Sombra di Polon: O embrião das moranças e tabankas da herança kaabunke

0

Guiné-Bissau - Foto de Virgínia Maria Yunes
Guiné-Bissau – Foto de Virgínia Maria Yunes

Maurício Wilson Camilo da Silva, Por dentro da África

Este texto constitui um estudo sobre o importante papel cultural que a Sombra di Polon, que se tornou importante para organização política e militar do PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde) como meio unificador dos povos sudaneses e litorâneos, onde, principalmente, os Balanta, Mandinka e Cristãos Civilizados tiveram estratégias que foram importantes para luta de libertação territorial da Guiné e Cabo Verde.

Foi dali que constituíram-se os meios de “ensinamento dos mais velhos aos mais novos”, as primeiras escolarizações corânicas e a alfabetização de ensino revolucionário do PAIGC. Era espaço da prática de Djambadon (um manifesto cultural caracterizado pela dança, cantiga e percussão) e Toka Tina (uma manifestação exclusiva das mulheres associada à Mandjuandadi da herança de cristandadi di Jiba, Catcheu, Bissao e Bolama).

Nesses espaços definidos pela Sombra di Polon, os camaradas do PAIGC consultavam Iran (uma crença na ancestralidade e divindade baseada nos espíritos sobrenaturais e guardiões da natureza) para saber do desfecho sobre o ataque contra os portugueses.

O nome Guiné (Genna, Ghenea, Ginea, Gueni, Guinea, Jenni, Genni, Jinne, Djienne, Djénné), se referia a uma povoação indígena, fundada por volta de 1040, nas margens do Níger. Ela estava localizada a sudoeste de Tumbuctu, por onde passava o ouro em direção ao Mediterrâneo. Foi importante centro comercial, capital do antigo Império Fula, detentor do comércio de ouro escravo (RESENDE, 1994, p. 91).

Autor Luís Fonseca, 29 maio. Disponível em: https://mapsights.com/pirada/huge-imbondeiro-poilao-trees/130753173
Autor Luís Fonseca, 29 maio. Disponível em: https://mapsights.com/pirada/huge-imbondeiro-poilao-trees/130753173

O termo Baloba remete à dimensão física do terreiro que simboliza o lugar onde as incorporadoras da ancestralidade, as Balobeiras, vivem nas matas sagradas e fazem as consultas espirituais.

Sombra di Polon se torna um espaço de soberania e controle espiritual, político e religioso através de um conselho de anciãos, que, quando morrem, se transformam em espíritos guardiões que mediam os vivos com a divindade Iran (JONG, 1988).

Constitui espaços da prática de Djambadon, que surgiu no contexto cultural da hegemonia Mandinka e Toka Tina como manifestação de herança afro-portuguesa nas antigas cristandades de Cacheu, Ziguinchor, Bolama, Bissau, Geba e mais tarde Bafatá. (LOPES, 2003).

Leia a pesquisa aqui – Salvador e suas cores – Maurício Wilson

*Maurício é arquiteto e urbanista pela FAU UFRJ, mestrando em Sociologia pela PPGS UFF e pesquisador-sócio do Real Gabinete Português de Leitura (RGPL) no Rio de Janeiro e associado ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa em Guiné-Bissau