Lisboa: Cantoras lusófonas são destaque em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

0

mulher sul2Nesta quarta-feira (8), em Lisboa, as cantoras Cláudia Fonseca, Karyna Gomes, Celina Pereira e o grupo Bambaram realizarão uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher. O encontro faz parte do SUL DA LÍNGUA, um projeto que une leitura, canto e narração oral da lusofonia.

Karyna Gomes – Divulgação

Karyna Gomes é cantora e compositora. Filha de pai guineense e mãe cabo-verdiana emigrada na Guiné Bissau. Karyna considera que a sua musicalidade está enraizada nos convívios de quintal, típicos das sociedades mestiças dos trópicos e do hemisfério sul e que é influenciada pela sua vivência em três continentes – África, América Latina e Europa. Iniciou a sua carreira musical no grupo ‘Rejoincing Mass Choir’ em São Paulo onde viveu durante cinco anos. Após ter regressado ao país natal em 2007 e a convite de Adriano Ferreira (Atchutchi), integrou o histórico e revolucionário grupo Super Mama Djombo. Em 2014, lançou o seu primeiro álbum “Mindjer” (Get!Records, 2014). Foi destacada com dois prémios de melhor cantora em 2014 no seu país. Foi selecionada para uma showcase na Atlantic Music Expo 2015.

claudia
Cláudia Fonseca – Divulgação

Cláudia Fonseca nasceu no Rio de Janeiro, mas tem suas raízes no nordeste de Brasil e de lá vem a sua voz de contadora. Vive em Portugal desde 1992, país onde se fez psicoterapeuta e narradora oral há já uns bons anos. Investigadora do IELT – Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, faz doutoramento em Estudos Culturais, trabalhando entre a psicanálise e a narração. Desenvolve atividades no âmbito da narração oral, mediação de leitura e programação, em contextos muito diversos. Participou em inúmeros encontros e festivais, dentro e fora de Portugal. É programadora dos Cacharoletes de Contos – noites de contos em Lisboa – e co-organizadora do Terra Incógnita – Festival Internacional de Contos de Lisboa e do Estória, História – encontro de contadores, lareiras e sabores, festival em contexto rural que foi uma referência em Portugal. Traz na sua bagagem histórias de muitos lugares e tempos, contos tradicionais e de autor, cantigas, histórias de família, casos, de que gosta muito e que mistura aos contos que conta.

celina
Celina Pereira – Divulgação

Uma das mais premiadas vozes cabo-verdianas, Celina Pereira vem desenvolvendo um incansável e profícuo trabalho na recuperação de temas que são parte da memória coletiva cabo-verdiana, conferindo-lhe um repertório de luxo que inclui, além das mornas, de que é interprete de excelência, mazurcas, cantigas de roda e de casamento, etc. Como escritora conta três títulos de audio-livros multilingues, que vêm servindo os programas de educação intercultural.
Foi condecorada, em 2003, com a Medalha de Mérito (Grau Comendadora) pelo Presidente português Jorge Sampaio, pelo seu trabalho na área da educação e da cultura cabo-verdiana.

bambaram
Bambaram – Foto: António Marciano

BAMBARAM designa a faixa de tecido que as mães usam durante as atividades diárias para transportar as crianças consigo. O caráter simbólico deste pano motivou a escolha para o nome do grupo: são irmãos os que partilharam o mesmo bambaram, também o são aqueles que fizerem parte deste Bambaram. Composto por guineenses, quase exclusivamente mulheres, o Bambaram atua em cerimônias e festas da comunidade guineense de Lisboa. Já se apresentou também em espaços como o Centro Cultural de Belém, a Aula Magna de Lisboa, os Teatros São Luiz e Maria Matos, o B.Leza, ou como as praças do Rossio e do Martim Moniz.

Com informações do Sul da Língua

Serviço:

B.Leza – Rua da Cintura do Porto de Lisboa, armazém B, Cais da Ribeira Nova

Horário: 19h

Saiba mais aqui