Curso sobre obra do cineasta guineense Flora Gomes tem inscrições abertas

0
  •  
  •  

Foto de Flora – Divulgação

Por dentro da África

Neste mês de agosto, a Mostra de Cinemas Africanos promove o curso “A cinematografia múltipla de Flora Gomes”, ministrado pela pesquisadora e especialista na obra do cineasta da Guiné-Bissau, Jusciele Oliveira. Os encontros acontecem aos sábados de agosto, das 15h às 19h (total de 20 horas), e contarão com a presença do próprio cineasta em uma das aulas. O investimento é de R$ 200, com emissão de certificado.

Flora Gomes é um dos nomes mais importantes dos cinemas africanos. Estudou cinema em Cuba, no Instituto Cubano de Artes e Indústria Cinematográfica – ICAIC (1967-1972), sob os ensinamentos de Santiago Álvarez Román; e em Dakar, na Televisão Senegalesa (1972-1973), sob orientação de um dos mestres dos cinemas africanos, Paulin Soumanou Vieyra. Iniciou a sua carreira cinematográfica ao lado de Sana Na N’Hada co-realizando com este dois curtas-metragens: O regresso de Cabral (1976) e Anos no oça luta (1976). Seus longas-metragens de ficção são: Mortu nega (Morte negada, 1988), Udju azul di Yonta (Olhos azuis de Yonta, 1992), Po di sangui (Pau/Árvore de sangue, 1996), Nha fala (Minha fala, 2002) e Republica di mininus (República de meninos, 2012); e do documentário As duas faces da guerra (2006), que assina em coautoria com Diana Andringa.

Através de análises fílmicas orientadas, serão destacados traços formais, estilísticos, estéticos e de conteúdo do realizador, examinando as estratégias de mise en scène, modo de construção narrativa e recorrências temáticas encontradas nos cinco longas-metragens de ficção: Mortu Nega (Morte negada, 1988), Udju azul di Yonta (Olhos azuis de Yonta, 1992), Po di sangui (Pau/Árvore de sangue, 1996), Nha fala (Minha fala, 2002) e Republica di mininus (República dos meninos, 2012).

Os filmes, legendados em português, serão enviados aos inscritos por meio de links privados que ficarão disponíveis por dois meses (agosto e setembro de 2020). As aulas acontecerão na plataforma Zoom e o curso oferece 90 vagas. Dúvidas podem ser enviadas para o e-mail: cursos@mostradecinemasafricanos.com

As inscrições podem ser feitas AQUI.

Sobre Jusciele Oliveira

Graduada  em Letras Vernáculas pela Universidade Federal da Bahia (2006), Jusciele Oliveira é especialista em Metodologia do Ensino de História e Cultura Afro-Brasileiras e Docência do Ensino Superior (2010). Mestre em Literatura e Cultura, pela Universidade Federal da Bahia (2013), com a dissertação sob o título “Tempos de Paz e Guerra: dilemas da contemporaneidade no filme Nha fala de Flora Gomes”. Doutora em Comunicação, Cultura e Artes pelo Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve, em Portugal (2018), com bolsa da CAPES Doutorado Pleno no Exterior, com a tese “Precisamos vestirmo-nos com a luz negra”: uma análise autoral nos cinemas africanos – o caso Flora Gomes. Tem experiência e textos publicados nas áreas de cultura, literaturas e cinemas africanos.

PROGRAMA DO CURSO

Aula 01 (01/08/2020) – Mortu nega: a luta de independência e o (pós)colonial daqueles que a morte nego-os – contextualização histórica, historiografia dos cinemas africanos de língua oficial portuguesa, Guiné-Bissau, apresentação de Flora Gomes.

Aula 02 (08/08/2020) – “Os sacos dos antigos colonizadores pesam o mesmo que os atuais”: Udju azul di yonta – litígios teóricos, discussões pós-neo-colonial, trilha sonora.

Aula 03 (15/08/2020) – “Na história de Amanha lundju, a tradição não foi respeitada”: Po di sangui – identidades culturais, tradições orais bissau-guineense.

Aula 04 (22/08/2020) – Nha fala: uma comédia musical de múltiplos trânsitos – questões de gêneros cinematográficos, contemporaneidade.

Aula 05 (29/08/2020) – Na república das crianças tudo é possível: Republica di mininus – marcas autorais.

OBS. Programa detalhado será enviado aos inscritos.

 


  •  
  •  
Natalia da Luz
Jornalista pós-graduada em TV/Cinema (FGV) e em Ciências Sociais (História e Cultura Afrodescendente - PUC), Natalia da Luz trabalha como Assistente de Informação Pública nas Nações Unidas (ONU - Brasil). Desde 2007, realiza coberturas especiais em países como África do Sul, Moçambique, Suazilândia, Tunísia, Líbia, Angola e Quênia. Atuou em veículos como Jornal O Dia, Jornal do Brasil, TV Record, Globo.com e PressTV (TV do Irã). Viveu na África do Sul durante três temporadas e atuou como correspondente no país em 2009, participando de coberturas como as eleições presidenciais e Copa das Confederações.