República Democrática do Congo: Pesquisa aponta que não há ligação entre os surtos de ebola

0
  •  
  •  

Pesquisa sobre o surto de ebola em RDC – Foto de OMS

Com informações da OMS

Uma nova análise da sequência genética realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisa Biomédica (INRB) da República Democrática do Congo (RDC) descobriu que o vírus ebola recém-identificado que circula na Província Equateur é diferente daquele que infectou mais de 3400 pessoas na parte oriental do país.

O 11º surto de ebola no país foi anunciado em 1º de junho de 2020 após um grupo de casos ter sido detectado na área de Mbandaka da Província de Equateur. A análise de sequenciamento genético do INRB também descobriu que o vírus no último surto é distinto do anterior que atingiu a mesma região em 2018. A investigação está em andamento para determinar a origem do novo surto, mas é provável que ele tenha sido originado de uma fonte animal.

“Não nos surpreende encontrar nenhuma ligação entre o surto atual em Mbandaka e os dois anteriores. Os surtos de ebola em andamento estão muito distantes e há uma proibição de vôos devido à Covid-19”, disse Matshidiso Moeti, Diretor Regional da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a África.

A OMS tem mais de 20 funcionários no terreno apoiando o Ministério da Saúde e parceiros respondendo ao surto em Mbandaka e na comunidade rural de Bikoro. A OMS tem trabalhado com o Ministério da Saúde da RDC, os Centros Africanos de Controle e Prevenção de Doenças, o Movimento da Cruz Vermelha, o UNICEF e outros parceiros nos últimos dois anos para reforçar a capacidade de resposta aos surtos de Ébola na RDC.

“O ebola é endêmico em reservatórios de animais na RDC, por isso era esperado que novos casos surgissem. Embora o novo surto de ebola em Mbandaka represente um desafio, é um desafio que estamos prontos para enfrentar”, disse o Dr. Moeti.

Em conjunto com o Ministério da Saúde e parceiros, a OMS implantou vacinadores nas áreas afetadas. Mais de 600 pessoas foram vacinadas nas zonas sanitárias de Mbandaka e Wangata. Até o momento, 2200 doses de vacinas já foram entregues e espera-se mais no final da semana.


  •  
  •