Conheça Abiy Ahmed, Nobel da Paz de 2019

0
  •  
  •  

Abiy Ahmed – Divulgação

Em 2019, o continente africano recebeu mais um Prêmio Nobel da Paz. O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, de 43 anos, foi anunciado como o vencedor.  No posto há quase dois anos, Abiy foi responsável por realizações e avanços como a assinatura do acordo de paz com a Eritreia após duas décadas de conflitos e animosidades e pela libertação de milhares de presos políticos. O prêmio que será entregue em 10 de dezembro vale cerca de 830 mil euros.

Conheça os africanos que receberam o Nobel da Paz 

No ano passado (2018), o Nobel da Paz foi oferecido a nomes que lutam contra abusos e violações sexuais em zonas de guerra. Na ocasião, o médico congolês Denis Mukwege e a ativista iraquiana yazidi Nadia Murad foram premiados.

Leia o comunicado sobre o Nobel da Paz de 2019 

O Comitê Nobel da Noruega decidiu atribuir o Prêmio Nobel da Paz de 2019 ao primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed Ali, pelos seus esforços em prol da paz e da cooperação internacional e, em particular, pela sua iniciativa decisiva para resolver o conflito fronteiriço com a vizinha Eritreia. O prêmio destina-se igualmente a reconhecer todas as partes interessadas que trabalham em prol da paz e da reconciliação na Etiópia e nas regiões da África Oriental e Setentrional.

Quando Abiy Ahmed se tornou primeiro-ministro, em abril de 2018, deixou claro que desejava retomar as conversações de paz com a Eritreia. Em estreita colaboração com Isaias Afwerki, Presidente da Eritreia, Abiy Ahmed elaborou rapidamente os princípios de um acordo de paz para pôr fim ao longo impasse “sem paz, sem guerra” entre os dois países. Estes princípios estão estabelecidos nas declarações que o primeiro-ministro Abiy e o Presidente Afwerki assinaram em Asmara e Jeddah nos passados meses de julho e setembro. Uma premissa importante para o avanço foi a vontade incondicional de Abiy Ahmed de aceitar a decisão arbitral de uma comissão internacional de fronteiras em 2002.

A paz não resulta apenas das ações de uma das partes. Quando o primeiro-ministro Abiy estendeu a mão, o presidente Afwerki agarrou-a e ajudou a formalizar o processo de paz entre os dois países. 

O Comitê Nobel da Noruega espera que o acordo de paz contribua para uma mudança positiva para todas as populações da Etiópia e da Eritreia. Na Etiópia, ainda que ainda haja muito trabalho a fazer, Abiy Ahmed iniciou importantes reformas que dão a muitos cidadãos a esperança de uma vida melhor e de um futuro melhor. Passou os seus primeiros 100 dias como primeiro-ministro a levantar o estado de emergência do país, a conceder anistia a milhares de presos políticos, a pôr termo à censura dos meios de comunicação social, a legalizar grupos de oposição ilegais, a despedir líderes militares e civis suspeitos de corrupção e a aumentar significativamente a influência das mulheres na vida política e comunitária da Etiópia. Também se comprometeu a reforçar a democracia através da realização de eleições livres e justas.

Na sequência do processo de paz com a Eritreia, o primeiro-ministro Abiy empenhou-se noutros processos de paz e reconciliação na África Oriental e Nordeste. Em setembro de 2018, ele e o seu governo contribuíram ativamente para a normalização das relações diplomáticas entre a Eritreia e Djibuti, após muitos anos de hostilidade política. Além disso, Abiy Ahmed tem procurado mediar entre Quénia e Somália o seu prolongado conflito sobre os direitos a uma área marinha disputada. Há agora esperança de uma resolução para este conflito.

No Sudão, o regime militar e a oposição regressaram à mesa das negociações. No dia 17 de Agosto, publicaram um projeto conjunto de uma nova Constituição destinada a assegurar uma transição pacífica para um regime civil no país. O primeiro-ministro Abiy desempenhou um papel fundamental no processo que conduziu ao acordo.

A Etiópia é um país com muitas línguas e povos diferentes. Ultimamente, as velhas rivalidades étnicas têm-se exacerbado. Segundo os observadores internacionais, até três milhões de etíopes podem ser deslocados internamente. Isto para além dos cerca de um milhão de refugiados e requerentes de asilo de países vizinhos. Enquanto primeiro-ministro, Abiy Ahmed procurou promover a reconciliação, a solidariedade e a justiça social.

No entanto, muitos desafios continuam por resolver. Os conflitos étnicos continuam a agravar-se, e temos visto exemplos preocupantes disso mesmo nas últimas semanas e meses. Não há dúvida de que algumas pessoas pensarão que o prêmio deste ano está a ser atribuído demasiado cedo.

O Comitê Nobel da Noruega considera que é agora que os esforços de Abiy Ahmed merecem reconhecimento e precisam de ser encorajados. O Comitê Nobel da Noruega espera que o Prêmio Nobel da Paz reforce o papel de Abiy no seu importante trabalho em prol da paz e da reconciliação.

A Etiópia é o segundo país mais populoso de África e tem a maior economia da África Oriental. Uma Etiópia pacífica, estável e bem sucedida terá muitos efeitos secundários positivos e ajudará a reforçar a fraternidade entre as nações e os povos da região. Com as disposições da vontade de Alfred Nobel firmemente em mente, o Comitê Nobel norueguês vê Abiy Ahmed como a pessoa que no ano anterior mais fez para merecer o Prêmio Nobel da Paz de 2019.

 


  •  
  •