integral. Quatro países podem prever completamente secas ou contam com serviços de alerta avançado.

Na África Oriental, a seca piorou após sucessivas estações fracassadas de chuva. O sul de Madagáscar também sofre uma seca aguda. Inundações severas afetaram o Sudão do Sul, a Nigéria, o Congo, a República Democrática do Congo e o Burundi. Episódios de calor extremo acompanhado de incêndios florestais assolam o norte da África.