Togo é o primeiro país africano a acabar com a doença do sono

0
  •  
  •  

Togo is first African country to end sleeping sickness as a public health problem – WHO

Com informaçoes da OMS

Togo recebeu a validação da Organização Mundial de Saúde (OMS) por ter eliminado a tripanossomíase humana africana ou “doença do sono” como um problema de saúde pública, tornando-se o primeiro país em África a atingir este marco.

A doença do sono é causada por parasitas que são transmitidos por moscas tsé-tsé, encontradas em 36 países da África subsaariana. Se não tratada, a doença do sono é quase sempre fatal. Em 1995, foram detectados cerca de 25.000 casos, estimando-se que cerca de 300.000 casos não foram detectados. Em 2019, foram detectados menos de 1.000 casos. O Togo não comunicou quaisquer casos nos últimos 10 anos.

A partir do ano 2000, os funcionários da saúde pública do país implementaram medidas de controle. Em 2011, o país estabeleceu locais de vigilância nos hospitais das cidades de Mango e Tchamba, que cobrem as principais áreas de risco da doença. Desde então, os funcionários da saúde pública têm mantido uma vigilância reforçada da doença em áreas endémicas e de risco.

Togo solicitou pela primeira vez a certificação da eliminação da doença do sono em 2018 e uma equipa de peritos da OMS estudou os dados, fez recomendações e solicitou uma revisão por parte do país antes de dar a sua aprovação.

“Esta validação faz do Togo o primeiro país em África a ter eliminado a tripanossomíase humana africana ou a doença do sono”, disse Hon Moustafa Mijiyawa, Ministra da Saúde e Higiene Pública.

Uma colaboração global liderada pela OMS apoiou estes esforços ao facilitar a doação de medicamentos e recursos das empresas farmacêuticas, o que ajudou a reforçar a capacidade local e assegurar a disponibilidade sustentada dos instrumentos necessários para controlar a doença.

“Togo é um pioneiro na eliminação da doença do sono, uma doença que tem ameaçado milhões de africanos. Felicito o Governo e o povo do Togo por terem mostrado o caminho. Tenho a certeza que os esforços do país inspirarão outros a pressionar no sentido de uma erradicação final da doença do sono”, disse o Dr. Matshidiso Moeti, Director Regional da OMS para África.

Há duas formas de doença do sono. A primeira, devido ao Trypanosoma brucei gambiense, encontra-se em 24 países da África Ocidental e Central e é responsável por mais de 98% dos casos. A segunda forma, devido ao Trypanosoma brucei rhodesiense, encontra-se em 13 países da África Oriental e Austral e representa o resto dos casos.

A OMS e os seus parceiros visam a eliminação como um problema de saúde pública da forma gambiense da doença de todos os países endémicos até 2030. Benim, Burkina Faso, Camarões, Costa do Marfim e Gana iniciaram o processo de validação com o apoio da OMS.

A eliminação da forma gambiense da doença do sono exigirá a manutenção do compromisso dos países endémicos e dos doadores, bem como a integração de actividades de controlo e vigilância nos sistemas de saúde regulares. Estes esforços precisam de ser apoiados por instrumentos melhorados, abordagens inovadoras de controlo da doença e coordenação eficaz dos esforços.


  •  
  •