Organização Mundial da Saúde confirma primeiro caso de ebola no Mali

1
  •  
  •  

Foto: OMS

Com informações da ONU

Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta sexta-feira (24) o primeiro caso confirmado de ebola em Mali. Trata-se de uma criança de dois anos que viajou para Mali acompanhada de sua avó proveniente de Guiné, país que já registrou 1.553 casos e 926 mortes pelo vírus.

Os relatos afirmam que a avó viajou ao Guiné para o enterro da mãe da criança, que antes de morrer alegava ter sintomas similares ao do ebola. Além disso, a avó afirmou que a menina teve os primeiros sangramentos enquanto ainda estava em Guiné, mostrando que já durante a viagem de ônibus se expôs ao contágio de outras pessoas.

Veja mais: Início do Surto: diretor do Médicos Sem Fronteiras fala sobre a epidemia na Guiné

O primeiro contato da criança com os serviços de saúde do Mali ocorreu em 20 de outubro, quando ela foi examinada por um profissional de saúde em Kayes, que logo a redirecionou para o Hospital Fousseyni Daou e foi internada na enfermaria pediátrica com febre de 39° C, tosse, sangramento no nariz e nas fezes.

confirmação da doença foi dada logo após análise das amostras no laboratório SEREFO da Faculdade de Medicina de Bamako, capital do Mali, em 23 de outubro. O Ministério de Saúde do país imediatamente comunicou a OMS e, de acordo com os procedimentos padrão, enviou as amostras para um laboratório da agência da ONU para passar por mais testes e obter novos diagnósticos.

Junto com a OMS, o caso está sendo investigado intensamente pelas autoridades de saúde do Mali. A agência da ONU informou que está implantando uma equipe de resposta rápida e urgente para o país, incluindo peritos em gestão clínica, epidemiologia, rastreio de contato, logística e mobilização social.

A criança está sendo tratada de forma isolada e os profissionais de saúde já receberam treinamento para procedimentos adequados de segurança. Além disso, a investigação inicial identificou 43 pessoas que tiveram contatos com a criança, incluindo 10 profissionais de saúde, que também estão sendo monitorados de forma isolada.

Com informações da ONU


  •  
  •