Nigéria realiza imunização de rotina contra o sarampo

0
  •  
  •  

Foto de UNICEF Nigéria /Van den Berg

Com informações da OMS

No Hospital Pediátrico Hasiya Bayero, em Kano, norte da Nigéria, Aisha Iliasu senta-se pacientemente em um banco de concreto na sala de espera. Dois grandes cartazes com dicas de prevenção da Covid-19 são colados na parede ao lado dela. Apesar do bloqueio na cidade, Aisha foi ao hospital para vacinação de rotina contra o sarampo para seu filho de nove meses de idade.

“Não quero que ele perca a vacina. Ele já tomou todas as doses até agora e esta é a última. Eu estava inicialmente cética em vir ao hospital, pois pensava que os profissionais de saúde não estariam por perto, mas todas as enfermeiras estão aqui e cuidando das crianças como de costume”.

Todos os anos, milhões de vidas são salvas devido à imunização de rotina, que é amplamente reconhecida como uma das intervenções de saúde pública de maior sucesso e custo-benefício. No entanto, na Nigéria, mais de três milhões de crianças com menos de um ano ainda não são vacinadas.

A pandemia da Covid-19 tem colocado novos obstáculos à vacinação no país, bem como à vigilância de doenças evitáveis por vacinação em grande parte da África. Por conta do novo coronavírus, há um risco significativo de que mais crianças percam as vacinas que salvam vidas e que podem prevenir doenças como sarampo e poliomielite.

Durante a Semana Mundial de Vacinação no final de abril, Matshidiso Moeti, Diretor Regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a África, reiterou a importância de continuar a “proteger as comunidades contra surtos de doenças preveníveis por vacinação durante este período sem precedentes”.

Inicialmente, informações coletadas pela OMS em vários hospitais e clínicas de Kano sugeriram que houve um declínio preocupante no atendimento aos clientes nos estabelecimentos de saúde devido à falta de conscientização da continuidade da imunização de rotina, bem como o medo da infecção pela Covid-19 e problemas de transporte decorrentes de medidas de bloqueio.

“Várias diretrizes e materiais foram desenvolvidos para orientar a condução da imunização e outros serviços de cuidados primários de saúde em instalações relevantes durante a pandemia”, diz o Dr. Faisal Shuaib, Diretor Geral da NPHCDA.

A OMS também apoiou a NPHCDA no estabelecimento de treinamentos virtuais sobre prevenção e medidas de controle de infecções para os profissionais de saúde locais, o que ajudou aqueles que antes tinham medo de ir ao trabalho a se sentirem seguros para retornar e os capacitou a garantir o bem-estar de seus pacientes.

Atualmente, a imunização de rotina está em andamento em todos os 36 estados nigerianos. Mairo Mohammed, enfermeiro que administra vacinas no Hospital Pediátrico Hasiya Bayero, disse que houve uma melhora acentuada na participação em comparação com o início da pandemia.

“Inicialmente, tivemos o desafio da baixa participação tanto de profissionais de saúde quanto de cuidadores que tinham medo de vir para as unidades de saúde por medo de infecção, mas agora eles estão conscientes de que as atividades de imunização ainda estão acontecendo como de costume, e também entendem melhor as medidas que podem tomar para se protegerem”.


  •  
  •