Ativistas na linha de cima – 1- Albano Bingo 2. Osvaldo Caholo 3. Arfante Kivuvu 4. Afonso Matias “Mbanza Hamza” 5. Hitler Chivonde “Hitler Samussuku” 6. Manuel Baptista “Nito Alves” 7. Domingos da Cruz 8. Inocêncio de Brito. Ativistas na linha debaixo: 1. Benedito Jeremias “Dito Dali” 2. Sedrick de Carvalho 3. Luaty Beirão “Brigadeiro Matafrackuz ou Ikonoklasta” 4. Zenóbio Zumba 5. Nuno Álvaro Sala 6. Fernando Tomás “Nicolas o Radical” 7. Nelson Dibango dos Santos 8. José Gomes HATA “Cheick Hata”

Por dentro da África

Luanda – Acusados de “alterarem a ordem pública do país”, segundo comunicado do Serviço de Investigação Criminal, ativistas angolanos ainda permanecem presos desde o dia 20 de junho. A partir de hoje, o Por dentro da África lança uma campanha com informações, vídeos e um fórum em nome da liberdade de imprensa. Opine no fórum abaixo de forma anônima! 

AS REPORTAGENS ESTÃO DO LADO DIREITO DESTA PÁGINA

Veja abaixo a linha do tempo por Fernando Guelengue 

Os 15 ativistas detidos são: Henrique Luaty da Silva Beirão, Manuel Chivonde (Nito Alves), Nuno Álvaro Dala, Afonso Mahenda Matias (Mbanza Hanza), Nelson Dibango Mendes dos Santos, Itler Jessy Chivonde (Itler Samussuko), Albano Evaristo Bingocabingo, Sedrick Domingos de Carvalho, Fernando António Tomás (Nicolas o Radical), Arante Kivuvu Italiano Lopes, Benedito Jeremias, José Gomes Hata (Cheick Hata), Inocêncio António de Brito, Domingos da Cruz (preso no dia 21) e Osvaldo Sérgio Correia Caholo (preso no dia 24). Na foto, também está Zenóbilo Zumba, capitão preso por ser amigo dos ativistas.

O que diz o governo angolano?

Em comunicado, nesta tarde (11 de outubro), a TPA (TV pública de Angola) destacou que, segundo o governo angolano, os mentores do “golpe de Estado” se inspiraram na Primavera Árabe que lançou a Líbia, Tunísia e Egito para uma guerra civil criando instabilidade social na região. Segundo o comunicado, os membros que promovem as vigílias (pessoas solidárias à causa dentro e fora de Angola) procuram dar sequência ao referido plano “subversivo dos criminosos” após 13 anos de paz. A opinião do governo veiculado no telejornal diz ainda que os angolanos devem se concentrar no bem comum, como a independência, a liberdade, a paz, a democracia. 

Mas como se concentrar na democracia, na liberdade, na paz, na independência se todos esses pontos são violados ininterruptamente? Como pensar em democracia quando professores, filósofos, sociólogos, artistas, ativistas estão presos pelo fato de questionarem o governo angolano que, frequentemente e notoriamente, persegue jornalistas e ativistas?

De acordo com a Anistia Internacional, o Ministério do Interior do país emitiu um comunicado público no dia 20 de junho, informando que os ativistas foram detidos quando se preparavam para “realizar atos tendentes a alterar a ordem e a segurança pública do país”. As forças policiais efetuaram buscas sem mandados e apreenderam computadores, documentos e máquinas fotográficas das pessoas que suspeitavam.

Greve de fome em protesto por detenção arbitrária

Após 3 meses de detenção arbitrária jovens angolanos iniciaram uma greve de fome.

Liberdade para ativistas presos em Angola

Ativistas angolanos ainda permanecem presos desde o dia 20 de junho.

Acompanhe o Liberdade Já liberdade

Linha do Tempo

ativistas

Detenção de 13 ativistas que se encontravam numa formação sobre “Lutas Não Violentas” sob orientação de Nuno Álvaro Dala e Domingos da Cruz. A Polícia Nacional emite um comunicado dando conta da detenção de jovens em flagrante delito suspeitos de alterarem a ordem pública.

DomingosDomingos da Cruz é detido na cidade de Santa Clara, província do Cunene, na fronteira da Namíbia, local em que se deslocava para realizar tratamento da visão.

O ativista e rapper Carbono Casimiro foi alvo de buscas e apreensões dos seus bens. O ativista do Movimento Revolucionário, Raul Mandela recebe uma visita de agentes dos Serviços de Investigação Criminal (SIC).

Detenção de Osvaldo Caholo, tenente das Forças Armadas Angolanas (FAA) e conhecido de alguns dos ativistas.

Os presidentes dos grupos parlamentares do MPLA, UNITA, CASA-CE, PRS E FNLA foram informados sobre a detenção dos 15 jovens. O comunicado da Procuradoria Geral da República (PGR) acusa os jovens de se reunirem de forma regular desde o dia 16 de Maio com o intuito de criar formadores para mobilizar a população de Luanda para uma insurreição.

Nito Alves inicia uma greve de fome em protesto aos comportamentos das autoridades que não permitiam os banhos nem mesmo ver a luz do dia.

Começam as interrogações dos detidos de forma regular e forçados a falar mesmo na ausência de advogados. A Polícia Nacional reprime vários manifestantes que exigiam a libertação dos revolucionários largo 1 de Maio, local onde o braço juvenil do partido no poder realizou uma contra-manifestação.

O capitão Zenóbio Lázaro Muhondo Zumba transforma-se na primeira vítima das buscas efetuadas pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC) por ser colega de universidade de Osvaldo Caholo e passa para 15+1.

logo-liberdade-jaFoi criada pelos ativistas ainda não identificados a página oficial dos redes sociais da campanha Liberdade aos Presos Políticos Já.

Ativistas angolanos e portugueses realizam uma manifestação em frente ao consulado de Angola em Lisboa.

Publicação de vídeo com alguns estudantes angolanos no Brasil que exigiam a liberdade dos presos políticos em Angola. No mesmo dia, a Omunga iniciou a campanha “buzina só” para as pessoas que não teriam como se dirigir à manifestação de 29 de Julho.

Quatro ativistas que se encontravam na cadeia de Caquila, nomedamemente, Nuno Dala, Mbanza Hamza, Osvaldo Caholo e Fernando Tomás, iniciaram uma greve de fome contra todas as limitações nas visitas e isolamento durante o banho de sol de uma hora.

O Parlamento angolano nega debate sobre a detenção dos ativistas alegando estar sob segredo de justiça.

Por meio de um trabalho de vários ativistas ainda desconhecidos, foi publicado o segundo vídeo viral com personalidades angolanas, brasileiras e portuguesas pedindo a libertação dos ativistas.

O escritor Pepetela escreve para uma crônica intitulada “quem tem medo dos livros? “.

Dois presos políticos tentam suicídio na prisão, conforme a denúncia do Movimento Revolucionário. Tratam-se de Alberto Evaristo “Bingo Bongo” e Fernando Tomás “Nicolas Radical”.

O SIC e a POR interrogaram o político e docente universitário Alberto Neto em Lisboa por ser o proprietário da residência onde ocorria o encontro. Governo proíbe a marcha das mães dos presos políticos prevista para o ponto de partida o 1 de Maio de o Palácio da Justiça.

Fernando Tomás “Nicolas Radical” começa uma greve de fome devido ao isolamento na solitária e de segurança máxima.

O Governo Provincial de Luanda proíbe nova manifestação dos familiares dos detidos, prevista para o dia do aniversário do presidente da República.

Consulado de Angola em Lisboa recebe a presença de dezenas de angolanos e portugueses que realizavam uma manifestação para exigir a libertação dos presos políticos com o lema Liberdade já.

As ativistas Rosa Conde e Laurinda Gouveia são inseridas ao processo dos 15+1 presos políticos por terem participado dos debates anteriores Elas aguardam o julgamento em liberdade, o que significa que agora a numeração fica 15+1+2.

Fernando Baptista, pai do ativista Nito Alves, foi notificado pelo Serviço de Investigação Criminal SIC devido o processo que seu filho se encontra envolvido.

Parlamento Europeu manifesta a sua indignação diante das graves violações por parte das forças de segurança e a dependência do sistema judicial ao presidente da República.

O jornalista e ativista de direitos humanos Rafael Marques, em parceria com a Rádio Despertar, realiza a primeira reunião de solidariedade a favor dos presos políticos.

Tribunal Supremo angolano indefere o requerimento na forma de habeas corpus, que solicitava a libertação imediata dos jovens por alegada ilegalidade.

Rafael Marques apela pela libertação dos presos políticos pelo estado de saúde que apresentam, Eduardo Agualusa assegura que o presidente José Eduardo dos Santos comete grave erro com a detenção dos presos políticos.

Entrada do recurso da decisão do Tribunal Supremo que indeferia a solicitação do advogado Walter Tondela sobre a ilegalidade da detenção e o fim dos prazos previstos para prisão preventiva.

O ativista e rapper de intervenção social Luaty Beirão, que detém igualmente a nacionalidade portuguesa, inicia greve de fome.

A defesa dos ativistas apresenta um requerimento à Procuradoria Geral da República  (PGR) para exigir a libertação dos seus constituintes devido o prazo esgotado de prisão preventiva de 90 dias.

O advogado Walter Tondela solicita de forma pública a libertação dos jovens detidos por excesso de prisão preventiva.

Conferência de Imprensa dos familiares e advogados para esclarecimento da sociedade sobre a forma como decorria o processo dos 17 ativistas.

A administração Obama toma conhecimento do caso por meio de um encontro com a secretária de Estado norte-americana para Assuntos Africanos, Linda Thomas-Grenfield.

Início da vigília a favor da libertação dos ativistas.

Nelson Dibango, um dos 15 activistas inicia a sua greve de fome devido a má qualidade do sistema de justiça do país.

O vice diretor da Amnistia Internacional para a região Sul de África, Noel Kulutwa disse diz que manter os ativistas presos é uma forma de intimidação das autoridades angolanas contra qualquer pressão que tenha uma visão diferente do país.

Rafael Marques considera, por meio de um artigo divulgado no portal em que dirige, Maka Angola, o ativista e rapper Luaty Beirão seu herói pela coragem determinação em relação à greve de fome.

Familiares de Luaty Beirão dirigem-se ao hospital prisão de São Paulo para visitar o jovem que se encontrava em falência de órgãos e sem possibilidade de ingerir líquidos.

Manifestação em Londres na Piccadilly Circus.

Luaty Beirão recebeu uma visita oficial de 5 representantes diplomáticos da UE.

Vigília organizada por angolanos em Londres, em solidariedade aos presos políticos em Angola. Ainda há esperança nesta juventude que olha e analisa atento as atrocidades ocorridas em Angola.

Albano Bingo está em greve de fome há 10 dias.


SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA