•  
  •  

Fernando GuelengueFernando Guelengue, Por dentro da África

Luanda – Os familiares e ativistas de vários movimentos da sociedade civil angolana se concentraram na tarde desta sexta-feira, no largo do 1 de Maio, em Luanda, pedindo a libertação dos ativistas presos desde o dia 20 de junho. – Opine no fórum abaixo! 

O protesto, que foi impedido pela ocupação do local pela Polícia Nacional, foi organizado para exigir a liberdade dos presos políticos detidos há mais de dois meses, sob acusação de golpe de Estado contra o presidente, no poder desde 1977.

Em gesto de continuidade do protesto, os familiares ofereceram aos comandantes da Polícia Nacional, agentes dos Serviços Secretos e quem mais passasse pelo Largo do 1* de Maio, flores brancas para simbolizar a paz, democracia e liberdade.

IMG-20150828-WA0000Segundo os familiares e relatos de ativistas, no começo da manhã, a cidade registrava uma concentração de militares da Unidade da Guarda Presidencial e agentes da Polícia Nacional armados aos dentes para intimidar e desencorajar a realização da marcha.

– Desde que começamos a nos movimentar, estamos sendo seguidos pelos abrutes dos Serviços de Informação do Estado e agentes da Polícia Nacional- , disse Esperança Gonga, esposa do professor e ativista dos direitos humanos, Domingos da Cruz, também detido.

A ausência dos demais organizadores da marcha e vigília é vista como estratégia dos serviços de informação que tudo fazem para dificultar a vida deles. A esposa de um dos ativistas que não citou o nome foi informada de que não vai continuar na casa onde mora.

[bbp-single-topic id=20789]


  •  
  •