Quênia: aula de preservação em visita ao “orfanato” de elefantes

1
Foto de Samantha Beattie no Orfanato dos Elefantes
Foto de Samantha Beattie no Orfanato dos Elefantes

Samantha Beattie, Por dentro da África

(Samantha, nascida na Nova Zelândia, trabalha como voluntária de projetos sociais no Quênia)

Nairobi, Quênia – Uma das minhas primeiras experiências no Quênia foi uma visita ao David Sheldrick Wildlife Trust, popularmente conhecido como o “Orfanato de Elefantes”. Fundada em 1977, a organização tem o objetivo de conservar e proteger a fauna nativa do Quênia. Seu principal e mais conhecido programa gira em torno do cuidado de elefantes órfãos.

Os elefantes são atendidos no orfanato até os três anos de idade e depois são reintroduzidos na natureza no Parque Nacional de Tsavo, no sul do Quênia. Esse processo pode levar vários anos… Somente quando o órfão é totalmente aceito por sua família adotiva que o processo termina. Esse compromisso é uma prova do trabalho fantástico desta organização.

O orfanato é aberto ao público durante uma hora por dia (das 11h ao meio-dia). Neste período, os visitantes têm a oportunidade de ver os bebês sendo alimentados e hidratados. Enquanto eles “almoçam”, o guia ou guardião do parque explica os detalhes da alimentação e o contexto que levou os elefantes até o orfanato (uma relação direta com a caça predatória).

Foto de Samantha Beattie no Orfanato dos ElefantesÉ uma aula de preservação e uma experiência verdadeiramente comovente ver esses pequenos elefantes brincando ao redor dos visitantes! Com apenas uma hora de observação, é possível constatar que esses animais têm uma incrível personalidade.

No entanto, a visita também é muito importante para entender porque esses bebês adoráveis ​​estão em um orfanato… Para a maior parte, é por causa da atividade humana. Enquanto muitos turistas vêm para a África para ver animais, como elefantes, circulando livremente em seu habitat natural, alguns têm um interesse mais egoísta e cruel nestas criaturas magníficas.

A procura por marfim permanece elevada, apesar de ser um comércio ilegal. A maioria dos órfão foi resgatada ao lado das mães mortas por conta do marfim e a única forma de reduzir o número de elefantes órfãos é combater esse mercado desumano.

Foto de Samantha Beattie no Orfanato dos Elefantes O guardião salienta justamente a importância de se recusar a comprar marfim, já que participar deste mercado é contribuir para a destruição de centenas de famílias de elefantes. Outro fator que atinge diretamente os órfãos é a destruição ou interferência em seu habitat. Este problema é, possivelmente, mais difícil de superar, já que a população mundial continua a crescer. Compreender esta realidade durante a visita é uma experiência indescritível.

Apesar do início trágico na vida desses elefantes, o trabalho  que a organização faz é encantador. Ela tem iniciativas fantásticas como a chance de você apadrinhar um bebê com apenas U$50 dólares por ano (cada elefante custa US$900 dólares por mês). Depois da minha visita ao orfanato, eu simplesmente não conseguia parar de pensar em dar às pessoas a chance de ser também um padrinho.

Este trabalho de conservação também tem o papel de educar as futuras gerações sobre sua importância de preservar a vida selvagem. O que eu testemunhei no Quênia foi muito além das minhas expectativas… Esse trabalho é  maravilhoso tanto do ponto de vista da sensibilização para os problemas enfrentados pelos animais selvagens da África quanto pela solução desses problemas. O fato de que você poder ver os elefantes e ajudar a causa torna tudo ainda mais interessante!

Por dentro da África