Burundi: Investigadores apontam violações de direitos humanos no país

0
  •  
  •  

Com informações da ONU

Investigadores nomeados pela ONU emitiram novos avisos sobre violações de direitos e impunidade em curso no Burundi. Num novo relatório solicitado pelo Conselho de Direitos Humanos, a Comissão de Inquérito sobre o Burundi disse que tinha havido “poucas” mudanças positivas desde que o Presidente Evariste Ndayishimiye “tomou posse” em Junho.

A membro da Comissão de Inquérito Francoise Hampson descreveu provas de graves violações dos direitos humanos durante as eleições deste ano, incluindo execuções sumárias, tortura e violência sexual.

“Nas últimas semanas continuaram a registar-se assassínios, detenções arbitrárias e desaparecimentos. Por isso é ligeiramente surpreendente que continue como estava, apesar de as eleições terem terminado. E isso é uma questão de grande preocupação”, disse Francoise.

Numa conferência de imprensa virtual, o presidente da Comissão de Inquérito Doudou Diene advertiu que as mudanças políticas, as nomeações e as declarações públicas do novo Governo mostraram “mais motivos de preocupação e aviso do que promessas”.

Isto porque as posições-chave no novo Governo incluíam indivíduos que tinham sido identificados como tendo cometido violações de direitos em administrações anteriores, que enfrentam sanções internacionais.

Nomeações militares

Além disso, a maioria das novas nomeações foram feitas pelos militares. As conclusões adicionais da Comissão indicaram que a situação dos direitos humanos no país continua em risco de se deteriorar, mesmo após a realização das eleições de 2020.

Esta conclusão é apoiada por numerosos incidentes de segurança recentes e pelo “domínio contínuo da esfera pública pelo Imbonerakure”, a ala juvenil do partido no poder no governo.

Eles atuam como “agentes de segurança de fato” em muitas zonas rurais, explicaram os investigadores, ao mesmo tempo que destacaram a “proliferação do discurso do ódio” durante as eleições.  Isto incluiu a utilização de retórica inflamatória “com uma dimensão étnica”, que continuou a ser um instrumento que podia ser utilizado pelas autoridades sempre que fosse considerado politicamente expedito, disseram os comissários.

Crianças visadas

No seu quarto e último relatório antes do fim do seu mandato durante a actual sessão do Conselho, os investigadores também se concentraram nas violações graves cometidas contra jovens menores de 18 anos, que constituem mais de metade da população do Burundi.

“Por vezes as crianças e os adolescentes foram especificamente visados. Eles são recrutados à força para a liga juvenil do partido no poder, a Imbonerakure, outras vezes foram prejudicados quando outros membros da família são os verdadeiros alvos. Receamos muito as consequências da crise de 2015 para o futuro do Burundi, sobretudo devido ao impacto a longo prazo que terá nas crianças”, disse a Comissária Lucy Asuagbor.

 


  •  
  •