Somália: Explosões deixam mais de 250 mortos e centenas de feridos

0
  •  
  •  

A street scene in Mogadishu, the Somali capital. Photo: AU-UN IST/Stuart Price

Por dentro da África

Em Mogadíscio, capital da Somália, mais de 250 pessoas morreram após dois veículos explodirem no último sábado, 14 de outubro. A primeira explosão destruiu dezenas de barracas de um mercado popular no distrito K5. A segunda, aconteceu no distrito Madina.

Após o anúncio da tragédia que deixou centenas de feridos, o presidente Mohamed Abdullahi Mohamed declarou três dias de luto. A dupla explosão é considerada o maior ataque na história do país.

Leia também: Terrorismo na África: Uma ameaça que ronda o continente

O governo da Somália culpou o Al-Shabaab, grupo terrorista que realizou ataques recentes na cidade com granadas, armas e bombas. O grupo, que ainda não se pronunciou sobre os ataques, é ligado à Al-Qaeda e controla regiões do sul e do centro do país com o objetivo de derrubar o governo.

AMISOM troops serving in Belet Weyne, Somalia. Photo: AU-UN/Stuart Price
AMISOM troops serving in Belet Weyne, Somalia. Photo: AU-UN/Stuart Price

Localizado na região conhecida como Chifre da África, a Somália faz fronteira com Djibuti, Quênia, Etiópia e Iêmen (na Peninsula Arábica). Com cerca de 10 milhões de habirantes, o país é um dos mais pobres do mundo. Cerca de 65% do seu PIB vêm da agricultura, 25% de serviços e 10% da indústria.

Assista à entrevista da escritora somali Nadifa Mohamed ao Por dentro da África

Leia também: “Muitas vezes, a mídia e ONGs reforçam uma ideia errada sobre as africanas”, diz Nadifa Mohamed

A policeman directs traffic at a checkpoint in downtown Mogadishu, Somalia. UN Photo/Tobin Jones
A policeman directs traffic at a checkpoint in downtown Mogadishu, Somalia. UN Photo/Tobin Jones

O país vivencia um longo período de instabilidade política. Devido à sequência de conflitos, foi criada, em 2013, a Missão de Assistência das Nações Unidas na Somália (UNSOM) pela Resolução 2102 do Conselho de Segurança da ONU. Entre suas funções estão: promoção do respeito pelos direitos humanos, empoderamento das mulheres,  proteção das crianças e prevenção da violência sexual relacionada ao conflito. A missão também monitora e informa abusos ou violações dos direitos humanos.


  •  
  •