O papel das cidades na transformação produtiva: os exemplos de Cidade do Cabo e Nairóbi

0

Foto: Nairóbi – Virginia Maria Yunes

Com informações ONU Habitat

Políticas de transformação produtiva têm ganhado evidência renovada nos últimos anos. Em países desenvolvidos e em desenvolvimento, governos e atores do setor privado começaram a planejar e a implementar programas e instrumentos para o desenvolvimento do setor.

O relatório Transformação Produtiva: Seis Estudos de Caso de cidades da África, Ásia e América Latina (2015) define a transformação produtiva com programas públicos e instrumentos destinados a criar empregos e a alcançar crescimento sustentável através da maior produtividade e da promoção de setores competitivos.

Segundo o relatório, a África é o continente mais pobre do mundo, com altos níveis de
desemprego e informalidade, e sua urbanização está ocorrendo em um ritmo mais rápido do que em outros lugares. Esta rápida urbanização traz riscos de pobreza concentrada e deslocamento social, especialmente se as economias urbanas não puderem absorver a crescente força de trabalho de baixa qualificação dos jovens. As duas cidades africanas selecionadas para o estudo são Cidade do Cabo, capital da África do Sul, e Nairóbi, capital do Quênia.

A Cidade do Cabo é relativamente próspera para padrões africanos, embora marcada por profundas desigualdades sociais e espaciais. O desemprego e a pobreza são elevados para um país de renda média e o desempenho econômico tem sido lento nos últimos anos pelos padrões da maioria das economias emergentes. O nível de vida médio em Nairóbi é menor do que na Cidade do Cabo, embora seu crescimento econômico tenha mais forte na última década. A população de Nairóbi está crescendo mais rapidamente do que da Cidade do Cabo e existem níveis mais elevados de empresas informais e habitação.

Entre os fatores que podem melhorar a capacidade econômica da região, os setores-chave da economia da Cidade do Cabo necessitam de atualização tecnológica para manter e aumentar a sua produtividade e competitividade. Tecnologias de informação e comunicação é um setor de ponta da economia global e as evidências apontam para a continuação do seu rápido crescimento e desenvolvimento.

Nairóbi produz mais da metade do PIB do Quênia e é a sede regional para a maioria das empresas internacionais e outras organizações presentes na África Oriental. Tem uma economia razoavelmente diversificada composta por um amplo setor público, agências internacionais de desenvolvimento, turismo, serviços financeiros, fabricação de bens de consumo.

Apesar disso, Nairóbi enfrenta grandes desafios da desemprego e subemprego, especialmente entre os jovens. O ambiente de negócios também é pobre, como resultado da escassez e alto custo da eletricidade, outras restrições de infraestrutura e procedimentos governamentais burocráticos. Em um esforço para reduzir o congestionamento, o conselho da cidade duplicou as taxas para estacionamento no centro da região, mas isso só resultou em protestos.

A chave para o crescimento econômico e desenvolvimento sustentável está na construção de capacidade produtiva, de preferência, sob a forma de empresas fortes e dinâmicas de propriedade local que são inovadoras e auto-sustentáveis. De acordo com o estudo, diante da rápida urbanização e pobreza em grande escala, Nairóbi deve usar seus recursos para incentivar o crescimento inclusivo da sua economia. Diversificação econômica e pensamento criativo também são importantes para ampliar a base industrial para além de produtos primários e expandir o emprego a um ritmo suficiente para reduzir o desemprego.