África em Verso: “Rapto”, em homenagem a Olaudah Equiano

0

Olaudah Equiano - Reprodução de ilustração
Olaudah Equiano – Reprodução de ilustração

Alberto Secama
Por dentro da África

Olaudah, ainda menino
com sua irmã e outros petizes,
enquanto brincavam n’aldeia,
um rapto mudou-lhes o destino
e para Bridgetown, Barbados,
em quanta angústia
de Igboland, o Atlântico viu-os partir.
Entre 244 cruelmente acorrentados
no apertadíssimo porão
de Ogden, a negreira embarcação.

Dias depois, para a Virgínia.
Nas margens do rio York
partiu o miúdo Equiano
com a alma podre e fria
àbordo de Nancy.

Com os pés descalços
e a pesada bagagem
no imaginário sem norte
Equiano calcou no solo americano
o medo da morte.

Nada mais temia
e nada mais sentia
nem dor, nem alegria.

*Olaudah Equiano, filho de uma família Igbo rica, foi sequestrado por caçadores de escravos de uma tribo adversa na Nigéria. Aos 11 anos, ele se tornou escravo. Transferido para Barbados, foi adquirido por um oficial britânico que levou à Virgínia (Estados Unidos) e depois o fez acompanhá-lo à Inglaterra. (Wikipedia)

Alberto Secama
Por dentro da África